Mnahrkiwon

.

Vamos complementar sobre os processos de lasmas, flasmas e boúges, ampliando para uma parte da questão mais genérica. Aparentemente, sai do assunto, mas quando fecharmos nosso propósito, verão com mais clareza que os assuntos são relacionados. Vamos falar um pouco de algo que pode despertar talvez a curiosidade de vocês, além de tantas designações estranhas e fora do âmbito humano. Iremos falar sobre uma espécie de BIBLIOTECA SUIRSÔMICA que relaciona a sensibilidade à intuição, ao conhecimento, à sabedoria e até a uma certa habilidade de prever aquilo que acontece no interior do seu ser. Iremos fazer uma breve exposição sobre o chamado MAPA NAGOUWN. É uma espécie de biblioteca suirsômica, que é resultante da ação insciencial relacionada às forças tehili e a todo o processo que destina a experiência suirsômica orientada pelos seres Ranamás. O entendimento deste Mapa Nagouwn está relacionado a habilidades sensitivas, sensoriais e/ou proprioceptivas de cada pessoa em relação à sua vida, especialmente, própria, ou à vida de seus filhos, de seus entes próximos ou, até mesmo, da sua experiência como um todo, da sua visão de mundo, do seu sentimento existencial. Isto relaciona-se pois, certamente, ao tempo. Iremos dar, por isso, referências básicas sobre o Mapa Nagouwn.

Por que iremos expor vocês ao Mapa Nagouwn? O Mapa Nagouwn pode ajudá-los a observar a si e aos outros. Pode levá-los para próximo do seu suirsoma e, ao longo de algum tempo, iremos detalhando, pois apesar da simplicidade para que o mapa seja construído, será necessário você descobrir como se observar. E este processo pode ser feito de formas diversas, reconsiderando, inclusive, as referências básicas que iremos expor. Pode-se compreender que o Mapa Nagouwn pode ter utilidades premonitórias, limitadamente relacionadas aos seus próprios processos suirsômicos. Não quer dizer que irá revelar para si o seu suirsoma, pois suirsoma certamente é mais sutil na expressão duplinada do que você pode imaginar. Entretanto, poderá trazer momentos próprios, íntimos, para uma reflexão levemente racional, o que significa que há uma forte tendência subjetiva na análise do Mapa Nagouwn.

Esta experiência relacionada ao Mapa Nagouwn surgiu seis séculos antes da era cristã, como é conhecida na experiência humana, com a participação de estudiosos da época, monges orientais em audições e encontros com seres não humanos. O estudo do Mapa Nagouwn não é difundido e raramente poderá ser exposto, pois não se refere a uma customização para achados e perdidos, ou para solucionar as questões mais importantes da humanidade, mas, sim, para um encontro entre a sua consciência e a sua experiência. O Mapa Nagouwn se mostrou amplamente satisfatório para que o eixo insciencial adentre com leveza na compreensão suirsômica, trazendo benefícios para a espiritualidade, para a compreensão das relações existenciais suirsômicas, especialmente relacionadas à sobrevivência e ao desenvolvimento das habilidades pessoais para a memória como um processo de integração suirsômico, altamente sutil, mas que, ao mesmo tempo, pode exigir de diferentes maneiras relacionar aquilo que acontece e pode ser compreendido pela consciência na experiência de cada pessoa, dando algum suporte antidoença, antinegatividade, assim como antidesgaste, ou chamado stress, na vida de cada um.

Nós vamos fazer uma descrição inicial sobre o Mapa Nagouwn com apenas três nomes que dividem o tempo de uma forma muito específica, baseada em questões sugeridas pelos Ranamás, especialmente voltadas para uma nova visão de si. Não iremos detalhar exaustivamente em um encontro. Iremos apenas descrever a estrutura temporal sugerida pelos Ranamás, baseada nos ciclos suirsômicos.

O que seriam, inicialmente, os ciclos suirsômicos? Os ciclos suirsômicos são chamados de AMAS. A palavra se assemelha a amar, mas não tem relação com a palavra amor. É apenas uma palavra de outra língua, como sempre utilizamos. Então, como não é uma palavra que possui gênero específico, ela pode ser dita no feminino ou no masculino como naturalmente for melhor. Mas, os ou as amas são ciclos de relação suirsômica ou suirdjai, que a natureza da estrutura existencial, baseada em diversos processos que não serão descritos no momento, proporciona à humanidade, em processos de duplinação ou de deduplinação, a melhor aproximação possível, como fora já descrito sobre as luas suirsômicas. O que vamos apresentar será apenas a estrutura temporal sugerida pelos seres Ranamás em debates e encontros sobre a estrutura existencial da humanidade há milhares de anos, e estes, os seres Ranamás, vêm sugerindo que, devido ao que surge no horizonte da humanidade, possam ser reveladas formas de aproximar a humanidade de sua própria condição suirsômica. Isto já está sendo elaborado e trazido para os seres humanos que reformulam os seus estágios de desenvolvimento em determinados planetas. A Terra inicia neste momento, há exatos vinte anos, o seu estágio inicial para uma série de propostas que serão trazidas por nós e por mentores humanos Intai.

O Mapa Nagouwn é um desses exemplos. Vamos então, inicialmente, à estrutura temporal. Eu peço a vocês que, se não compreenderem, nos interrompam para que possamos explicar no momento do não entendimento.

Então, trata-se da construção de uma linha do tempo. Mas, não é uma linha do tempo qualquer, linear. Ela tem a interferência tanto do processo biológico, ou seja, do corpo, quanto do processo mental, quanto das influências diversas que estamos elaborando, quanto das consequências e impulsos que movimentam as forças tehili, e, por isso, acontecem dilatações reais e/ou subjetivas do tempo. Elas podem acontecer tanto em relação ao corpo e toda a sua estrutura funcional complexa, quanto podem acontecer mentalmente, ou em torno das dimensões que envolvem a relação insciencial corporal chamada de duplinação. No âmbito Intai, no âmbito “espiritual”, as dilatações e contrações do tempo acontecem não só pelos motivos das contraturas suirsômicas ou das influências suirsômicas, mas de muitos outros processos.

Então vamos compreender que, inicialmente, estamos tratando da estrutura da linha do tempo Nagouwn, que é chamada de biblioteca suirsômica. A expressão biblioteca está intimamente relacionada a processos específicos da experiência suirsômica que causam acúmulos de memória e/ou uma íntima relação com a quantidade de processos envolvidos, e a estrutura numérica que envolve todo o processo temporal. Desta forma, nesta explicação inicial, estamos abordando a estrutura temporal que consiste em embasar a análise subjetiva racional de cada pessoa sobre si e sobre a sua experiência, trazendo uma compreensão distinta de si sobre a experiência humana.

Vamos fazer uma divisão do tempo de vida de uma pessoa, trazendo possibilidades de segmentação do tempo, uma segmentação não linear, e propositada em sugestões dos seres áureos Ranamás. Agradecemos as permissões em expor o Mapa Nagouwn, que normalmente é destinado a acompanhar a experiência, no modo Intai, dos seres duplinados, ou seja, somente alguns seres Intai expostos às causas humanas até nesses últimos 10, 20, ou 30 anos, eram permitidos para o conhecimento do Mapa Nagouwn. O Mapa Nagouwn já foi exposto para seres humanos, como estamos fazendo agora, muitas vezes, para aqueles que eram destinados a uma contribuição para a compreensão da estrutura existencial humana. Essas realizações são propósitos de “seres” de alta capacidade de compreensão e que são aqueles destinados para a proteção e o desenvolvimento por uma humanidade. Há pelo menos 50 planetas destinados aos propósitos do chamado existencialismo humano. Em outro momento abordaremos essas questões. Nosso foco agora é o tempo na concepção do Mapa Nagouwn.

As bibliotecas suirsômicas, como são chamadas, são referências da vida que foram distribuídas em 9 parâmetros – que não iremos descrever no momento para não ficar extenso – mas esses 9 parâmetros são intimamente relacionados às combinações entre os seres Ranamás e as possibilidades de que essas combinações sejam naturalmente bem sucedidas quando o ser duplinado se descobre como um propósito de si e ao mesmo tempo, simultaneamente – para reforçar a condição –, com os outros. Sempre aludimos à experiência individual, associada, relacionada, integrada, dependente cooperativamente da experiência de outros. Irão compreender isso melhor com o Mapa Nagouwn.

Três dos nove parâmetros da biblioteca suirsômica estão relacionados à relação íntima entre o ser individualmente e a sua dependência com os seus semelhantes e outros. Os outros 6 parâmetros estarão relacionados indiretamente. Mas, a força da relação individual, do desenvolvimento individual e a sua dependência com o desenvolvimento coletivo, estabelece portas e janelas para um alcance insciencial mais profundo e mais próximo da consciência, inclusive, do ponto de vista daquilo que é chamado de realidade.

Então, os seres Ranamás propõem que nove anos terrestres fecham um ciclo suirsômico. Nós começamos, portanto, dizendo que os primeiros nove anos da vida de um ser humano estabelece o primeiro ciclo do que é chamado de EZONATS. Propomos que Ezo seja com z, não é exo de externo. Então, o primeiro ezonats são os primeiros 9 anos relacionados à biblioteca suirsômica. E, portanto, são os noves primeiros anos da biblioteca Nagouwm. O segundo e o terceiro ezonats, que daria, portanto, 18 anos e depois 27 anos, formam o primeiro SISTEMA EZONATS. Nós teremos, portanto, mais dois sistemas.

A cada nove anos, a experiência suirsômica completa um ciclo complexo, que pode ser de alta importância para a compreensão, não a revelação, fique bem claro, mas uma melhor compreensão dos efeitos suirsômicos na experiência de cada ser. Então, nós temos uma linha de tempo com uma dinâmica não estática. O tempo varia, ampliando ou diminuindo de forma dinâmica diversos parâmetros físicos e não físicos da experiência da duplinação.

Podemos dizer que os sistemas de sistemas de paridade, a que sempre aludimos, estão intimamente ligados ao processo que é demonstrado através do Mapa Nagouwn. O mapa é chamado de mapa porque você pode fazer anotações relacionadas à concepção que será, ao longo de algum tempo, explicada e, se possivelmente, demonstrada, ou cada um irá demonstrar por si, para si, todo esse conjunto de referências chamado de biblioteca suirsômica. Não é possível ficarmos muito tempo explicando, por enquanto, sobre essas referências suirsômicas.

A referência numérica, ela é importante pelas coincidências da natureza existencial da experiência duplinada. Apesar de termos outras referências numéricas, elas se integram à concepção distributiva proposta pelos seres Ranamás para alcançar objetivos, cada um dentro de si e dentro de suas possiblidades. Isso demonstra a flexibilidade temporal para as análises que poderão ser propostas, cada um para si.

Vamos repetir. A estrutura de 9 anos, ela vai sendo repetida, pois trata-se de ciclos sucessivos da experiência de viver a vida duplinada chamada de suirsoma. O suirsoma é a relação de propostas para uma vida, sugeridas e intercambiadas com seres Ranamás para a experiência duplinada de cada ser humano. Então, estamos tratando da experiência humana, inclusive em outros planetas. Chamamos, portanto, de humanos aqueles que detêm características específicas e semelhantes que, evidentemente, relacionam-se a vocês. E com toda a consideração daqueles que detêm os poderes de, numa linguagem humana, administrar – o que não tem o mesmo sentido para os seres Ranamás, que não administram, eles cumprem uma função existencial destinada pela própria existência. É a forma mais ambígua que buscamos dizer sobre os seres Ranamás, inclusive autorizados por eles mesmos.

Assim sendo, de 9 em 9 anos – isso não quer dizer 9 anos exatos, de maneira que pode haver um encurtamento matemático, ou uma extensão matemática de até um certo tempo, e isso será assunto para outro momento. Mas, o tempo não é estático, o que amplia as necessidades de adaptação na experiência duplinada dos seres humanos. Esses 9 anos podem ser abreviados ou podem ser mais extensos. Mas, essa divisão, nós consideramos um silogismo proposto pelos Ranamás, que, na medida em que surgem mais 9 anos, o ciclo Amas, que são de 3 vezes o ciclo ezonats, de 9 anos, dando 27 anos. Então, esse seria o primeiro sistema.

O segundo sistema são mais 27 anos, e o terceiro sistema, mais 27 anos. Esses 3 sistemas formam uma determinada estrutura proposta para a humanidade. E na medida em que mais nove anos surgem, abre um segundo sistema. A humanidade nunca viveu 3 sistemas e mais um sistema além de suas possibilidades. Mas, digamos que teoricamente os últimos 9 anos da experiência de um ser humano devem ser coincidentemente alcançados pelo maior nível de sua maturidade, e isso é evidentemente relevante.

Se a experiência é inferior ao primeiro ciclo de 9 anos, o processo relacionado ao suirsoma tem uma designação que demonstra que o suirsoma alcança propostas não individuais, e isso já é uma forma de compreender a nobreza daqueles que deduplinam antes dos nove anos. Normalmente estão fazendo isso como proposta suirsômica para ampliar a sua experiência coletiva e ajudar aos pais, aos irmãos, aos tios, avós, aos mais próximos, ou àqueles que interrompem pela via da violência ou de outros processos, dando a oportunidade para que se desenvolvam. Numa grande parte das vezes, são seres humanos em alto grau de desenvolvimento e que podem suportar e aceitar um desafio desta natureza. Não queremos dizer que todos os casos são idênticos. Há, certamente, uma grande variedade na experiência suirsômica. E não se pode afirmar que têm motivos nem mesmo semelhantes.

Então, nós vamos falar sobre os 9 primeiros anos que é o primeiro ezonats. Veja que a expressão ezonats não está no plural e nem tem plural: primeiro ezonats, segundo ezonats, terceiro ezonats. Então, correspondem a 9 anos. Esses 9 anos são divididos em 3 vezes 3 anos, ou seja, em 3 períodos de 3 anos, que também são chamados de EZONATS. Os três anos são os períodos de um ezonats, depois vamos falar sobre a expressão que designa um período do ezonats. É mais importante compreender a estrutura temporal. Esses 9 anos são divididos em 3, em 3 x 3 anos. Cada um desses 3 anos, que somam 36 meses, multiplicado por 3 dá, portanto, 1095 dias, que são os 3 anos do primeiro ezonats. É preciso compreender que essas subdivisões relacionam-se a processos da natureza insciencial, que gera e é gerada pelos Ranamás a estrutura de compreensão das bibliotecas suirsômicas. Elas são como um processo subdividido, que dá origem sempre a 9 âmbitos suirsômicos, que são chamadas de bibliotecas suirsômicas. Elas têm 9 parâmetros sempre.

O primeiro ezonats, que tem 36 meses, ou 1095 dias, eles são divididos em 4 períodos. Esses períodos são de ¼ do primeiro ezonats, que é chamado de PALATS. Então, nós temos 3 ezonats: 36 meses. Eles são divididos em 4 Palats, que dá um período de 9 meses cada um. Isso quer dizer 273 dias e 3/4. Esse é o período dos Palats. São 4 palats. Esses palats geram uma ressonância em cada ano, que está em sincronia com as estações do ano – iremos explicar depois – dando pois uma influência pela via da ressonância, ou seja, de uma resposta dos processos de vibração relacionados a cada referência da biblioteca suirsômica. Nós temos 9 anos divididos em 3 ezonats. Cada ezonats está dividido em 4 palats.

A especificação ats, ao final, relaciona-se ao tempo suirsômico. O primeiro seria EZON, o segundo, PALA. O pala é o período de 4 x 9 meses. Dos 36 meses do primeiro ezonats, aí você tem o segundo ezonats e o terceiro ezonats. Eles são idênticos só que na estrutura temporal. Os 4 palats que têm 1095 dias dividido por 4, que é igual a 273 e ¾ dias, também se subdividem em 3, de 3 meses cada um, chamado de UZATS. O que seriam os Uzats? Seriam os 3 meses desses 3 formados de um dos Palats que, por sua vez, é divisão de 4, de 36 meses, que é um terço dos 9 anos da estrutura suirsômica.

W: Eu gostaria de esclarecer com relação à nomenclatura. Os ciclos de 9 anos não são ezonats?

NA: São. Eles recebem o mesmo nome do primeiro ezonat, de 3 anos (ele falou 3 meses equivocadamente). É o mesmo nome. Obrigado por pedir o esclarecimento, porque isso causa uma confusão.

E: 3 anos, né?

NA: O primeiro, 3 anos, o segundo, mais 3 anos, o terceiro, mais 3 anos, formando o Ezonats geral.

E: Cada ezonats é dividido em 4 palats, e cada palats em 4 uzats?

NA: Não, em 3. Cada uzats tem 91 dias e ¼, o que daria 3 meses e 1 dia, se considerar um mês por 30 dias.

NA: Nós temos a possibilidade, portanto, proposta pelo Ranamás, de uma sincronia por semana. Como a semana tem 7 dias, se você dividir o uzat por 7, nós temos 13 semanas, ou seja, em 13 semanas, passa a ser a linha do tempo que é estabelecida como o processo de análise para a construção do Mapa Nagouwn. O Mapa Nagouwn é uma visão do fragmento de 13 semanas. Considera-se a 7ª. semana dessas 13, que é a semana central das 13 semanas – você teria 6 semanas anteriores e 6 semanas posteriores, um mês e meio antes e um mês e meio depois, e a semana central, como referência do momento em que você está no tempo. Por enquanto, estão entendendo? Se não, podem perguntar.

W: Eu tenho uma dúvida quanto a essa divisão final: um uzats tem 3 meses. O mês tem 30 dias? Por que deu esse mais 1/4?

NA: 3 meses são 30 + 30 + 30 = 90. Um mês não são 30 dias? Então, é 90. Mas, tem um mês que está na conta dos 365 dias do ano, que são 52 semanas e mais 1e 52 avos (1/52). Isso quer dizer que você tem em 52 semanas a referência para a construção da semana final. Ela está relacionada – vamos supor que um mês tivesse 30 dias – você teria que ter um dia a menos no ano. Esse dia está relacionado à correção que é feita a cada 4 anos, que é chamado o ano bissexto, que é uma correção que está se defasando, porque ela não é exata, e esta diferença, inclusive, o Mapa Nagouwn já faz o desconto, considerando 90 dias, e não 91. Mas, a consideração um pouco mais precisa de 91 dias e 1/4, esse ¼, que é 0,25, estabelece que a cada 4 anos, um dia a mais deve ser colocado. E assim, 91 e ¼ dias dividido por 13 vai ser, portanto, 7, que é a referência da semana. Ou seja, 91/13 dá 1 semana. Ou seja, dá o número 7. O inverso também: 91/7, nós temos 13 semanas. Ou seja, 91 dias dividido por 7 dias, porque 7 dias é a semana, tem um sentido prático para a construção do Mapa Nagouwn.

Vamos repetir: 9 anos, a cada 9 anos você tem um ciclo suirsômico. Esses 9 anos são divididos em 3 períodos de 3 ezonats, de 3 anos. Cada período de 3 anos, ou 36 meses ou 1095 dias são divididos em 4, que seriam 9 meses, que são chamados de palats, 9 meses, ou 273 e ¾ dias. Cada palat promove ou é promovido de uma ressonância suirsômica que proporciona uma relação anual das estações terrestres. Isso quer dizer que se você dividir 365 por 4, você terá exatamente os 3 meses que são chamados de uzats, que têm também as referências das 4 partes de 9 meses. Assim sendo, quando você faz a divisão anual, é chamada de ESTAÇÕES UZATS, que estão sincronizadas direta ou indiretamente, com alguma precisão – a expressão ‘alguma’ é uma margem subjetiva – com as estações do ano no planeta Terra. Isso quer dizer diretamente que a inclinação da Terra em relação ao Sol é pertinente para a experiência suirsômica. Veja, a relação direta entre a estrutura cosmológica, a estrutura orgânica do ser, o seu corpo físico, a sua mente e o seu “espírito” estão em harmonia, estão sincronizados, e essa sincronização proporciona a duplinação. Então, há uma relação – podemos dizer, pedindo emprestada a expressão – ‘ecológica’ entre o ser espiritual, a sua duplinação, a sua experiência no planeta e as condições físicas do planeta. Essa relação proporciona a duplinação. Não fossem essas condições, os seres humanos seriam totalmente diferentes. Então, nós temos esses 4 palats que se subdividem em 3 meses uzats. Muitos utilizam a influência do inglês dizendo iuzats, mas é porque a pronúncia antiga usava um i antes, isso foi alterado, nós mantemos assim, mas a pronúncia pode ser iuzats.

V: Nosso Amigo, tenho uma dúvida. A duplinação, nesse caso, está sendo considerada o nascimento?

NA: A duplinação é toda a experiência: nascimento, vida e morte na duplinação.

V: Mas o início?

NA: O momento inicial coincide com o nascimento. Mas não é como é feito na astrologia. Não tem essas análises relacionadas com o tempo, é muito mais subjetivo.

W: Então, considera o parto, né? A formação da consciência.

NA: Considera-se a….

G: a concepção?

NA: A concepção. Inclusive os primeiros nove meses, que são retirados da conta, eles deveriam fazer parte. Os Ranamás preferiram partir do nascimento para simplificar. Então, é chamado de pré-ezonats, os primeiros 9 meses. Teoricamente, tem a flexibilidade da experiência suirsômica. Ou seja, pode ser 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 meses antes do nascimento.

W: O pré-ezonat seria a presciência.

NA: Seria a presciência, relacionada à presciência, exatamente. Muito bem. Compreenderam, portanto, a estrutura?

Todos: Sim

NA: Agradecemos a todos, estamos ao dispor para as perguntas.

V: Dentro do nosso autoconhecimento, através desse mapeamento, subdividido nos ezonats e suas subdivisões, palats e uzats, a gente pode nos localizar em que momento da vida a gente está e perceber se alguma coisa foi acelerada ou retardada?

NA: inicialmente, porque não explicamos isso, você pode fazer os cálculos, naturalmente, e se localizar dentro da estrutura de 9 + 9 + 9 + 9 + 9 e ver em qual sistema você está. Nós iremos fazer as descrições de cada período, começando evidentemente do começo.

V: A cada etapa, a gente pode rever o nosso desenvolvimento?

NA: Perfeitamente, são ciclos, ou seja, os processos suirsômicos são de tal perfeição, a proposta dos seres Ranamás, que a qualquer momento da sua vida, você pode rever a sua experiência. Você está no universo de possibilidades que a sua compreensão alcança.

V: Muito grata aos Ranamás e a vocês por compartilharem esse conhecimento com este grupo. Muito, muito grata, mesmo.

NA: Nós vamos aprofundando, na medida das possibilidades, do interesse, para que vocês possam aprender a fazer o Mapa Nagouwn.

G: Eu também, rapidamente, agradeço por essa confiança em compartilhar conosco tamanho conhecimento.

NA: Igualmente agradecemos.

E: Quando você falou das estações, na sincronização com as estações, a gente começa considerando qual estação?

NA: Isso não tem uma importância no momento. A estação que está, ela pode ser diferente da estação suirsômica. Mas, ela está sincronizada. Ela é próxima do período da estação física, porque ela tem a influência não apenas relacionada à temperatura, mas à exposição de raios cósmicos e à exposição das condições de gravidade e influência eletromagnética. E as forças tehili são altamente relacionadas a influências diversas que têm, principalmente os campos NIR.

E: Quando você falou que a inclinação da Terra em relação ao Sol está sincronizada à experiência suirsômica, com essa mudança na inclinação da Terra, que já está acontecendo há alguns anos, como que fica?

NA: Promove alterações e é promovida pelas alterações de toda a humanidade.

E: Então, essa mudança da inclinação, ela vai influenciar na duplinação dos seres Intai.

NA: Vai, é complexo dizer agora porque vai exigir outras explicações. Mas, guarde essa pergunta. Ela será respondida.

E: Gratidão, Nosso Amigo. Muito linda essa exposição.

NA: Igualmente agradecemos.

W: Primeiro lugar, eu queria pontuar isso que a Eliene falou, mas essa mudança do âmbito das duplinações causada pela mudança na inclinação da Terra, é positiva ou não?

NA: Há o lado positivo e o lado negativo. Há aqueles que se beneficiam e há aqueles cuja inclinação melhora as condições de seu desenvolvimento. Mas, há aqueles que não querem que seja como seja.

W: Tem resistência.

NA: Sim, nós falamos que essa chamada Biblioteca Suirsômica, ela tem um nível alto de subjetividade.

W: E é sobre isso que eu gostaria de perguntar. Então, a linha do tempo, cronológica, ela está traçada, e a referência do Mapa Nagouwn seria o uzats, né?

NA: Sim, seria os uzats.

W: E essa questão da sétima semana central, 6 anteriores e 6 posteriores. Eu entendi isso. E subjetivamente, qual é a nossa referência de desenvolvimento dentro desse quadro cronológico? Eu sei que, por exemplo, no terceiro sistema, iniciando o terceiro sistema – tem que fazer as contas aqui de qual uzats eu estou. E com relação à referência, é possível eu desenvolver no aspecto mental, emotivo, amoroso, um reconhecimento dessa referência que a gente deveria estar?

NA: é possível, isso vai exigir que você compreenda aquilo que acontece em torno de você e que, do seu modo, você organize essa compreensão. O objetivo do Mapa é você se localizar nos ciclos suirsômicos. Na medida em que você localiza, observa e reconhece – o reconhecimento é subjetivo – você passa a adquirir ferramentas analíticas melhores. Você poderá fazer relações com as 12 principais luas suirsômicas e compreender alguma coisa da sua experiência suirsônica. É subjetivo porque deve ser você mesmo que deve estabelecer que um determinado parâmetro faz parte da sua Biblioteca Suirsômica, porque há vários modelos, há 9 referências para cada uma das 9 referências da Biblioteca Suirsômica. Ou seja, são 81 referências básicas como, por exemplo, você sempre fica doente numa determinada situação, num determinado lugar. O médico diz que é uma alergia, mas pode ser um lasma. Os lasmas estão altamente sincronizados as questões suirsômicas. Então, daí o sentido de trabalharmos com o Mapa Nagouwn apra que vocês também compreendam que é possível olhar para si com leveza, com paciência, com respeito, sem preocupações fúteis para seu bem-estar, mas também com alegria, com bons sentimentos com as outras pessoas, com alguma localização de que a sua vida deve caminhar bem, de acordo com aquilo que você avalia que seja bem para você. Vamos supor que uma outra pessoa que tenha cometido um crime, ela vai deparar-se com as consequências de todas as formas daquilo que ela produziu. Provavelmente, ela vai recusar o Mapa Nagouwn, pois ele vai denunciar algo que não deveria estar fazendo parte da sua estrutura suirsômica. E isso pode se tornar irrefutável. E na medida em que ele não abandone a análise do seu Mapa Nagouwn, ele pode se curar, ele pode se ampliar, e saber como encontrar soluções para uma vida que tenha saído muito da sua estrutura suirsômica, já considerando todas as variáveis de defasagem que se possa promover, por exemplo, com uma vida egoísta, etc.

W: Entendi. Sempre a confiança.

NA: Sempre. Muito bem. Muito bom.

W: Muito obrigado.

NA: Igualmente agradecemos.

G: Voltando a esse assunto da inclinação do eixo, e queria juntar também uma outra noção, que acho que foi mencionado, de um suirsoma coletivo, queria perguntar se, por exemplo, o que a gente está vivendo agora com a pandemia, desde o ano passado, de forma tão inesperada, se teria a ver com um suirsoma coletivo que reverbera de forma diferente para cada pessoa, e se teria a ver com esse processo já em curso de mudança da inclinação da Terra.

NA: São relações bastante significativas, considerando que a pandemia não foi nenhuma surpresa, e se esperava que ela pudesse, e ainda se espera, que possam vir outras. Não estou fazendo nenhuma previsão, isso já está na ordem daqueles que têm poder de proporcionar isto à humanidade. E, portanto, o coletivo “ganha” na medida em que isso não é apenas do coletivo. Mas, repercute no coletivo, e se torna uma referência, mas, como uma guerra, como tudo que acontece em maior proporção, provocada por uma pessoa, às vezes, não pode ser atribuído a um suirsoma coletivo, mas o coletivo, ele é, em si, parte do suirsoma, tanto que dos nove parâmetros da chamada biblioteca suirsômica, três são relacionados diretamente ao coletivo, porque o processo suirsômico não é apenas seu, é de toda a experiência interdependente de cada um.

G: e tem a ver com a inclinação da Terra? Ela influencia?

NA: Influencia todos os parâmetros suirsômicos. Todos. A posição, a distância, a transformação, todas as referências físicas astronômicas, ou seja, dos astros e de outros planetas, e em outros planetas que guardam semelhanças, pela semelhança com a humanidade, da sua estrutura Intai “espiritual”. As relações cósmicas são detentoras de um equilíbrio que sem esse equilíbrio a molécula viva se desfaz, se destitui de sua condição natural para existir. Por exemplo, uma temperatura 10 graus acima extinguiria a humanidade e a vida. Uma temperatura 50 graus abaixo, ela pode comprometer a experiência em diversas situações. Entretanto, os limites da adaptação não estão descritos para a eternidade. Eles são parte daquilo que se conquista dentro de si. E, desta forma, as temperaturas, as pressões, as condições extremas são referências da experiência de cada planeta. E, portanto, aqueles que habitam naquelas condições – e num universo mais amplo isso varia de extremos da referência física a extremos da referência não física – desta forma, claro que todos os parâmetros do planeta são condições da experiência duplinada, diretamente e, portanto, também das condições suirsômicas. Elas são parte desta “ecologia”.

G: Obrigada, Nosso Amigo.

NA: Igualmente agradecemos.

V: O momento que estou vivento está me fazendo consultar a biblioteca suirsômica. E talvez as coisas que eu tenho lembrado, talvez trazido de Guion – essa também é uma pergunta, se essa biblioteca não está fisicamente em algum local – ao rever a nossa experiência a cada momento, aquilo que foi exalçado para Guion é o mais importante, se é o mais importante e se isso pode vir de maneira insciencial, num momento de revisão e consulta a esse mapa.

NA: Certamente, você pode utilizar as referências que você adquire, relacionadas àquilo que está no presente, que é a sétima semana das 13, é a semana do seu presente, a semana sete dias para frente ou para trás, onde você está que você pode localizar esse sétimo dia nesta semana, fazendo a conta dos seus dias e a referência do seu tempo presente. Como são 9 bibliotecas suirsômicas, essa conta que muitos fazem de somar e ver qual é o resto da divisão de 9, esse resto é a referência do seu presente. Se o resto é, por exemplo, 5, você se localiza neste 5 da semana, no quinto dia da semana. Esta é a localização de referência para a análise dos dias, das seis semanas anteriores, e seis semanas posteriores, e você pode se localizar tanto antes quanto depois, no futuro. O futuro é uma interrogação. Ele pode ser uma proposta, ou pode ser um encontro, ou uma conclusão. O passado é a intuição, é o sentido, que são as doze luas suirsômicas, que podem ajudar você a compreender os sinais em que essas bibliotecas atuam. Nós, mais à frente, vamos falar sobre cada biblioteca suirsômica. São 9 referências estabelecidas pelos Ranamás, mas cada referência tem 9 parâmetros, que também foram estabelecidos pelos Ranamás. São 81 referências mais 3 situações negativas, somando 84 referências no total. Esses parâmetros já foram transmitidos de uma outra forma para o nosso irmão, que congelou o desenvolvimento, e respeitamos. Mas, de qualquer forma, vamos transmitir, ao longo do tempo, para vocês. E vocês podem desenvolver formas de lidar com isso. Não há uma forma única porque é uma forma de análise proposta condizente com as propostas dos Ranamás de não revelarem o suirsoma. Mas, não impede que vocês possam descobri-los por si, independentemente das formas que vocês fizerem isso, e isso não é algo novo na humanidade. Muitas religiões, muitos rituais foram criados baseados nessa possibilidade, inclusive participamos de muitas e muitas delas, em outros locais, em outras épocas, em outras situações, com objetivos sempre embasados na incondicionalidade do amor e na possibilidade de que cada um possa revelar-se para si. Agradecemos a todos. Amamos. Que possamos encontrar, com todos vocês, novas formas de perceberem a si. Que seja por intermédio de suas próprias consciências e que seja pela descoberta e pela compreensão de que um mundo mais distribuído, mais igualitário, mais altruístico possa ser mais revelador. Amamos a todos. Agradeceos. Paz e Amor. Mnahrkiwan.

…………………………………………

9 anos – EZONATS

9/3 = 3 =36 meses – ezonats = 4 palats = 1095 dias

36 meses /4 = 9 meses = PALATS = 273 +3/4 dias

9 meses/3 = 3 meses = UZATS

.

Leave a Reply