Encontro Semanal

A simplicidade e o comum

:

Paz e Amor.

O comum não é o simples, e o simples não é o comum. A simplicidade encontra-se em seu interior, e está isenta do comum. O comum encontra-se em seu exterior, e impõe sua forma ao simples. Muitas vezes, se faz de simples. As referências antagônicas entre a simplicidade e aquilo que é considerado comum podem trazer distorções a respeito daquilo que é uma virtude contra aquilo que se passa por uma generalização que às vezes pode até ter um caráter nocivo, ou negativo. A simplicidade é da natureza. Isto quer dizer que a natureza alveja a simplicidade. O comum exemplifica uma espécie de artificialidade, pois demonstra supostas situações muito “frequentes”. Mas, a frequência das coisas, muitas vezes, pode ser manipulada, muitas vezes, pode não ser alcançada e, ao ser estimada, encontra-se com as controvérsias, se atende aos poderes de domínio. A simplicidade está no coração, na formação, nas consequências, nas reações espontâneas. A simplicidade é um alvo da natureza. Mas, que natureza? Muitas vezes, aludimos à natureza como se houvesse uma específica para cada situação citada. A natureza é parte de uma simplicidade, de uma ingenuidade, porque é isenta do que se acha ser. Pois, ela também, muitas vezes, encaixa-se naquilo que é tido como comum. Mas, tudo é apenas o que se diz, a retórica, a manipulação. O comum existe enquanto simplicidade, quando não é identificado. Então, talvez seja comum ser simples. Talvez possa ser comum neste ambiente falar esta língua. Talvez seja comum aos seres, respirarem. Mas, certamente, o comum nas avaliações generalizadas esteja sempre se artificializando para caber no âmbito dos interesses, e mais, ao desprezar a simplicidade, é comum que seja tão complexa a simplicidade, porque ao avaliar a simplicidade como comum, há de se impor a ela graus variados de complexidade. Viver a vida como parâmetro do amor é expressar-se em sua simplicidade. Viver a vida nas tensões do cotidiano é trazer o que é comum para aludir à sobrevivência, mal justificando-a naquilo que se julga ser importante, sem conseguir a sua simplicidade. Há um distanciamento imenso entre o que é comum e o que é simples. A natureza complexa aludida como forma e como exemplo é certamente muito complexa. Mas, funciona simplesmente. Pela diversidade e pelas potencialidades daquilo que formam as dimensões, a simplicidade é um sentimento indefinido. A simplicidade é um resumo espontâneo. A simplicidade é uma percepção ingênua. O comum é uma autoridade que impõe o que se é, mesmo não sendo, apenas porque se diz que é comum. Muitas vezes, quase sempre, não é. A natureza do amor é tão ampla, tão difusa, indefinida, talvez impossível de ser desenhada. Mas, a sua simples incondicionalidade revela a complexidade dos limites daquilo que é comum. Paz e Amor.

Agradecimentos.

————————————————————————————————

Mensagens para terceiros.

————————————————————————————————

 

Grupo: Estávamos conversando antes, e lendo o último texto, desafios da humanidade. Os desafios da humanidade duplinada são iguais ou diferentes dos da humanidade deduplinada?

NA: Muitas vezes, usamos a expressão uma humanidade, porque uma humanidade requer um contexto. Há uma multiplicidade de humanidades. E o ser duplinado, em cada uma dessas experiências, é o mesmo que transmigra para os universos de mágnem. Mas, como muda todo o seu estado de ser, muitas coisas dos mundos duplinados são referências das superações daquilo que fora combinado, para que seja superado ou entendido, ou alvejado. E, por isso, nem sempre, o que seria uma “realidade” de universos físicos duplinados, talvez para um, o pó raspado de uma barra de ouro pode ser mais importante do que a vida de milhares de pessoas sem água. Então, os dilemas e as questões irão variar e se tornam dilemas alvos da indiferença, motivações para outros, para reagir, para refazer, talvez motivações para recomeçar. Para outros, para terminar. E ao suplantar o momento da super-consciência – que é o momento pré-mortem, onde há uma transformação orgânica irreversível para liberar as enzimas que libertam a alma, fazendo-a descolar do organismo físico e levar para outro plano – a imagem perispiritual através de uma impressão indolor e simples, da natureza que se diz: ‘ela vai por si’, esse ser se modifica, as suas questões passam a ser outras, porque se defronta com uma impossibilidade fisiológica, com um distanciamento da estrutura física, mas ainda dependente dela. Na maior parte das vezes, os seres se perturbam, se perdem, e se as suas ações foram antes preocupar com o ouro raspado, agora não é mais. Ele quer o ouro, mas não o tem. E talvez naquele instante nem a si ele tem. E os outros, que já pré-experimentaram situações de alta submissão, de alta degradação, humilhação, se transferem para um ambiente onde estão livres daquela dor, e daquela situação. Deparam-se com níveis de reflexão mais avançados, porque o sofrimento leva a uma introspecção, e essa introspecção, advinda do sofrimento se aproxima do bom senso lógico e incondicional do amor. E, dessa forma, no estado pré-mortem da super-consciência, muitos adquirem uma lucidez e muito frequentemente a lucidez acompanha o momento da transformação, da deduplinação, encaixando-se com certa naturalidade no seu estado insciente, notando que o seu estado encontra-se renovado. Portanto, há muitas humanidades, há muitas formas de transformação em ambos os ambientes. E assim, dissemos uma humanidade, porque depende de seus contextos. Paz e Amor.

Grupo:  O momento de pré-mortem, transcende o nosso tempo, porque no nosso tempo pode durar 1 ou 2 s, a lucidez…

NA: A super-consciência acontece no momento de dissociação orgânica, quando o perispírito sente o processo de enzima avisar e deteriorar em seus centros de energia, que leva um certo tempo e um tempo diferente para cada pessoa, mas a super-consciência é instantânea. Não é possível estimar o seu tempo, principalmente o tempo percebido. Este tempo pode ser a impressão de uma eternidade para uns, e nenhuma impressão temporal para outros.

Grupo: Fico curioso quando fala da diminuição da densidade, que é processo que não sei se já está acontecendo através desses eventos cósmicos. Queria que falasse mais sobre isso, se puder. Faço associações que não sei se fazem sentido, as crianças que estão chegando, se estão mais preparadas ou não, se existe uma perda de massa nossa, isso é um evento específico da Terra. Pode falar disso?

NA: é um evento da região da Via Láctea que inclui este sistema, chamado de Sistema Solar, em que irradiações gama de alta intensidade que atingem no momento a região entre Júpiter e o cinturão de fótons, depois do espaço entre Saturno e Júpiter. Essa irradiação já atinge a Terra, e a magnetosfera terrestre consegue refletir perto de 75% dessa irradiação. Portanto, 25% atingem áreas terrestres importantes, causando uma movimentação interior do planeta por causa de seus campos eletromagnéticos. Há uma complexidade nesta questão, pois diferentes formas de compreendê-la leva a divergências de cálculo entre cientistas humanos, mas sabemos por outras vias que há uma influência na estrutura atômica, generalizada, fazendo com que as selisões sejam afetadas, havendo mais depleções do que exalções gravitacionais de abstâncias e substâncias. Este complexo sistema cósmico protetor, ele dá sinais de outras influências cósmicas, dentre elas, já reconhecidas pela humanidade científica, ou a futura desagregação das forças que mantêm os asteroides circulando no cinturão de fótons. Esses assuntos são pouco jogados para a sociedade humana. Pois, a ciência manipulada apenas demonstra aquilo que julga curiosidades ou tecnologias necessárias para aparecer no ambiente comercial. As densidades, portanto, ainda são alteradas por transformações dimensionais, inclusive exaustivamente relatadas de maneiras variadas, estando no espectro entre uma realidade e uma fantasia. Mas, como as comprovações para que isso não seja considerado uma tolice, não são tão evidentes. A ciência ainda debate entre os cientistas que reconhecem tal transformação e aqueles que ignoram por não crerem em premissas fora do âmbito de domínio da dominação. Assim sendo, as explicações para isso serão sempre no limiar entre o exótico e a fantasia. Mesmo assim, confirmamos tais transformações. As crianças já relacionam-se a assuntos não consequentes deste assunto. Mas, das transformações do ser “espiritual” que vem para a duplinação com propósitos suirsômicos diferentes de muitos que já estão duplinados. Isto seria um outro assunto, que precisaríamos de tempo para chegar em um termo simplificado. Mas, de certa forma, há diferenças com aqueles que duplinam desde a década de cinquenta até os dias atuais. Gradativamente, novas questões são trazidas, e aqueles seres que encontram-se banhados na ignorância, independentemente do seu status econômico, poderão ter as suas últimas duplinações neste planeta. Isto também é muito anunciado, mas está totalmente fora do âmbito de conhecimento de uma ciência da dominação. Estes terão muitas surpresas. Não queremos dizer de um futuro longínquo, mas daquilo que já acontece e não é percebido. Paz e Amor.

Grupo: ainda voltando ao último exercício da paridade, ele é tão transformador, tão potente, que gostaria de pedir que desse continuidade a ele.

NA: Já está previsto e solicitamos que tragam, se tiverem interesse, pêndulos de cristais, para que possamos dar continuidade, e ímãs.

Vamos seguindo a estrada dos comuns, porque buscamos o que todos acham que estão buscando. De certa forma, para compreender a si é preciso explorar a si e em sua essência, essa exploração é encontrar-se no mundo comum. O mundo comum, o mundo externo, o mundo dos ambientes de uma realidade irrefutável, compartilhada. De certo modo, sem muita alternativa porque a sobrevivência parece ser o elo comum entre uma humanidade e os seus sonhos. O mundo dos sonhos é um mundo de encontros. É um mundo em que o corpo dorme e acorda viajando pelo espaço. Muitas vezes, quase sempre, fora da consciência, mas verdadeiramente, um mistério quando se acorda. Muitos, talvez todos, continuam sonhando. Quando encontram novas possibilidades, podem realizá-las. Os sonhos são importantes porque também expressam uma realidade. O amor é a essência do mundo dos sonhos, mas também pode ser essencial e essência no mundo dos “acordados”. Paz e Amor. Agradecemos. As águas estão energizadas. Paz e Amor.