Encontro Semanal

As luzes pelo caminho

 

Paz e Amor.

Os seres humanos são luzes em nosso caminho. O encontro com os seres humanos nos traz construir desde o começo caminhos do amor. Há muitos seres interessados em viver a vida vivida pelos seres humanos. Apesar de toda violência, é o caminho mais rápido para encontrar as forças do amor. Muitos seres encontram-se isolados, e as suas “mentes” não sabem para onde ir, e estão sendo convidados a travarem uma experiência na corporalidade humana. Isto não é novidade. Sempre aconteceu, desde o início, porque muitos no plano da chamada espiritualidade, precisam saber onde estão. O ponto de partida para estes são os planetas, como a Terra, que recebem os seres para terem experiências na dimensão terrestre, ou de outros planetas. Iniciamos dizendo sobre outros seres porque, às vezes, é preciso que se compreenda: os seres humanos não estão sozinhos. Não vamos dizer quem são as companhias dos seres humanos. Diremos apenas que não estão sozinhos. É importante que se compreenda porque chegará um momento que eles estarão lado a lado, compartilhando espaços físicos e tempo. As necessidades não são apenas necessidades humanas. Mas, todos os seres, cada um tem a sua necessidade. E, por isso, é preciso se preparar. Se alguém lhe diz que iria tomar um susto, depois lhe dirá que havia avisado. Portanto, o fenômeno humano poderá ter muitas surpresas. Cá estamos, e é preciso dizer que os seres humanos são luzes em nosso caminho. Vamos falar um pouco para aquelas pessoas que ainda estão nos conhecendo.
É complexo explicar de onde vimos. Mas, não vimos das dimensões físicas da existência material. Mesmo assim, precisamos utilizar meios específicos para nos comunicar. Evidentemente, há muitas formas de comunicação. Escolhemos uma – a mais livre e menos invasiva. Isto quer dizer que o ser que nos serve, nos ajuda, não irá sentir os efeitos da nossa intromissão. Queremos dizer que estamos nos comunicando não de dentro da sua casa, mas apenas da varanda. Utilizamos apenas regiões permitidas pela consciência do nosso irmão. Utilizamos tecnologia para mantermos distantes do seu subconsciente, e a parte voluntária precisa adormecer para que possamos utilizá-la, a partir do seu banco de informação. Desta forma, conseguimos nos comunicar, utilizando nossos irmãos, pois incluem–se os seus familiares e seus amigos em “espírito”, para que possamos estar aqui e agora nos comunicando. Independentemente daquilo que ocorrer, estamos em grande número, sem ocupar nenhum espaço. Por volta de quinze milhões de seres da consciência do nosso plano participam em cada encontro. Não é muito, comparado com uma emissora de TV que se comunica com 100 milhões, duzentos milhões de espectadores. Nossos irmãos assistentes colaboram de toda forma, com todos vocês, equilibrando o espaço físico, se comunicando com aqueles seres que estão ao lado de vocês, fazendo aconselhamentos para que as influências possam ser mais construtivas, de maneira a beneficiar, sem uma interferência pela força. Adotamos a retórica do amor, quando devemos transmitir que a essência da vida pode ser vivida com base na experiência incondicional do amor. Nada fazemos para implantar ou deixar vestígios de nossas energias para o ponto de vista negativo. Mas, deixamos no ambiente atmosférico ressonâncias do amor, que podem influenciar cada um de maneira sutil e com o consentimento. Então, se você consente, receberá a nossa influência de amor. Se não consente, ela atuará à distância. Conseguimos interferir, sem alterar o que a própria vida lhes propõe, porque cada um carrega consigo suas próprias prerrogativas. E, se alterássemos estas prerrogativas, estaríamos invadindo espaços especificamente e autenticamente individuais. Não temos o interesse, pois nossa ação independe das propriedades individuais de cada um. Atuamos em nome do amor, e estamos seguindo as luzes dos seres humanos. Luzes que nos indicam quão profundo e extenso pode o amor transformar todos os seres, dotando-lhes de uma consciência livre da maldade, entre aspas, pois os julgamentos de cada pessoa devem estar ao alcance da sua própria consciência. Não viemos para algum motivo. Estamos neste planeta, e em muitos outros, bilhões de anos antes dos seres humanos. Interessa-nos conhecer e aprofundar aos resultados da consciência humana. E esperamos, e assim apoiamos a experiência do amor como limite existencial de sua experiência consciencial. Estamos, portanto, transmitindo alguma informação que lhes possa ser útil – informações diversas, mas, essencialmente, sobre a capacidade mental em relação à experiência cotidiana. Espera-se que os efeitos sejam simplesmente confiar em si. Cada um deve saber o que fazer com si próprio. De forma limitada, a partir de situações específicas, podemos alertar algo que esteja fora do âmbito pessoal. E, ainda no futuro, mas ainda uma vez ou outra, poderemos atender a pedidos de comunicação com seres humanos no chamado plano espiritual, e que tenham alguma necessidade ou que possa se expressar por alguma contingência específica. Normalmente, atendemos com intuito de equilibrar, o que significa ajustar o campo eletrofi de cada ser, dando uma distribuição baseada na natureza de cada um, dos campos de energia. Podemos ainda transmitir informações sobre a rede de canais, as linhas fi, chamadas de meridianos. Pouco a pouco, algumas informações podem ser úteis para o equilíbrio pessoal. Como não somos seres físicos, nunca tivemos olhos, mãos ou qualquer semelhança com algum ser. Nós não temos nenhuma corporalidade, nem nunca tivemos. Muitos de nós já passaram pela experiência e ainda passa, de incorporar desde o nascimento, com a permissão dos espíritos humanos, e até para estudo e pesquisa no plano da “espiritualidade humana”. Não estamos fazendo experiência. A vida já é a sua experiência. Não vamos intervir em situações previstas pela sua experiência de vida, em qualquer situação que seja. Por exemplo, nosso irmão é diabético. Poderíamos curá-lo. Não vamos fazê-lo, porque faz parte do seu contexto existencial, no plano corporal. O seu eixo consciencial planeja superar toda espécie de questão prevista pela sua própria vida. Se interferirmos, entraríamos em ressonância com a sua experiência de vida. Seríamos responsabilizados por interferir em seu plano consciencial. Quem nos responsabilizaria? Nós mesmos. Então, ele será mais feliz descobrindo a sua própria experiência. Ajudaremos naquilo que pudermos, que nos for permitido. E, assim, com todos os seres humanos. Atendemos milhões e milhões de seres humanos, desde quando vieram para o plano terrestre. E estamos de mãos dadas, seguindo os seus passos de luz, pois o amor é a essência do seu eixo consciencial. Todos os seres humanos, incluindo aqueles considerados maus, digamos, são dotados de um eixo consciencial essencialmente ligado ao amor. Mas, a experiência no plano bariônico, físico, terrestre, corporal, encapsula o eixo consciencial, de maneira que, desde a infância, começando tempos antes da concepção, os seres se preparam para receber a experiência de vida, conectando a sua senciência íntima ao tronco biológico cerebral, donde desde a sua formação, irá se construir e poderá encontrar-se novamente na medida em que confiar em seu ser íntimo, baseado no amor. A experiência de cada pessoa, mesmo contextualizada em ambientes sociais específicos, deve perpassar pela construção de si próprio, ou de si própria, baseando-se no mundo social, no mundo imaginário, no mundo do sentimento, da emoção, do pensamento, do conhecimento, do aprendizado, da descoberta; no mundo da chamada espiritualidade que, sob nossa perspectiva, significa olhar para si e ao mesmo tempo olhar para os outros, pois há uma ligação inseparável entre cada ser e os seus semelhantes. Desta forma, pode, quando confiar em si, encontrar-se em si, e poderá promover e construir transformações dentro de si e fora de si com os outros. A experiência da vida é um belo caminho para a maior parte das pessoas, especialmente aqueles que sofrem mais, pois o caminho do sofrimento, apesar de não desejável, enriquece o coração e a inteligência, trazendo transformações profundas e consistentes para novas e próximas experiências. Mas, de toda forma, há um jeito especificamente poderoso, sem dor, e sem sofrimento, chamado amor. Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos.

Agradecimentos. Agradecimento à xxxx. Apresentação da xxxx.

NA: Agradecemos a acolhida. Fizemos uma limpeza em todo o ambiente, incluindo os prédios vizinhos e a área toda física. Agradecemos. Seja bem-vinda ao nosso contato. Agradecemos a presença de todos. Paz e Amor.

Grupo: Você falou que há muitos grupos como este nosso. Eles se configuram semelhantemente, ou há outros referenciais simbólicos? Há uma grande diversidade de formatos?………………………..

NA: Há uma diversidade mas, à medida em que um ser está num corpo humano, a experiência é humana, portanto, o que irá diferenciar será o emergir da consciência. Alguns seres, dotados de um desenvolvimento consciencial específico não irão manifestá-lo, salvo dentro das condições fisiológicas e psicológicas, afetivas, emocionais, assim como os diversos contextos sociais, econômicos, que poderão influenciar especificamente sua consciência, e aquilo que ocorrer em sua corporalidade pode fazer surgir a sua essência consciencial, o que resultará em alguma diferença de seres tipicamente espiritualmente humanos. Paz e Amor.

Grupo: Eu queria perguntar que há milhões de seres como vocês que participam das reuniões. Por que vocês são tão interessados e o que vocês têm de retorno desse trabalho com a gente?

NA: Primeiramente, não necessitamos de nenhum retorno, mas se o interesse é algum retorno, pela ligação que temos com os seres humanos, desde o início, podemos dizer que esta relação se estabelece por interesse do amor. Podemos influenciar uma perspectiva de amor para a experiência humana. Este é um dos nossos principais objetivos. O amor incondicional. Paz e Amor.

Grupo: quando é permitida a interferência da cura e por quem é feita a permissão?

NA: Isso é uma avaliação no momento das situações, para qualquer pessoa, independentemente da questão. Podemos dizer adicionalmente que qualquer doença compreendida por nós como uma experiência da consciência, não especificamente da consciência, mas consciencial, a experiência desta consciência pode ser curada pela própria consciência. Certamente, uma afirmação absurda para a ciência humana. Nem tão absurda quando diz respeito a certos tipos de doença. Mas, sob nosso ponto de vista, sem exceção, as doenças são experiências conscienciais e podem ser curadas pelo próprio ser. Podemos, e é isso uma das coisas que estamos buscando demonstrar: a sua mente pode e deve influenciar o seu ser, confiando em si mesma. Paz e Amor.

Grupo: Nosso Amigo, uma pessoa uma vez me falou que todos os dias nós convivemos com a morte quando dormimos. E vocês utilizam o nosso irmão da mesma forma quando ele está dormindo. Tem alguma relação?

NA: Nenhuma, porque, vamos dizer sem ser uma informação para contradizer, baseada na ciência humana. Estamos apenas dizendo que dormir também é uma experiência de vida. Certamente, a relação entre morte e vida não se relaciona ao sono nem ao dormir, em nossa opinião. Temos muito cuidado quando contradizemos alguém, ser humano. Pois, seja qual for a avaliação, a avaliação pode estar carregada de aspectos auto-destrutivos. Não compreendemos baseados em qualquer aspecto auto-destrutivo a experiência dos seres vivos. A vida, ao dormir, é idêntica em relação aos riscos, às vezes até bem mais protegida da morte do que quando se está em estado de alerta. Primeiramente, porque cada ser está encapsulado em seu corpo, e apenas em casos específicos, este encapsulamento irá se romper. As influências que “espíritos humanos” estejam promovendo durante o sono, são sempre protegidas de vários sistemas que isolam o ser em sono daquele que tenta invadi-lo. Podemos inclusive dizer que se assim fosse, os seres, ao dormir, iriam para a morte. Claro que não é isso que acontece. A grande maioria dorme e acorda. Aqueles que morrem estão morrendo, não porque estão dormindo, mas porque algum evento, situação, doença, algo específico está produzindo o efeito da transformação consciencial de um lado para o outro da vida. Para terminar, consideramos os seres “espirituais” humanos, vivos, são seres vivos. A morte é apenas uma consideração técnica da experiência consciencial. Certamente, uma passagem radical da própria consciência e do próprio ser. Em outra ocasião, poderemos descrever como percebemos a morte, quando ela acontece. Poderás ficar surpresa pela diferença de relato e poderemos inclusive solicitar a ajuda daqueles que estão vivendo a situação. Entretanto, sem tornarmos nossos encontros mais exóticos do que eles são, iremos abordar cada assunto de maneira que sejam compreensíveis a uma ideia adicional para a sua experiência de vida. Paz e Amor.

Grupo: Essa experiência muito rica que temos com vocês, você falou de outros espíritos, não encapsulados.

NA: Nesse momento, temos a presença de uma centena de seres humanos no plano espiritual assistindo nosso diálogo. Entretanto, o chamado plano da espiritualidade tem características específicas também que afetam a percepção, a visibilidade, a auditibilidade, ou o contato com os planos eletromagnéticos do ambiente físico. Assim sendo, uma parte dos seres que aqui estão não consegue ou enxergar ou ouvir, ou mesmo não sabem que estão aqui. Então, precisam da ajuda de outros seres no mesmo plano que os guiam e os trazem para participar, igualmente aprender, contribuir de alguma forma com o nosso encontro. O estado físico dimensional de seres na espiritualidade é um assunto bastante fora da experiência científica humana e até então evitamos abordá-lo, mas sendo de interesse da maioria, podemos fazer algumas introduções ao assunto. Agradecemos

Grupo: Queria pedir pela xxxx que desencarnou.

NA: Assim seja. Estaremos conduzindo a uma orientação específica.

Grupo: Queria pedir também por um grande amigo que foi, o xxx, que acompanhe a trajetória dele, e se for possível uma mensagem para a família dele, que está precisando muito, e agradecer pela experiência do meu trabalho, estou com mais confiança.

NA: Agradecemos. Iremos seguir e conduzir o seu amigo.
“Queridos familiares e irmãos, às vezes a experiência de cada pessoa precisa ser iluminada porque encontra-se, em determinado momento, distante de si próprio. É muito frequente que os seres humanos abandonem a si mesmos. Mas, sinta que este abandono realça um aspecto da vida que deve ser percebida como lição daquilo que se perde quando se perde a vida: a noção de que há o amor entre os seres, e o amor é a essência de uma transformação sadia na vida das pessoas. Mesmo num momento de dor devemos dizer que é possível substituir a dor pelo amor. Amem-se. Esta é a lição do nosso irmão. Amem-se. Paz e Amor. Paz e Amor.

Quando segue à frente a luz humana, nossos corações simbolicamente, evidentemente, sorriem, porque a oportunidade de descobrir a si na vida, é a oportunidade de encontrar o seu amor dentro do seu coração, aliado à sua inteligência. Percebe que quando amares a si e aos outros incondicionalmente, estarás fazendo consigo uma ligação. O seu ser irá paulatinamente desabrochar, dotando-lhe de mais confiança, e a confiança irá trazer a habilidade, o poder de ser expressão do amor. Esta é a luz dos seres humanos em nossos caminhos. Por isso, agradecemos quando olhamos tanto para as estrelas quanto para os seres humanos, e ficamos sem saber quem é quem. Agradecemos. Paz e Amor.