Encontro Semanal

Descontinuidades

.

Paz e Amor.

Tudo na natureza física é descontínuo. O tempo, o espaço, as sequências, a existência. A continuidade é apenas uma consideração, inclusive do próprio organismo, mente, corpo. Toda manifestação desta descontinuidade revela para que a descontinuidade se posiciona. A mente se propõe mais contínua do que o corpo que, por sua vez, se ilude em se sentir contínuo. Toda a relação temporal e espacial não pode ser compreendida como continuidade porque não há como permanecer, não há como estar contínuo. Descontinuidade é a referência para os processos de paridade. Como muitos sistemas funcionam simultaneamente, precisam se distribuir em descontinuidades, alternando seus centros de resposta orgânicos com os sistemas mentais, que fazem simulações para emendar os hiatos de todos os processos. A descontinuidade proporciona dinâmicas para a natureza existencial, para a vida, como compreendida pelos seres humanos. Tanto o corpo quanto a mente se complementam entre os seus sistemas de paridade. E, às vezes, consegue dar impressões para a consciência de um panorama contínuo. Mas, certamente, a experiência física não consegue manter essas aparências, provocando grandes brancos orgânicos. A mente, pela velocidade dos processos, se ilude em vista de uma memória fragmentada em trilhões de partes, dando impressões de serem unidas em uma única memória. Não só elas se completam com memórias diferentes, por exemplo, memórias de corpo, ou memórias auditivas, com flashes de memória visual, etc. A entropia dos processos orgânicos mentais tende a buscar uma organização temporal para se ajustar por meio dos processos de paridade. A estrutura orgânica busca equilíbrio orgânico inter-relacionado completamente ao equilíbrio corporal, fazendo-se complementar pela coordenação de toda espécie, de maneira a iludir continuidade. Certamente, essa impressão da descontinuidade abraça diversas diferenças de fluxos de toda espécie, dando e dotando em seus pares de informação e coordenação, dando como resultado impressivo, isto é, proprioceptivo de uma continuidade no tempo e no espaço. O espaço se interrompe tanto no microcosmos quanto no macrocosmos. Não há continuidade, em um dado momento, uma sessão do espaço se interromperá. Se é um caminho, em um momento existirá. E a importância dessas interrupções é que elas criam ambientes dimensionais compartilháveis, por um lado, e não compartilháveis, por outro. Cada um dos aspectos dessas interrupções, elas precisam de preemptividade, que é fazer as coisas simultaneamente, lidando com as interrupções, para dar tempo aos processos existenciais orgânicos e mentais, se entremearem descontinuamente, resultando em continuidades simultâneas. Muitos dos processos mentais, se utilizando dessas características orgânicas, mentais, existenciais da natureza física, interagem por meio de processos distintos e dimensões distintas, o que evidencia os poderes de influência entre corpo, mente e ambiente. Daí as grandes diferenças mentais, corporais e as formas de lidar com a existência em si e por meio e através dos outros. Descontinuidade é uma parte multi-facetada das realidades. Atingem tanto os organismos físicos quanto os seres não físicos. Os ambientes físicos são todos descontínuos. Há muitos fenômenos relacionados à experiência entre mente e corpo. Por exemplo, graças à descontinuidade, é possível a duplinação, como processo físico e ao mesmo tempo não físico. Paz e Amor. Paz e Amor.

Agradecimentos

NA: Ainda iremos abordar as questões do exercício de Pina 1. E, se possível, com as referências dos pêndulos, se houver possibilidade. Estamos ao dispor.

Grupo: Sobre os sonhos, eu queria saber. Eu sou muito ligada. Tenho vários cadernos com sonhos anotados. E já tive várias vezes, quando mudo de casa, quero descartar, e pego de volta. Como li que nos sonhos está 95% de nossa consciência, faz sentido ler isso agora?

NA: Vamos supor que eu lhe conte uma história: “Era uma… outro dia… assim ficou… muito tempo atrás… agora não… Quantos são?… Do que pode?… A carga total… Viveram…” De que servem as palavras descontínuas e fora do tempo para uma consciência que emerge para o seu universo? Você consegue montar a história?

Grupo: Não, dessa forma aí não. Pensei que o sonho remeteria à memória.

NA: Exatamente. O trecho de sonho ou sonho são apenas parte de algo muito maior. Talvez o sentido se faça no momento em que se sonha e depois quando se lembra. Resgatar trechos ou sonhos pode se perder no sentido que cada parte vai ter. Mas, é uma boa coisa escrever, não para lembrar, para exercitar a busca de um encontro consciencial. É possível, mas, não há muito exercício na prática cotidiana que leve o sonho aos seus significados. As interpretações guardam graus de subjetividade. Pois, se não consegue desvendar a consciência viva, como desvendar os sonhos, como se eles quisessem de forma autônoma dizer algo? Eles dizem por si. Mas, é preciso buscar a si por meio da confiança. E aí, sim, aprofundar em sua mente de maneira possível. Muitos significados atribuídos aos sonhos são verdadeiros, mas, como conseguir o aval da própria consciência para endossar o significado? Qualquer interpretação será apenas interpretação. A margem de erro pode ser determinante para impedir que o sonho seja revelado.

Grupo: Surgiu na conversa da semana passada uma dúvida. Quando a gente sonha com uma pessoa deduplinada, ou não, se é compartilhado com ela.

NA: É possível. Pode ser ou não. Se o sonho for um dos sonhos relacionados à experiência de mágnem, daquele que sonha, pode ser o contato expresso num sonho. Aí neste caso você está tendo um contato. Você está se relacionando com um ser Intai. Aí, há o compartilhamento. Mas, você pode ter um sonho com o mesmo caráter, a mesma cena, digamos, e não ser um sonho de contato.

Grupo: Mas, aí, a gente forma uma imagem daquele sonho por nós mesmos?

Grupo: Uma lembrança da pessoa que sonha dentro dos sonhos?

NA: Isso é um parâmetro, o quanto se tem a impressão de que é real no sonho.

Grupo: A sensação quando a gente acorda é diferente.

NA: Pode ser ou não. Veja, a consciência duplinada não é precisa, pois não tem exercício mental. Entendam que não há uma definição da mente consciente duplinada em relação aos sonhos. Pois, ela está fora de seu raio de ação, de domínio. Ou seja, em estado consciente no estado de vigília, quando a atividade cerebral foca por meio da consciência.

Grupo: Sem o confinamento, a diferença é essa…

NA: Não, com o confinamento. No caso dos sonhos, há o confinamento, a não ser que você já esteja deduplinada. A duplinação impõe um confinamento da psique da alma do ser Intai. Então, ele é Aintai. Quando dorme, continua Aintai. Neste caso, ele está fazendo desdobramento com seus campos e centros de energia. Mas ele está confinado. Se ele for retirado deste confinamento, há uma quebra enzimática e a supremacia orgânica decai. A estrutura genética não consegue …………………..

Grupo: E aquela sensação que a gente vê o que acontece e não consegue mexer. Que experiência é essa?

Não há uma causa única mas as……………………

…………………

Grupo: E se não se lembra dos sonhos, ele ainda assim vai trabalhar nossa consciência……

NA: Certamente. Entretanto, pensem: há duas instâncias bem definidas que é a mente consciente em estado de vigília. Há todo um processo orgânico em funcionamento. Há toda uma submissão do ser à sobrevivência, aos relacionamentos, a situações de trabalho, de convivência, etc. etc. A outra situação relaciona-se a algo dentro de si, quando estás inativo no ambiente físico orgânico. E parte da estrutura orgânica funciona em função de sua manutenção. Outra parte em função da manutenção do estado de duplinação. Há no sono estados específicos mentais, descrevemos parte no último encontro. Entretanto, esse ambiente consciencial, assim denominamos, porque é a exociência, que é a consciência duplinada no estado do sono, em sono profundo, o que gera sonhos. Mas, não são só mente-sonhos. São experiências conscienciais, físicas, diversas. Por exemplo, os desdobramentos, as relações incienciais com seres extra-terrestres, ou os seres Intai, os chamados espíritos. Ou ainda a ação do ser insciencial Intai como voluntário de processos socioespirituais, vamos dizer assim, que inclui ações com grupos de localização de salvaguarda, de salvamento, de ajuda, de participação em situações de elaboração diversas, tanto com os seres espirituais, quanto ………………………….. Certamente, digamos de uma forma jocosa, essa parafernália mental, ela não condiz com as limitações ……………………. Como em uma situação o corpo adormece e é inativo na dimensão física, até certo ponto, de outra forma, ele perde o acesso consciencial, e ganha o movimento e a atuação no ambiente físico da sobrevivência. São ambientes mentais, corporais, muito distintos e certamente a supremacia em relação ao corpo se dá quando este encontra-se em estado de vigília, quando ele age fisicamente sobre si, sobre os outros, e sobre o ambiente físico. Entretanto, em seu eixo consciencial, como denominamos os processos conscienciais como um todo, o estado de vigília consciencial chamado de consciência é a menor parte deste todo consciencial. Sendo a menor parte, é por sinal a menos desenvolvida. Apesar de todo o desenvolvimento tecnológico que se verifica como exemplo de uma inteligência, ela não aconteceu antes de ter acontecido nos sonhos.

Grupo: O nome

NA: Duplinado é da relação corpo-mente. Pois são dois: corpo e mente, mente e corpo. Deduplinado é um, é o ser Intai.

Grupo: Esse processo de desenvolvimento que a gente experimenta nos sonhos, entendi como sendo um processo fundamental para o nosso crescimento. Os seres Intai experimentam algo parecido, ou é algo característico da duplinação?

NA: A duplinação converte em experiência física diretamente. ;;;;;;;;;;;;;;;;;;; Diferentemente, mas é o mesmo ser. É o mesmo ser.

Grupo: Às vezes, tenho a sensação que trabalhei muito à noite. Então, pode ser essa coisa de trabalho socioespiritual? Posso saber se é?

NA: Não é definido assim. O socioespiritual seria você participar com grupos de convivência. Acontece com alguns de vocês. De certa forma, da mesma maneira que convive no ambiente físico duplinado, tens a sua convivência “nos mundos espirituais”. Então, toda experiência que está no ambiente exociente, ela se relaciona de maneira direta com a experiência que tens no ambiente de vigília duplinada, da consciência. Mas, veja, mesmo em estado de vigília, há o inconsciente. Algo que você não sabe que transita em sua mente e em seu corpo. O seu corpo pode lhe dar dicas de que algo em seu ser não anda bem, quando ele adoece e lhe expressa relações ………

Grupo: Queria pedir licença, porque queria perguntar. Em um momento da minha existência, sonhei muito com discos voadores, seres. Os sonhos eram muito direcionais, cronológicos. Pelo que ouvi do que foi dito, essa pergunta é uma necessidade de saber, nunca tive a certeza se isso aconteceu de fato. Queria saber se houve de fato esses contatos em nível concreto. É possível?

NA: É possível, aconteceu e acontece. Você pode ter isolado das suas considerações conscientes aquilo que estava surgindo em sonhos e eles passaram a ficar fora do âmbito da memória. Mas, grande parte das pessoas têm relacionamentos diversos com graus variados. Então, você viveu e vive, agora com menos relação direta com a sua memória. Mas ainda continua.

Grupo: Obrigado.

NA: A experiência pode ser compreendida como parte de uma natureza velada pela dominação dos poderes do capital, do comércio, e das falsas morais religiosas, que sabem perfeitamente inclusive da ciência humana, que faz uma seleção para iludir. E disso não se pode negar a eficiência da difamação em relação a toda espécie de fenômenos fora do âmbito limitado pertinente aos poderes de dominação. E esta é uma das causas de se manter a consciência em seu mínimo possível. Mas, é possível desenvolver a consciência a ponto de se transitar pelas exociências de cada um. Acontece, acontece com muita gente.

Grupo: Eu queria comentar algo: recorrentemente, sonho com pessoas que não conheço, acordada, mas que são conhecidas nos sonhos. Podem ser pessoas, deduplinadas ou duplinadas, que eu só conheça no sonho?

NA: Pode ser uma coisa ou outra. Por que não assumimos e falamos: “olha, você está conversando com fulano, beltrano” porque isso pode mudar drasticamente a sua vida consciente, sem poder transmitir a outros aquilo que você está vivendo. Então é muito importante que se compreenda: não busque tantas explicações óbvias. Entendam que as indefinições ajudam você a encontrar com o seu suirsoma, com as suas necessidades. Confie em si. Busque desenvolver-se mentalmente, que a natureza irá lhe mostrar, pouco a pouco, sem criar uma perturbação, sem desviar o seu eixo consciencial para outros interesses, pois sabemos que muitas vezes os confrontos dimensionais podem revelar facetas tanto desejadas quanto não desejadas. Pois, cada um tem a sua trajetória, cada um tem as suas relações que estão ocultas na experiência subconsciente, exociente, insciente. Mas, a experiência duplinada é uma experiência confinada. Centrar-se nas orientações do amor incondicional, na lógica do amor incondicional, apurando o senso, o bom senso, a sensibilidade às artes, ao conhecimento, desenvolvendo sensibilidade ao altruísmo, à inteligência social, à inteligência do respeito, do amor, irás conseguir respostas da própria mente, clarividências, intuições, influências físicas, encaixes numa realidade menos destrutiva, mas, mais protegida. Pois, a luz do amor é o maior poder da existência consciencial da vida neste planeta. É importante que se pense que o alcance de cada um já se manifesta nos sentidos e nas experiências de viver a vida. É possível transformá-las do dia para a noite, se quiseres, bastando confiar em si e dirigir-se à luz incondicional do amor.

Grupo: Gostaria de fazer um pedido. Sei que às vezes nem são necessários, porque estão com a gente, queria que vocês acompanhassem o evento de domingo, que vai ser muito importante para a minha família.

NA: Vá confiante e certo de que tudo correrá bem. Certamente, estaremos participando. Agradecemos as considerações.

Grupo: Uma última pergunta. Tem um exercício, o yoganidra, e conduzimos um relaxamento até as ondas teta. É pedido que a pessoa repita um propósito. Que neste estado entre o sono e a vigília é o momento ideal para materializar….

NA: Completamente, realça a questão da confiança. Chame a atenção e …………………. É muito frequente que se desenvolva com as pessoas algo em uma proposta qualquer, sendo esta proposta virtuosa, que as pessoas em parte não adotem suas respostas. Então, se dá de uma forma geral por dispersão mental. Então, reforce a confiança. Pois, a confiança faz uma boa ligação entre a experiência vivida e a honestidade de vivê-la pela fé, por acreditar.

Grupo: Muito grata.

NA: Igualmente agradecemos.

A luz do amor, como sempre dizemos, é guia de cada um, mas é guia como cada um se vê, como cada um se percebe, se recebe, se considera. Acredite em si. Creia em si. Quando fores fazer algo, faça com amor, com respeito, e acima, com confiança. A confiança transmite para a experiência a maior possibilidade de que seja correta, de que seja virtuosa. O amor é a essência que torna o plausível real, pela via, portanto, da confiança. Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos.