Encontro Semanal

As surpresas e as interrupções

 

Paz e Amor.

Há muitos aspectos relacionados aos suirsomas que podem ser compreendidos a partir do momento em que se observa a si e aos outros, aos ambientes e aos eventos da vida. Não há limitações entre os eventos. Não há limitações entre as pessoas. Há limitações nos processos conscienciais. Essas limitações estabelecem fronteiras que proporcionam o desenvolvimento de cada um, especificamente. E nem sempre é possível para a humanidade alcançar suas possibilidades. Mas, é urgente que se faça algum esforço para sair do centro dos ciclones de violência e indiferença alcançados por grande parte da população humana. E quando lidamos com o assunto suirsoma, podemos perceber que a sensibilização traz um avivamento mental e “espiritual”, simplesmente porque são informações fidedignas, apesar de seu alto nível de ambiguidade, exigindo maior sensibilidade do que a quem apresentam os seres humanos em seus cotidianos. As duas luas apresentadas neste encontro podem ser consideradas importantes para o ponto de vista coletivo. Pois, realçam situações inter-relacionadas com a experiência entre as pessoas. A lua suirsômica é uma espécie de resumo, digamos, despistado, extravasado do ser insciente que está em seu próprio ser consciencial. Mas, as luas suirsômicas não desenham nem o futuro nem o passado, mas se apresentam como sinais que podem ser estudados e observados. E parte desses sinais pode levar a alguma compreensão do que traz em sua vida, com todos os eventos que acontecem e aconteceram, para que possam refletir e sensibilizar-se a uma compreensão mais profunda e próxima de seus próprios eixos conscienciais. A lua suirsômica das surpresas relaciona a situações de alta sensibilidade suirsômica, muitas vezes interconectadas entre si e aos eventos que se incronizam de maneira a levar o rio que corre em direção a uma cachoeira. Mesmo sendo uma água turva, ao se despencar de um vão livre, as águas se transformam, a resistência do vento assegura que algo não era como se pensara. As surpresas podem estar relacionadas inclusive a terceiros. Mas, estando em volta de suas realidades, costumam trazer conexões igualmente surpreendentes, desfigurando padrões anteriores ou revelando novas faces de suas virtudes, às vezes, fazendo se compreender subitamente algo que sua própria indiferença lhe impunha, e que então se encaixa como um quebra-cabeça. Nas situações entrecruzadas por entre as pessoas e suas realidades subjetivadas pelas aparências, as surpresas revelam para si e para outros; descobrem o que as penumbras ocultam. Mas, não desfazem suas ligações nem sempre óbvias entre as conexões das conexões de cada um. As surpresas podem eclodir de catástrofes naturais ou de prenúncios humanos, quando a indiferença permite que os males afetem as estruturas de sobrevivência. As surpresas podem ser para o bem, ou podem ser para outras circunstâncias. Elas podem revelar para si, sem revelar para outros. Elas podem revelar para outros sem que se percebam suas íntimas relações. As surpresas podem ser observadas e juntadas em uma seção de coleções. Elas farão sentido à medida que as outras luas suirsômicas realçam as interrelações, as tendências, as orientações, os veios das situações que correm pelas vias das cidades, dos lares, dos becos, dos organismos, das estruturas criadas para defenderem os privilegiados, dos meios, apesar de exóticos, inteiramente expostos, cheios de contradições para impor opressões e situações que se generalizam em pobreza, em dor, em doença. Da mesma forma, as surpresas podem revelar as resistências, os conchavos, as situações exuberantes da auto-superação, as descobertas de uns pelos outros, as grandes importâncias nas essências de cada um. A lua suirsômica da surpresa é sempre uma grande surpresa. E será sempre grande, mesmo sendo uma pequena surpresa.

Concomitantemente, outra lua de grande importância coletiva se apresenta como interrupções. As interrupções causam situações de grande importância para muitos. Mas, podem partir de pequenas decisões entre os conflitos, entre o coração e a mente, entre as doenças, as fantasias, e as grandes ignorâncias. A natureza costuma intervir de forma sincronizada, provocando grandes interrupções, a partir de desastres, a partir de situações extremas, levando a situações “devedoras”, pois aquele que acumula suas dívidas, aumenta suas propensões para desastres. Muitas vezes, os domínios injustos são interrompidos pelo próprio desequilíbrio que proporciona nas relações entre os seres humanos. Muitas vezes, suas tragédias prescritas e evidentes se acumulam por vidas, até que se eclodem em interrupções. Mas, as interrupções cumprem, com grande importância, funções nos ciclos de resistência e de ensinamentos para a sobrevivência. Não fossem as interrupções, o desenvolvimento humanitário estaria fadado à eterna ignorância daqueles que dominam. Mas a natureza exubera em sua interrelação com os objetos cósmicos, e suas influências nos micro-universos, fazendo transladar as mesmas consequências de lado a lado, de cada parte, de cada ser, de cada mente. A natureza por inteiro respira, transpira, transforma, e traz ciclos, fluxos, sombras, surpresas, traz todas as luas para o centro de suas terminações. Os ciclos de vida nos horizontes da Terra podem ser interrompidos a qualquer momento, por qualquer motivo, pois, todas as forças tehílicas se somam, se subtraem, em busca de equilíbrio. E as razões da natureza, ignoradas pela humanidade, não se dramatizam, apenas evoluem. As transmutações dessa natureza fazem os eventos suirsômicos se somarem em surpresas e em interrupções. Não é apenas da natureza, é também da natureza do pensamento e das ações dos seres. Elas respondem e criam referências para si e, de acordo com cada um, podem transcorrer até um fim, e este fim, uma transformação. De um lado para o outro, sem mistério, apenas interrompido. O amor é a referência de equilíbrio para se observar todas as luas suirsômicas, isto é, para se observar os sinais que extravasam de seu eixo consciencial, proporcionando aos seres humanos e outros que se encontrem em sua insciência íntima, com a sua luz essencial de amor. E esse meio contundente e poderoso pode transformar e lhe encaixar em qualquer realidade da existência. Paz e Amor. Paz e Amor.

Grupo: A complexidade da surpresa é grande, né?

NA: Certamente, talvez se não fosse, não conseguiria ser surpresa.

Grupo: Às vezes, as simples também surpreendem.

NA: Mesmo assim, são complexas.

Grupo: Faltei às aulas sobre as luas. O que são?

NA: As luas suirsômicas são relacionadas ao suirsomas. Os suirsomas são combinações resultantes, necessárias para a duplinação. Os Ranamás que são seres benevolentes, responsáveis para proporcionar ao ser, realizar de forma adequada a duplinação, isto é, o encaixe para o nascimento. Antes desse processo, há toda uma preparação para que ele se dê de responsabilidade dos Ranamás. E parte desta preparação inclui uma espécie de combinação entre aquele que vai nascer, ou seja, aquele que vai duplinar, que vai “encarnar” – é possível que ele possa escolher algumas coisas, e é possível que ele tenha que cumprir algumas coisas. Entre o que ele deve cumprir como proposta dele mesmo, e o que ele deve cumprir como possibilidade proporcionada a ele, isto é, combinado com o ser que irá fazer todo o processo de encaixe desse ser em sua mãe, no ato proximal da cópula. E, neste momento, independentemente de como seja, o ser que irá ingressar, ele perde, aliás, até com tempos anteriores à duplinação, ele perde a sua insciência, que é a “consciência” do “espírito”, para ficar mais claro. Essa combinação entre Ranamás e o sujeito que vai nascer, ela é confinada, ou seja, ele perde a memória e o acesso à memória dessa combinação. A vida dessa pessoa irá transcorrer na direção dessas combinações. Mas, ele é livre para escolher se ele vai seguir o que ele propôs, ou se ele não vai seguir. Isso está em seu eixo consciencial. Ele não vai lembrar para escolher. Ele será intuído, e estará sendo conduzido pelos ventos, pelas situações, pelas questões, pelas decisões, pelas suas habilidades, por suas capacidades, pelos seus sentimentos, pelas suas escolhas, mas também por fatores externos que irão contribuir de alguma forma. Tudo isso é chamado de suirsoma. Todos os seres têm o seu suirsoma, mas não os conhece. E chamamos de luas suirsômicas, porque as luas representam simbolicamente uma luz indireta. Acontece que o eixo consciencial, por diversos motivos, deixa involuntariamente escapar de forma difusa e ambígua informações para fora do seu eixo insciencial, extravasando para a consciência ou para especialmente o subconsciente. Este extravasamento pode ser observado. Chamamos isso de lua suirsômica, onde informações indefinidas, difusas, ambíguas sobre aquilo que combinara com os seus Ranamás possa ser percebido de maneira que o auxilie, o oriente de alguma forma. Tudo é ambíguo e indefinido, porque os suirsomas estão confinados em seu eixo consciencial,  e a referência mais profunda desse suirsoma representa a sua essência amorosa, o amor incondicional, que faz parte do seu ser. Entretanto, de acordo com suas possibilidades, de acordo com a sua sensibilidade, com a sua “inteligência”, de acordo com aquilo que lhe apresenta a sua própria experiência de viver a vida, e desta forma, estamos abordando o tema lua suirsômica, propondo de realçar doze situações viáveis para se observar e chamamos essas situações de luas suirsômicas. Deixando claro a ambiguidade e a necessidade de sua serenidade de sua imparcialidade, de sua autoconfiança para olhar para tais situações, que são as luas suirsômicas. Colocamos palavras referenciais para que possam a partir dos sentidos figurativos dessas referências estudar a si e aos outros. Uma contribuição de si em confiança consigo mesmo. Ou consigo mesma.

Grupo: Obrigado.

NA: Igualmente agradecemos.

Grupo: Nossa tendência, confundimos com a noção de destino.

NA: O destino é uma indicação ambígua também porque não se refere especificamente a nada. Aquilo que acontece em parte pode ser previsível, mas em outra parte, igualmente imprevisível. Mas, ao observar a si é possível perceber a direção norte, leste, oeste e sul daquilo que lhe acontece, ajudando a entender que parte de suas decisões podem ser orientadas pelo seu suirsoma, e que ao confiar em si, observando-se, pode se concluir alguma coisa, depende de cada um. Não é possível dizer algo para os outros sem se conhecer essas referências. Estamos mostrando, ou melhor, intencionando a mostrar apenas doze situações, isto é, doze luas suirsômicas. Mas, cada um pode ter grande quantidade desses sinais diferentes desses que estamos mostrando. Pois, esses são mais generalizados. Paz e Amor.

Grupo: Você mencionou que o eixo consciencial envia os sinais ambíguos. E qual a relação desse extravasamento com o que foi dito um tempo atrás, sobe o eixo consciencial enviar sinais para nós, de consciência, durante todo o tempo? São situações relacionadas?

NA: São relacionados, mas são assuntos específicos. Dessa forma, devem ser abordados separadamente. Quando se diz algo sobre uma laranja, pode se dizer sobre suas substâncias, não quer dizer que você vá sentir se gosta ou não da laranja, ou se a enxerga com cores amareladas ou esverdeadas. As coisas estão inter-relacionadas, mas cada situação relaciona-se a um âmbito de descrição específico. Pode haver um momento em que uma explicação pode dizer que uma determinada substância refere-se à cor que você enxerga, mas qual a utilidade disso? Não que queiramos que haja utilidade nas coisas.

Grupo: Queria pedir pela xxxxx, que vai submeter a cirurgia amanhã.

NA: Acompanharemos. Agradecemos.

Grupo: Pedir pela saúde da xxxxx, e ela pede que a acompanhe no sábado.

NA: Já estamos acompanhando. Agradecemos.

———————————

———————————

NA: Igualmente agradecemos e estaremos acompanhando.

Em busca daquilo que lhe prover, em busca do equilíbrio, em busca do seu ser que esteja usufruindo de paz e de amor, a proteção é um processo de equilíbrio. A proteção é um acesso ao equilíbrio proporcionado pelo amor. A proteção não é simplesmente uma barreira ou um impedimento, é uma evolução das situações, que proporciona a cada um não viver situações indesejadas. Especialmente, se não lhes cabe. Certamente, estarás trazendo a proteção quando o amor lhe é consciente. Quando exala mentalmente os motivos de sua essência. Não em palavras, mas no seu próprio sentimento. As proteções podem ser providências que lhes acompanham. Tanto daqueles que estejam duplinados, quanto de outros não duplinados. As proteções relacionam-se às condições para consigo mesmo ou consigo mesma. É importante que se entenda: equilíbrio quer dizer interrelação entre as forças que levam a vida de um lado a outro, que fazem vibrar, que fazem repartir. Equilíbrio é dividir, é perceber que aquilo que divide se exterioriza de forma a trazer, tanto para um, quanto para outros, aquilo que lhes cabe. É estar em harmonia, em sintonia. É compreender, é aceitar, é doar, é ajudar. É compreender a luz do amor. Equilibrem-se, amem-se, confiem em si. Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos a presença de todos. Paz e Amor. As águas estão energizadas.