Encontro Semanal

Perspectivas da vontade e perspectivas da confiança

Paz e Amor.

A experiência humana é sempre construída com bases sociais que afunilam, construindo vertentes contraditórias e situações específicas para alguns em detrimento de outros. A experiência de cada ser nem sempre consegue projetar as demandas em relação às necessidades que cada um envolve e é envolvido. Perspectivas das famílias às vezes não atendem ou compreendem as vertentes de seus filhos. Todos os seres esperam algo de si e algo dos outros. E muito frequentemente não atendem nem de si e nem de outros. Podemos perceber relações entre a vontade e as necessidades que, de forma antagônica, tentam convencer-se de suas propriedades. As vontades são problemas para uma parte, especialmente, no começo de suas vidas, gerando perspectivas inseguras. Encontram-se em rota de colisão, quando se constrói baseando-se em conflitos. As relações, em muitos casos, configuram perspectivas que duvidam das posturas de cada um. A infância humana encontra-se pois entre os dilemas da vontade dos seus filhos infantes da primeira infância, quando a maior parte do controle relaciona-se à negação. Não é possível explicar as negações. E à medida que o ser cresce, há um deslocamento para as gerências comportamentais. Mais à frente, para as gerências morais. Sempre há ambiguidade e muitos parâmetros criam perspectivas da desconfiança. A confiança encontra-se confinada, estagnada, dependente de contextos mais abertos para se manifestar. Então, de uma forma geral, atribuem-se perspectivas mínimas para a confiança, e perspectivas máximas para o controle, o que gera uma base insegura para os seres humanos. Certamente, cada um tem o seu contexto, os seus momentos de triunfo, os seus momentos de desistência. Certamente, os momentos mais acuados são evidentemente mais significativamente claros, pois quando não se tem saída, as soluções já estão ao alcance. Quando se tem opção, é preciso exercitar a confiança. Várias limitações relacionam-se a parâmetros construídos socialmente para atender objetivos terceiros, que nem sempre contribuem para o equilíbrio e a força construtiva de cada um. Residem na memória do ser adulto aspectos de sua infância, que podem ajudá-lo diante de suas inseguranças. Alguns desses aspectos ficam mais evidentes quando as chamadas doenças os impedem de agir de acordo com o veio do rio. Os rios buscam o mar. A consciência busca a sua intimidade, o equilíbrio do seu ser sensciente. O desenvolvimento das novas perspectivas precisa ser retraçado, buscando-se a luz do amor. O amor é o rio em direção ao mar. O amor é a tendência final para a intimidade consciencial. É preciso compreender que o amor é a essência de todos os seres e a confiança precisa ter como perspectiva a essência e a diretriz do amor. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: Agradecemos vocês estarem aqui, e a chegada de minha filha na paz e amor. Peço que fortaleçam a confiança, que vibrem por essa região, pelo aterro que era aqui, pelo Brasil, queria pedir que vocês vibrassem por nós neste momento.

NA: Agradecemos a oportunidade.

Grupo: Em falando em confiança e questões dos relacionamentos, e no geral, como isso é desconstruído, e ficamos tão dependentes de coisas para a confiança. Como relacionar com a mentira?

NA: A mentira é a mentira. Não há substituto para o que não é verdade, então diante do conhecimento, a mentira é o que a consciência escolhe para substituir o que ela sabe que é. Portanto, ela parte de um princípio de negar alguma verdade. É uma necessidade? Pode se perguntar. Às vezes, a mentira é o conhecimento de todos, porque em situações diversas, quais os seres humanos que não mentem? Assim sendo, não é uma experiência única, e também não é uma experiência específica no tratamento ao outro, ou a si próprio, ou a si própria. Às vezes, a mentira é conhecida, o que quer dizer que é dita para alguém que sabe que é mentira, e a partir desse ponto, há cumplicidade. Entretanto, a cumplicidade é essencial para a solidariedade. Até onde a mentira contribui para a união entre os seres? Até onde a mentira seleciona a realidade a ser conhecida? De qualquer forma, grande parte das mentiras constrói espelhos de uma realidade contraditória, em que a guerra entre as forças de suas diferenças, das diferenças entre os seres e os seus domínios, geram também diferenças de necessidades – necessidades e de interpretações. Além disso, há o ímpeto do domínio. O mais forte diante do mais fraco. A manipulação, a dissimulação, a carência, a insegurança, o desamor, a incompreensão, o não alcance, a inveja, a incerteza, são muitos os aspectos que trazem contradição. As contradições às vezes são responsáveis por situações acuadas, que levam pessoas a mentirem. O mais frequente pode até ser conceitual – dizer algo que não limite os distanciamentos entre as pessoas. Grande parte da experiência da mentira reside nas próprias visões de si próprios, pois mente-se também para si. Paz e Amor.

Grupo: Estou (?) na mentira geradora da falta de confiança.(?)

NA: Desde o nascimento.

Grupo: Confiar na sua própria confiança, não dependendo da verdade do outro, é isso?

NA: Se não depender da verdade expressa pelos outros não terá perspectiva da mentira. Por exemplo, estás com raiva. Alguém lhe diz que a vida está bela. Para você a vida não está bela. É uma mentira, ou a sua parcialidade gera o efeito da mentira? Entretanto, você quebrou um copo, a sua mãe perguntou se você quebrou o copo e você diz que ele quebrou sozinho. É mentira? Se for uma criança, não é. Se for um adulto, é. Ou o copo entrou na frente, ou você jogou o copo intencionalmente. Muitas vezes, a mentira gera jogos de interpretação. E aí o mestre dos jogos poderá convencer o outro? A mentira gera o conceito de verdade porque se descobre que é mentira. O universo é limitado? Essa frase já foi afirmada e negada pela própria ciência inúmeras vezes. Digamos, o seu universo é limitado? A ciência humana não pode responder. Mas, o seu companheiro ou companheira pode dizer. Pois, conhece a sua verdade? Ora, conhece a ti mesma? Certamente, há uma parte da verdade que pode ser reconhecível como verdadeira. Assim sendo, aquilo que está no âmbito dessa facilidade e nega essa verdade, tranquilamente é mentira. Entre os relacionamentos humanos, há muitas verdades e muitas mentiras. Algumas verdades são compartilhadas por serem pertinentes e atenderem às expectativas. Algumas mentiras atendem às perspectivas. São administradas pelo medo. Mas, quando se descobre, quebra-se a linhagem das expectativas. Nem precisam ser mentiras. Pois, muitas vezes, amigos, parceiros, casais, irmãos, parentes, etc. se conhecem e criam em torno de suas perspectivas, possibilidades e alcances de seus desamores. Pois, o amor incondicional não mede as mentiras nem as verdades. Mas, equaliza-se pela humildade, onde o valor da fertilidade instaura-se pela construção da felicidade. Seria algo possível para os seres humanos, quanto mais eles crerem em si próprios ou em si próprias. Pois, confiar em si é também encontrar liberdade para se expressar independentemente de suas verdades. O amor é a essência que pode proporcionar a superação e a compreensão tornando-se todos cúmplices de suas necessidades e das necessidades de seus irmãos, parentes, cônjuges, amantes, filhos, pais, etc.

Grupo: xxx quando chega, cria uma alergia nos olhos e nariz. Queria pedir para o Japinha para dar um auxílio nisso, ou uma mensagem.

NA: Peço a permissão para a vinda de nosso irmão.

Atendimentos: …..

Grupo: Eu te perguntei há pouco tempo sobre minha mãe, e xxx na semana passada, também, você disse que ela ainda estava em tratamento. Gostaria de perguntar, primeiro, se o tempo na dimensão física dos espíritos seria o mesmo nosso.

NA: Não. Mas, há correspondências.

Grupo: Do que ela está tratando? O que ela tem que se curar?

NA: Estamos organizando, reorganizando o processo em relação a esses assuntos, pois o interesse é grande, mas as diferenças entre as informações conhecidas humanas e as que temos podem criar divergências entre informações humanas e as nossas. Então, alertamos a isso, que fiquem pelo menos imparciais, pois não temos o objetivo de criar novas contradições entre o conhecimento humano e o extra-humano. Frequentemente, ou melhor, a maior parte das pessoas que passa para o estado não duplinado, fica numa espécie de atordoamento, sem referência e sem propriocepção física, o que traz uma espécie de latência, de inércia. Isso pode causar desesperos, ansiedades, e sentimentos de confusão. Muitos dos seres humanos ainda ficam em um estado intermediário por bastante tempo. Esses estados intermediários são de extrema ambiguidade. Como não há referência física vivenciada pelo corpo, não se tem controle nem do pensamento nem das emoções. É preciso ajuda externa. Nas diversas chamadas colônias, se constroem de forma ideal ambientes utilizando-se de campos eletromagnéticos do próprio ambiente, ou de regiões especificamente apropriadas, criam-se locais semi-físicos, para a recuperação de seres diversos, especialmente aqueles que demonstram equilíbrio para serem inseridos nesses locais. Os demais são observados e as ajudas vão acontecendo na medida em que se convence esses que estão desorientados por razões diversas. O convencimento já é o início de um processo específico de atendimento. Pessoas com abertura para o assunto enquanto estavam duplinadas, ou seja, em vida, na Terra, estes conseguem se equilibrar com mais rapidez. Mas, muitas vezes, ficam de certa forma perturbados pela situação. Os atendimentos costumam demorar de um mês a anos, dependendo do grau de auto-aceitação, auto-respeito e auto-desorgulho, pois, o medo e as situações vividas na experiência terrestre criam grandes bolsões de insegurança e de estados chamados de pré-loucura, delírios fantasmagóricos e grandes turbilhões imaginários negativos. As equipes formadas por seres benevolentes são altamente experientes e imbuídas num infinito amor incondicional. São preparados para ajudar, e cotidianamente conseguem a recuperação rápida, isto é, de 3 a 6 meses, de pelo menos 55% dos seres que não acreditavam na experiência pós-vida. Muitos seres, incluindo os incrédulos, também conseguem recuperação apenas por se tornarem mais humildemente abertos. A experiência vivida na Terra, que tenha trazido maior sofrimento, podemos perceber uma grande abertura para o amor e para a compreensão. Ao contrário, os seres mais apegados à riqueza e a situações materiais, encontram resistência em abandonar a força da materialidade. E, por isso, ficam mais perturbados, inquietos e desesperados do que deveriam estar. Estes são ajudados igualmente, mas, costumam demorar muito mais tempo, às vezes, anos, para a recuperação. De qualquer forma, não menos do que cinco a dez anos, o equilíbrio se estabelece de maneira a trazer uma consciência equilibrada de si mesmo. Poucos seres humanos, aproximadamente 5% ou menos, conseguem se equilibrar em até um ano de desduplinação.

Grupo: para reencarnar, só depois desse processo?

NA: Há muitas questões envolvendo a volta para o ambiente físico. Dentre elas, encontra-se o equilíbrio e a aceitação. Pois, se aquele ser não quiser, ele não virá. Muitas vezes, ele precisa rever a sua experiência anterior e terá necessidades evidentes. De outras vezes, experiências mais traumáticas trazem muito medo e insegurança. Esses precisarão de muito mais tempo para compreender a necessidade de se duplinarem.

C: Uma vez você falou que minha mãe estava se preparando para reencarnar.

NA: Essa preparação pode demorar anos, mas já é uma condição extremamente positiva porque já demonstra uma aceitação. Há uma pequena parte desses seres que serão vocês um dia, que de imediato aceitam e já estão prontos, mas mesmo assim precisará de atendimento.

Grupo: Posso ter notícia do xxxx?

NA: Peço autorização para entrar em seu campo de energia.

Grupo: consentida.

NA: Paz e Amor. Ele encontra-se já em uma fase já de mais consciência de si e o atendimento já passou por uma fase mais tranquila, mas houve da parte dele uma espécie de reação que com o tempo se equilibra. Está bem e já fez visitas aos parentes e aos filhos, sendo que em uma delas, esteve também com outros da família, e em visita inclusive a você e à sua filha. Agradecemos.

A luz do amor é a essência. A essência quer dizer referência plausível, referência que se constrói, referência que se crê, referência que se materializa. O amor não é só sentimento porque como sentimento, não encontra-se puro, encontra-se híbrido, miscigenado, com sentimentos até mesmo opostos. Por isso dissemos do amor incondicional, quando a luz, quer dizer, a vibração, a influência do amor incide perpendicularmente no centro de energia coronário, atingindo como um todo o organismo e todo o eixo consciencial que, aliás, entra em ressonância imediatamente. O amor incondicional é uma consideração, uma consideração por si próprio ou si própria, que cria todas as questões como referência absolutamente em equilíbrio com o amor do seu próprio eixo consciencial silosciente, quer dizer, da ciência de sua existência. Agradecemos. O amor é a força proposital para a superação das negatividades e destrutividades da vida. Paz e Amor. Paz e Amor. As águas estão energizadas.