Encontro Semanal

O que você sabe, sabe porque crê

 

Paz e Amor.

 

Desde que nasceste, mostraram e disseram sobre as coisas, os objetos, as formas de ser, de se comportar. Independentemente da realidade em que esteja, você acreditou. E ainda acredita porque formula frases e identifica, baseado nessa fé. Se vai aprender coisas de outros, compara com as suas, e ao comparar, reaprende, e a cada vez, se muda de um âmbito de fé para vários outros âmbitos de fé. O mundo que se constrói a cada momento irá refletir o que é capaz de fazer e de transformar. Ainda criança, não ia elaborar o universo tão sofisticado, apesar de percebê-lo tão sofisticado. Irá elaborar de acordo com a sua idade, com o seu lugar, e de acordo com as vozes que, ao lado, estabelecem o certo e o errado. Cada ser constrói a sua fé. Se disser em um momento específico: “Corra!”, poderá ter um ímpeto de adrenalina, ou poderá simplesmente interrogar com um breve : “Hã?” cada contexto de fé, de crença que constitui cada ser. Na medida em que compartilha um universo comum, ele pode delinear, descobrir, encontrar, analisar quem é. Um movimento de alcance, de ocupação do espaço físico, pode demonstrar em que acredita em você mesmo, ou em você mesma; como lida com o seu corpo; como lida com o seu ser; como lida com a sua consciência. Pois, a consciência é feita de crença. Crer em si há de ser uma base para crer nos outros, até porque não crê nos outros porque não crê em si próprio ou em si própria. Mas, perguntemos duas coisas: é possível crer em si e nos outros? É possível orientar-se pela fé dos outros? E a segunda questão: se não sei como fazer a minha fé, como posso mobilizá-la em mim? Então, primeiramente, ao se pensar diante da realidade do ponto de vida em que estás, observe-se em sua trajetória, se tende a ser para si e para os outros, baseando-se no aspecto da ajuda. Por este ângulo, podemos dizer de forma resumida, que há quatro tipos de seres humanos: há aquele que não se ajuda, não ajuda os outros, e nem acredita que isto ajudaria de alguma forma. Há aquele que ajuda a si mesmo, mas não ajuda aos outros. Há ainda o que não se ajuda, mas ajuda aos outros. E, finalmente, há aquele que simultaneamente se ajuda e ajuda aos outros. Perceba-se nas situações cotidianas, em que momentos mais frequentes, em qual desses quatro tipos a sua crença em si próprio encaixa. Não iremos lançar um julgamento para cada uma dessas quatro situações, mas é possível perceber que elas são diferentes em relação a olhar para si de forma equilibrada, e olhar para os outros de maneira que o trânsito das informações que recebe de si, possa ser compartilhado com os outros, com que nível de confiabilidade. A partir de que idade irá estabelecer para si a construção daquilo que crê e o que crê estabelece com a sua mente, e a mente dos outros, tornando a realidade aspectos diversos daquilo que acredita ser. Então, olhar para si requer confiança em si. Até a sua memória irá melhorar. E, portanto, no âmbito das ações que cada um promove, incluindo as ações para a sobrevivência, relacionam-se a aspectos intrínsecos, diretamente relacionados ao que acredita. Quando produz ações no sentido de construir ou de interagir consigo próprio, em relação à sua mente e ao seu corpo, assim como socialmente, baseado nos sistemas que lhe impõem como deve ser a sua capacidade de transformação, relaciona-se à sua capacidade de crer em si próprio. Então, a partir daí, vários aspectos do que acontece em sua mente, em seu corpo, em sua vida, em seu estado de fome, em seu estado de saúde, e até se muitos passarinhos amarelos sobrevoam à sua volta, relaciona-se como estabelece para si e para os outros, com os outros, ou isoladamente, relações de sua plena confiança. De sua auto-confiança. Da confiança da sua mente, do seu pensar, do seu ser, em relação aos resultados que tens para si e para os outros. É possível transformar a realidade, pois ela é baseada em crença. O real físico depende de você crer que ele exista. E ele pode não existir se você crê que ele não existe. Essas afirmações dependem do seu nível de confiança. Por mínima que seja a sua dúvida, ela irá recriar a realidade. E esta é a virtude da dúvida, assim como, o erro, cuja virtude é a repetição, pois a cada vez que erra, melhora a sua consciência. A dor é o limite a ser extrapolada pelo amor. Pois, podes trocar dor por amor. Funciona, se crer em seu amor. Podemos dizer que, aos nossos olhos, todos os seres humanos estão intimamente ligados a uma fonte inesgotável de amor. À base de sua consciência, o seu ser acumula uma grande experiência e a todo instante, o seu ser busca em seu interior toda menção por mínima que seja, de si próprio. Toda menção de luz que é a intimidade do seu eixo consciencial, ligado diretamente às fontes existenciais do amor. Então, é possível, desde que creia, e a sua fé em si próprio poderá se distribuir por entre os outros seres. Assim como o eco e a reflexão da luz, é preciso o outro para saber de si próprio, ou de si própria. E esta reflexão irá trazer aquilo que confia. Então, podes fazer o caminho de construir, confiar em si. Irá encontrar-se, evidentemente. A consciência é um espelho deste encontro. Não fosse esse aspecto, você não poderia saber sobre si próprio ou sobre si própria. A luz do amor é a luz da sua intimidade. Paz e Amor. Paz e Amor.

Agradecimentos pela presença, pelo acolhimento no espaço da xxxxx e xxxxx, e apresentação de xxxx e xxxx.

NA: Igualmente agradecemos a todos. Fizemos uma energização no ambiente, que estará envolto em uma vibração de amor. Agradecemos a generosidade de nos acolher. Sejam bem-vindos, irmãos, e estamos ao dispor de todos. Paz e Amor.

Grupo: Estamos vivendo a repercussão de uma tragédia no nosso estado, o rompimento das barragens, repercussões de ordem humanitária e ecológica. Gostaria de pedir pelas vítimas, e perguntar se poderia falar algo a respeito.

NA: Às vezes, se angustia com aspectos dramáticos, com razão. Mas, é preciso que se compreendam as situações mais amplamente da humanidade, onde muitas barragens arrebentam dentro dos lares, com as crianças, com os idosos, com as mulheres, assim como com os homens, quando se expõem à violência de uma forma geral. Há milhares e milhares de vítimas diárias, e que não se pode alimentar de forma fantasiosa, às vezes, pois a dor poderia se transformar em álibi para justificar a insensibilidade, uma vez que quando se dói sem parar e nada se faz, o destino é a morte. Mas, é possível que quando se vislumbre, não é preciso apenas em relação às catástrofes, mas em relação a cada ser que se encontra fragilizado. Podemos dizer, pelo menos, os três quartos dos seres humanos que encontram-se em situações que merecessem o mesmo sentimento. É tanta gente, que talvez se desistisse, não só da tristeza, quanto da dor que causa a tristeza. Pois, cotidianamente, ela estabelece parâmetros para a negligência, para a indiferença, para o ódio, para a vaidade, para o orgulho. São os parâmetros da violência. Talvez, pensando assim, a parte sã que representa aqueles que se percebem aos olhos do amor, ficasse comprometida por não conseguir alcançar tamanha dor distribuída em cada ser desta humanidade. Por isso, não sinta dó. Tenha compaixão. Não avalie, apenas sinta. E evite emitir opinião. Mas, pense no amor como resposta, algo do tipo “a humanidade precisa de amor, pois o amor é uma solução”. O amor é uma palavra pequena em quase todas as línguas da humanidade porque guarda grandes significados. É preciso simplicidade ao avizinhar a dor alheia ou a sua própria dor. Mas, não seja insensível. Permita que o fluxo da dor esbarre em seu amor. O seu amor irá refletir ajuda que irá se somar pela natureza essencial do próprio amor. Ao ouvir uma história absurda de violência, permita que esbarre em seu espírito repleto de amor, porque o seu amor irá refletir, amenizando a dor das vítimas, e trazendo consciência para os autores. Da mesma forma, quando cruzar com seres carregando carrosséis de ouro e se exibindo, permita que a luz do exibicionismo reflita em seu amor, porque o seu amor irá refletir, amenizando e trazendo consciência. Se todos fizessem isso, a humanidade poderia ter percebido a força do amor, essencialmente a influência que cada um pode ter uns nos outros. Tal influência gera esta violência porque uma grande parte dos seres humanos confia muito mais nos aspectos destrutivos do que nos aspectos construtivos da vida. É simples: ame a vida, sorria, não para os outros, para si própria(o), diante do espelho, diante do seu sentimento. Não construa dúvidas em seu coração. Aceite os desafios que a vida lhe propõe. Toda dor que se encontra radicalizada torna impossível ser comparada. Por isso, o seu amor irá influenciar de forma desproporcional. O amor de uma pessoa pode mudar a realidade de milhares. Não é proporcional ao seu tamanho, ou até mesmo à complexidade dos seus problemas. Creia em seu amor. Paz e Amor.

Grupo: Relato

NA: Peço a permissão para a vinda de nosso irmão.

 

ATENDIMENTOS

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

J: Paz e Amor. Sente-se por favor em minha frente. Dê-me suas mãos. Peço a permissão para que possamos entrar em seu campo de energia, vamos dizer, numa comparação, como se entrasse apenas na sala da casa. Paz e Amor. Vamos dizer algumas coisas. Há uma estória que diz que dentro de um ser estava um tigre brigando com um javali. Mas, que o javali ganhou do tigre. E perguntaram: Por que? A resposta é que o dono da consciência alimentou o javali e não alimentou o tigre. Assim é a consciência, que estabelece em seu coração. Tudo que disse reforça a ideia de que se distancia de si mesma. Então, vamos dizer algumas coisas que só dependem de você. Primeira: em seu coração há uma ligação entre as fontes de amor, que há pouco dissemos, e a sua consciência. Há uma chave no coração e uma chave na mente. Observe que as quatro formas de ajuda revelam o que fazer com as chaves. Se não olhar para si e não quiser ajudar, nem olhar para fora, nem ajudar a ninguém, poderá jogar as chaves fora, pois ficará isolada, sim. Se ajudares apenas a si, pegando a chave do coração, os sentimentos irão circular de lado a lado, sem saber porquê. Se usares a chave para ajudar só aos outros, se perderá em seus próprios sentimentos, sem saber porquê. Mas, é possível abrir as chaves, ambas, ligando a mente ao coração, permitindo que a consciência reconheça toda dor que lhe trazem as situações de tanta dúvida em si mesma. Mas, é possível reverter tudo, apenas baseado em um conceito, em uma ideia para a consciência. Olhar para si mesma baseada no amor. O amor restitui. O amor realcança. E podemos repetir uma outra história, já que se sente num casulo. Uma história conhecida, pois diz que uma borboleta prestes a sair, estava com dificuldade para sair do casulo. E um ser do lado de fora, observador, com pena, resolver ajudar, cortando uma parte do casulo. Pouco a pouco, a asa da borboleta foi saindo do casulo e, na medida da dificuldade da borboleta, o observador ia cortando mais e mais, deixando e facilitando para a borboleta sair do casulo. Até que enfim, livre, a borboleta estava livre.

Grupo: Mas não pôde voar.

J: Muito bem.

Grupo: porque ela não saiu no momento devido da sua natureza. As suas asas estavam estragadas, pois o ser que abriu o casulo com dó não sabia que a natureza dela era esperar pelo momento correto. E ela não pôde voar.

J: Isso mesmo, mas é preciso explicar que o momento correto relaciona-se ao esforço, AO ESFORÇO de retirar-se do casulo. O esforço faz a asa desamassar. Crer, faz a asa desamassar. Então, depende de crer. Se crê que os remédios é que resolvem, poderá ter um determinado resultado. Se crê que não precisa, que pode trabalhar, que pode modificar a sua vida, faça um teste: pouco a pouco, abrindo-se para o seu amor íntimo, e irá reverter a sua história. Não tenha medo. O medo é uma ilusão. Confie. Aprenda a confiar. Aprenda como aprende um bebê a caminhar, pouco a pouco, vai se abrindo. Não creia que esteja num caminho da autodestruição. Confie na sua luz de amor que podemos ver em seu coração. Nós estamos vendo a sua luz de amor. Ela existe. Mas, é preciso que creia para desamassar, apenas você pode fazer isso. Não importa o tempo que vai levar. Pode ser uma semana, meia hora, um ano, não importa. Vá em seu ritmo, passe a pensar na beleza da vida, nada precisa ter sentido, pois o sentido é a luz do amor. É preciso que se saiba que dentro das possibilidades que uma pessoa tem para se encontrar, está em estender a mão para si própria. E só assim, poderá chegar na essência do seu coração. E, por si mesma, descobrir quando alcança a sua luz, e as suas forças retornarão, pouco a pouco, irá se desfazer desses remédios e poderá encontrar essencialmente a sua luz. Sorria, não tenha medo, alcance a sua essência cada vez que puder. Comece agora. Não duvide. Há amor em seu coração. Há luz em sua existência. Não estás passando por isso à toa, mas se está passando é porque pode passar, e irá passar desde que confie. A confiança é uma ponte. Se não tiver, não pode passar. Mas, se tiver, basta passar. É simples, é a luz do amor que na mais absoluta escuridão irá romper, por mínimo que seja, o filete de luz. E assim, poderá, não é? Aceitar a si mesma como é. Não olhe para si como se fosse um extraterrestre, pois nós somos extraterrestres, e veja que nem somos tão diferentes, mas acredite em seu coração. Não se abandone. Sabemos que quer reagir. Então, reaja. É simples. Compreenda. É simples. Não caia no truque de que quer se destruir. Isso é um truque antigo, que talvez tenha origem em momentos da infância, e que esses momentos lhe trouxeram uma mudança radical, mas agora mude. Aceite os momentos como parte de uma história de uma pessoa vitoriosa. Então, confie em seu coração. Mas, as chaves precisam ser da consciência. A consciência abre o coração. O coração abre a consciência. E assim poderá revelar o seu amor e demonstrar para si mesma e para os seus, que a fonte do seu amor não está esgotada. Muito antes pelo contrário. A sua experiência de vida lhe trouxe um parâmetro para o seu coração. Confie, vamos fazer uma energização para ajudar o coração a compreender que uma mudança está por vir na sua consciência. Não permita as velhas ideias e palavras de outras pessoas, negativas e destrutivas em relação a você. Você poderá retornar para a vida com naturalidade. Compreenda a luz do seu amor. Fique de pé por favor. Junte os pés e sinta que o seu corpo balança. Feche os olhos. A reação da natureza condiz com a reação da sua existência. É a fonte do amor. A medicação muda o seu campo de energia, e não só isso, o que você confia. Mude os seus paradigmas. O que constrói de negativo vai acumulando nessa região. Mude, toque aqui quando for adormecer, e fale, reconheça a sua fonte de amor. Transmita para a sua essência, para o seu coração, para a sua pessoa, uma referência nova e diferente de pensamento. Baseie-se no amor. O amor incondicional, isso quer dizer que a solução está a caminho desde que confie na essência do seu amor. Paz e Amor. Paz e amor. Agradecemos e esperemos a sua resposta. Não é preciso criar artifícios, apenas olhar diferente para si mesma. Agradecemos. Paz e Amor. Paz e Amor.  Algo mais?

Grupo: Queria que dessem uma olhada no meu pé.

J: O que houve dessa vez?

Grupo: Eu não sei. Uma dor que começou sem ser de pancada, começou leve e agora estou com dificuldade.

J: Ponha uma cadeira aqui. Ponha o pé em cima da cadeira. O que foi que você fez?

Grupo: Nada.

J: Aqui tem uma coisa aqui (joelho). Isso pode ser sobrepeso. Brincadeira. Onde dói mais? Dói embaixo? Não estou sentindo. Vire o pé. É provável que tenha relação com ácido úrico. É provável que possa ser inflamação decorrente de processos bioquímicos relacionados ao velho amigo fígado. Esse processo está no início, portanto modifique um pouco a parte de carne, e também pode ser desequilíbrio de alimentação.

Grupo: Evitar carne?

J: Diminuir, se possível. Vamos observando. Em uma semana, na próxima vamos reavaliar. Não vou fazer avaliação do aspecto de energia. Pode ser? Agradecemos. Paz e Amor.

J: O que você sente?

Grupo: Dores nos ombros, na lombar…

J: Está com um complexo de desequilíbrio corporal (não entendi direito), e está tendo maior esforço físico, e isto está chamando a atenção para o corpo. É o problema, né? o ombro é consequência desse, e tem a ver com essa base, porque tem uma linha de desequilíbrio. Fique em pé. Peço permissão para você sentir dor. Tem que fazer relaxamento para ver se melhora. Um reflete no outro: joelho e ombro. Isso reflete estado orgânico específico. Depois temos que ver, talvez intestino. Como está dormindo? De lado? De bruços?

Grupo: Lado e bruços.

NA: Muda de lado para outro? Posso verificar uma coisa? Se sentir dor, me avisa (pressionou a barriga). Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos.

Grupo: Japinha, queria que desse uma olhada em mim também. Problema não, estou com sono fora do normal. Fora isso, não tenho nada demais. Queria que desse uma olhada só.

J: Isso (brincos) está em cima de pontos importantes. Tem que equilibrar… preste atenção .. principalmente nas horas de alimentar. Não entendi direito. Muitas vezes, os ciclos de sono se desequilibram com horas desequilibradas. Paz e amor. Paz e Amor.

Grupo: Posso te dar um abraço? Outros abraçaram e foram energizados.

NA: Paz e Amor. Aquilo que sabe o seu ser, lhe reserva o melhor possível para qualquer ser humano. Mas, estás construindo a sua consciência, e isso acontece até a hora da sua morte, quando a sua consciência seguirá por si, sem a referência do seu corpo. Assim sendo, a experiência que estás vivendo pode ser melhor aproveitada, se a sua consciência percebê-la sob a ótica do amor incondicional. O amor incondicional está em seu coração. Deixe-o fluir e fluirá a sua vida, transformando inclusive os acontecimentos que estão em volta. Se queres encontrar com os pássaros amarelos, faça o teste. Confie e chame-os. Se queres mais pássaros, convoque-os à luz do amor. Irá se surpreender. O poder de toda a existência só tem sentido se você acreditar. O amor é a essência deste poder transformador. Creia. Paz e Amor. Paz e Amor.