Encontro c Sh, T e Dzonline

Referências para uma vida melhor (Encontro com Shamir)

Paz e Amor! Mnahrkiwon!

Introdução do Shamir
Todos dão as boas vindas ao Shamir
Eles agradecem e querem fazer só uma introdução. Falou que sentiu a falta de encontrar com todo mundo, e que tem seguido as coisas, e agora eles fazem parte de uma etapa que coincide com esse começo de ano aqui na Terra. Coincide com um processo novo, que eles estão fazendo uma nova fase na abordagem com os seres humanos, porque houve algumas mudanças e eles vão querer falar sobre essas mudanças.
Os encontros vão ser como um processo que já vem sendo preparado, e vocês já perceberam porque o Nosso Amigo, presente, ele tem falado com a própria voz dele, e nós estamos excluindo as vozes que usávamos para ajudar na identificação alguns de nós. Só, às vezes, a mensagem inicial, feita pelo que vocês chamam de Nosso Amigo, e eles estão em um outro nível de Radash, é mais complexa a transdutorização e a expressão vocal dele é mais próxima do que ele é mesmo quando manifesta na Terra e na dimensão bariônica. A expressão de som quando é usada. Mesmo assim, para amenizar áreas mentais do Xxxx, nós vamos utilizar a voz natural dele. Pedimos que compreendam e não confundam as coisas, porque pode levar a algum tipo não de diferenciação, porque estaremos mais próximos do organismo físico dele. E, é natural que nós estejamos mais parecidos com ele, mas certamente, nada a ver. É apenas uma questão de expressão para diminuir o impacto que já é bem pequeno, mas quanto menor esse impacto, melhor para a comunicação e comunicabilidade. Inclusive, a forma dele se expressar é bem adequada às nossas necessidades, pois nós utilizamos o conhecimento naturalizado da experiência de ser humana do nosso amigo Xxxx. E assim também queremos nos aproximar de vocês cada vez mais. Há questões que gostaríamos de desenvolver, e há questões que gostaríamos também de evitar. E, por isso, esta introdução que coincide, como falamos, com as novas atuações que estaremos promovendo com seres humanos. Felizmente, percebemos que houve um aumento de interesse pelos contatos dos grupos que estamos tendo. E como havíamos dito, menos de 5% estavam fora da rota das forças do amor, e esse aumentou para quase 10%. Esse aumento ainda é um aumento pouco significativo em relação à necessidade e às questões que estão por vir, e que iremos apresentar. Essa introdução só vai estabelecer alguma referência para os próximos encontros.
Primeiramente, vamos pegar em três aspectos que são importantes para o desenvolvimento, para a compreensão e para melhorar a interação entre alguns de vocês, sem nenhuma diferenciação, com imparcialidade, ao máximo possível, e com as intenções também abertas e transparentes, ao máximo, que podemos conseguir dessa transparência, porque sabemos que não há como sermos fisicamente presentes para dar-lhes essa noção mais real. Se é assim que tem que ser, assim vai sendo, mas com bastante parcimônia, com bastante calma para que não nos equivoquemos em nossas expressões com vocês, e mantenhamos o máximo respeito, o máximo distanciamento, porque certamente há muita confusão em torno do planeta Terra. Esse é o primeiro aspecto, que coincide com essa fase nova, que é uma abordagem mais direta que vamos ter com seres que têm interesse em exploração na Terra. Isso já foi feito muitas vezes e todas as vezes foram bem-sucedidas em função da proporção de forças que vêm dos Radashes do chamado Nosso Amigo. É a única prerrogativa de imposição que podemos ter em relação aos seres que têm algum interesse aqui. Não somos a única força nesse mesmo sentido de proteção da Terra. Não há nenhuma composição do estilo militar humano para atacar a Terra, ou essas coisas, como se vê nos filmes humanos. Mas há formas de abordagem violentas e de grande risco, se elas acontecerem. Mas, isso no momento foi novamente interpelado e havia já um princípio nesse processo e foi interrompido. E as – vamos chamar assim, não gostamos disso, pois não existe abordagem comercial em nosso respeito – mas, as negociações, ou seja, os diálogos com esses seres, estão já praticamente definidos. Mas há outras suspeitas em andamento. Não somos onipresentes a ponto de descobrir todas as possiblidades que estão em torno dos processos terrestres com outros seres não terrestres. Coisa que já é uma interrogação, uma vez que tem pelo menos vinte milhões de seres não humanos vivendo na Terra já.
Temos que abordar também as coisas em 3 níveis naturais. O primeiro é o geológico. Há a probabilidade de alguns acidentes importantes, que vamos buscar uma solução tecnológica para ajudar no equilíbrio de forças que vão se modificando na crosta terrestre. Elas não colocam a Terra em risco, mas já provoca um segundo fenômeno que é uma alteração na chamada curvatura de tempo. É uma coisa um pouco complexa para falar agora, mas ela está modificando numa proporção que pode vir a ser sentida pelos seres vivos, que é uma modificação na aceleração do tempo. Ela é subjetiva na percepção, mas não é na transformação de pequenos detalhes na modificação da rotação terrestre, muito sutil, da ordem de um milésimo por cento (0,001%), a priori até um centésimo (0,01%). É uma escala muito larga para alteração da curva de tempo, e ela modifica parâmetros relacionados a campos NIR. Essa é uma das questões. Não é algo de relevância, porque não iremos confrontar com a ciência humana. Não iremos discutir as questões técnicas relacionadas a isso, mas iremos proceder no desenvolvimento dos trabalhos porque é um bom momento para o desenvolvimento mental. Essa parte geológica tem uma parte cosmológica que está relacionada, a interferências externas de astros, e isto está emparelhado com alguma suspeita de outros movimentos não humanos na esfera, especialmente da região inclusive desde onde nós estamos, aqui, próximo a Júpiter, entre Júpiter e Saturno. Há um grande questionamento sobre estes pequenos astros que estão se deslocando para uma posição transversal ao Sol, isso inclusive é previsto pela ciência cosmológica humana, pelas universidades americanas e inglesas. Inclusive, um chinês identificou uma dessas rotas que estamos citando. Como isso vira na ciência humana casos ocultos, a população, evidentemente, nem sonha que esses eventos acontecem, mas eles são muito frequentes e a todo instante acontecem com maior ou menor proporção. Sem fazer alarde no sentido das histórias anteriores sobre esses assuntos que são bastante exageradas. Mas, faz parte da nossa observação.
O outro aspecto maior é sobre a influência dos campos NIR, que vamos abordar com um pouco mais de informação, deixando bem claro que essas informações não podem ser comprovadas pela ciência humana ainda. Não temos a preocupação, mas o cuidado de abordá-los limitadamente, e com alguma justificativa, porque não se trata de demonstrarmos coisas exóticas, e sem nenhum objetivo para demonstrá-las. Agradecemos o retorno, as oportunidades que vocês nos dão, e estamos prontos para dialogarmos e seguirmos em frente. Agora, o Nosso Amigo irá entrar com as mensagens para iniciarmos esse processo. Estaremos ao dispor, e vamos também ampliar, pouco a pouco, na medida do possível, a participação com os seres de Naoli, Gamari. Mas nada que seja para criar alguma história apenas fantasiosa. A situação já é fantasiosa o suficiente, vamos tentar apenas criar algumas aproximações. Agradecemos. Paz e Amor! Estamos de volta. Aguardemos agora.
NA: Paz e Amor! Mnahrkiwon!

Referências para uma vida melhor

Como compreender algo tão simples como querer viver melhor? Certamente, há muitas formas de se compreender que viver melhor seria de uma forma ou de outra. Não podemos estabelecer parâmetros para viver na vida e na pele dos seres humanos. Não entramos nem no entorno de seus lares, sem a devida autorização ou a devida solicitação. Menos ainda adentramos a mente de cada um. Apenas auscultamos os chamados amigos, os chamados de pequenas ajudas, pois nada podemos fazer efetivamente para interferir no suirsoma, naquilo que fora combinado para o desenvolvimento de si e por si. Estamos por perto, pois estamos atuando. Nossas atuações são atuações semelhantes àquela de uma pessoa que olha seu filho pequeno em uma área que apresenta algum tipo de risco. Apenas anteparando aqui e ali, às vezes, com uma ênfase maior, ou com uma ênfase menor. Certamente, melhor seria – e é – que cada um tomasse conta de si, percebendo sempre a importância dos outros. A relevância de compreender a presença do outro é algo intrínseco da felicidade e da compreensão por uma vida melhor. Não podemos ir além, não apenas porque não queremos, porque obedecemos a natureza da experiência humana. E é preciso que assim seja, para que não sejamos responsáveis pelas suas próprias escravidões. Para que não sejamos responsáveis pelas suas próprias dores ou mesmo pelas suas próprias violências. É preciso, e a nós chama muito a atenção, que as relações entre as pessoas seja uma relação possível, simplificada e aceita pelas forças do amor incondicional. Falamos muito no amor incondicional. Novamente sabemos que é uma ideia, a princípio, impossível. A princípio, pois não há condição, é apenas uma situação: o amor. Esta compreensão não precisa ser muito burilada. Ela precisa ser experimentada. E na medida em que cada um for por si compreendendo, irá se aproximar de si. Esse é o nosso interesse, pois iremos modificar algumas questões na forma de apresentá-las.
O que podemos fazer para melhorar alguma coisa? Queremos escutar as suas vozes. Queremos compreender não a essência das aflições, mas as possiblidades de suas reações. Pois, conhecemos os dilemas humanos. Não podemos fazer muito porque depende de sua rede de significados. Estaremos prontos para trabalharmos juntos no sentido de você amar a si, e se isso não ocorrer, por algum motivo – justo, inclusive – não nos cabe resolver, mas estamos juntos. Estaremos acompanhando sempre, buscando lidar com as arestas e com os avisos, para não deixar, na medida do nosso possível, que algo seja contra si mesmos. É preciso compreender que as coisas da existência não são coisas paradas, em que o tempo age para transformá-las em algo melhor. É você que faz a parte do algo melhor. É você, a sua ação, a sua forma de compreender, a sua forma de fazer as coisas, a sua forma de olhar para si através de si mesmo, ou de si mesma. É preciso que cada um olhe para si, ao longo da sua vida, e que saiba que há muitas forças ajudando, há muitas forças a favor. As forças que não têm esse mesmo sentido, elas sempre vão atuar também, pois fazem parte de uma natureza abrupta, desorganizada, destrutiva, e que atua nos níveis mais básicos e grosseiros da existência na vida. Mas, elas são importantes pois muitos seres menos desenvolvidos precisam dessas experiências também. Sempre haverá formas de modificar a natureza, por intermédio da sua própria interação tehili. As forças tehili fazem parte de uma existência maior, integrada e formada pela natureza “bruta”, no bom sentido, e pela natureza transformada, aquela que se considera como sendo a vida. Estamos nos preparando para desenvolver com vocês uma mente que possa descobrir a sua exosciência. Uma mente que possa melhorar o seu sentimento com você mesmo e com os outros, e não ser apenas uma peça ingênua numa manipulação social, econômica, com interesses escusos e egoístas. Quando pensamos na humanidade, e a encontramos, podemos ver que há na formação da estrutura humana um grande reservatório de natureza. E esse reservatório natural, complexo, maravilhoso, está conectado longinquamente com os seres que vieram de Lambda. E essas conexões agora traçam e retraçam as suas consciências em suas rotas, para que as encontre não para o retorno, mas para uma revisitação. Para religarem com a experiência da existência em suas muitas infinitas vertentes. A expressão infinita requer a compreensão de algo, a priori, sem possiblidade de explicação, ou sem possiblidade de dimensionamento.
Precisamos aceitar os desafios de mãos dadas com os seres humanos. Nós não estamos na esfera humana. Mas, o fato de estarmos muito “fisicamente” longínquos, distantes, não quer dizer que não estejamos na consideração, no respeito e no amor incondicional, muito próximos. As distâncias físicas para nós não significam, por maiores que elas sejam para nós. Temos o privilégio de termos essas ligações estabelecidas, muitas vezes fracamente pelas condições a que impomos a nós mesmos. Isso quer dizer as nossas limitações. Aceitamo-las porque são a garantia de que iremos encontrar sucesso em nossas buscas com os seres humanos, e somos muito gratos. Agradecemos a vocês, cada um de vocês, para que possamos continuar. Este ano faremos algumas modificações. Por exemplo, agora, não buscarei utilizar todas as vezes, esta modulação de voz que nos caracteriza, para aproximar da experiência humana, de vocês, por intermédio do nosso irmão.
Agora iremos falar com a voz natural dele. Agradecemos. Ele continuará a não ter a consciência porque esse é o processo proposto para ele, e mesmo que abramos os olhos, ele não irá perceber, como já o treinamos por meio de nossos amigos visitantes. Agradecemos a todos, e vamos seguir.
Outra ênfase na nossa busca deste trabalho está intimamente relacionada aos exercícios que iremos propor com algumas novidades sobre o processo mental humano que, apesar de sempre ser bastante explorado, como podemos averiguar em todas as atividades humanas, é necessário que haja uma aproximação da exosciência. É esse o aspecto que iremos dar ênfase neste ano: que é como nos aproximarmos, cada um, de sua exosciência. Não quer dizer que você seja obrigado a se submeter a qualquer proposta que possamos fazer ou que venhamos a fazer. Que fique bem claro. Não se sinta menor, não se sinta maior, não se sinta especificamente privilegiado. Simplesmente, seja você. Aquilo que você conseguir é muito mais do que você pensa. Só isso que podemos dizer. Sempre busque o seu bem-estar. Sempre busque o bem-estar de outras pessoas. É um conjunto. As coisas não são isoladas. Só você, se você tratar só de você, não vai te ajudar muito. Ajuda muito mais se você ajudar a si, ajudando alguém, de alguma forma, em algum momento. Não é necessário ninguém saber. Não é necessário nada. Simplesmente estenda as mãos. Sorria. Faça alguma coisa, ajude em algum lugar, de alguma forma. Atenda as questões das pessoas mais simples. Elas precisam descobrir mais do que a humanidade propõe que elas descubram. Elas precisam de ajuda. A humanidade não pode achar que a maioria vai se perder. Não. A maioria vai se encontrar. E é preciso a ajuda de todos. Nunca pense que você não possa fazer nada. Se você não pode fazer numa situação, você pode fazer em outra. Se você não pode fazer com uma pessoa, faça com outra. Se você não pode fazer com o seu irmão, faça com um estranho. Se você não pode fazer com um estranho, faça com seu irmão. Qualquer um, faça com todos, mas faça alguma coisa para alguém. Qualquer pessoa. Uma moeda, um sorriso, um brinquedo, uma palavra, uma opinião, um apoio. Certo? Pense bastante nisso. Não é preciso escolher quem você vai ajudar. Esteja sempre aberto, e naturalmente as forças tehili vão encaminhando a sua natureza para próximo do centro do seu amor incondicional. Não é possível uma humanidade distanciada de si. Todos recebem ajuda. As mães, os pais, as tias, os avós, os amigos, os que são obrigados a receber a sua proposta de trabalho, de ajuda, ou seja lá o que for. Qualquer forma de ajuda é essencial para você. Saiba: tem mais você a ganhar do que quem é ajudado. Quem é ajudado não imagina como está ajudando quem ajuda. Pode parecer uma coisa trivial demais, mas ela não é realizada. E é o trivial que funciona. É o simples que é direto. O direto é complexo pela quantidade, não pela ação direta. A quantidade é muita coisa para fazer, né? Aí, cada um tem a sua forma de fazer, o seu alcance, o seu pequeno. Lembram das pequenas coisas? Lembram das pequenas luzes? Das primeiras luzes? Tudo tem significado. É preciso olhar para si para encontrar os rumos da felicidade. A felicidade é simples. É você ajudar. Essa é a felicidade. Você ajuda e enxerga. Se você não ajuda, não enxerga. Você não ajudou! Entregue-se a si, ao seu coração, a ser o veículo do amor. É simples, é possível e irá te desenvolver absurdamente. Você nem imagina o tanto. Agradecemos a compreensão. Estamos aqui há vinte anos com vocês, para trazer não o que nós temos para trazer, mas para trazer o que vocês têm dentro de vocês, para a consciência e para encontrar a exosciência. É o amor. Vocês devem confiar em vocês. Tudo está aí à disposição. A vida, claro, que, com tanto problema – os problemas são em parte a possibilidade de vocês resolvê-los. Se não fossem eles, o que você iria resolver? Nada. Nem iria ter nada a resolver. Poderia ficar – sem querer ofender as plantas – como uma planta, paradinha, quietinha. Apenas sofrendo. Mas para redimir com as plantas, elas são essenciais para vocês. E são uma grande força de amor. São elas que seguram ainda este planeta. Estamos aí de volta, para trazer algumas questões, mesmo que de vez em quando, algumas dessas questões possam gerar alguma ansiedade, ou alguma insegurança, porque falaram que pode vir uma pedrinha do céu e cair na Terra. Toda hora cai uma pedra do céu na Terra. Há milhões de pedregulhos depois de Marte. Milhões. E toda hora esses pedregulhos entram. Marte já foi bombardeado porque está muito perto, muito mais. Os humanos querem ir para lá, eles vão levar pedrada na cabeça. Agradecemos a compreensão. Não tenham medo. Não criem ilusões novas. Descubram aquilo que está dentro de você, que é um universo tão lindo quanto esse que você abre os olhos e vê estrelas. Aquilo que é real é aquilo que você considera real. E aquilo que você consegue distribuir interativamente com os outros, e certamente irão encontrar. Cada um vai encontrar verdades novas, e as verdades sempre, sempre, são subjetivas, porque elas dependem de uns e de outros. Elas dependem de você e dependem de outros. Não adianta alguém falar na existência dos nossos amigos, se eles não acreditam. Estamos aqui em nosso anonimato, que nos faz seguir de mãos dadas com a maravilha dos seres humanos. Nós amamos, respeitamos, queremos vê-los felizes. É possível. A felicidade não é chata. Ela é trabalhosa. A felicidade é prazerosa. Ela modifica a sua essência, mas faz você ser quem você é. E é isso. Estamos à disposição de vocês. Agradecemos até desde quando nos conhecemos. Agradecemos a compreensão sobre as considerações que têm todos vocês por nós. Isso é importante porque não há sentido para vocês e também não há pra nós, quando um não acredita no outro; quando um não quer saber do outro. É por isso que as forças tehili estão integradas à existência e elas são muito mais poderosas na mente humana do que na natureza considerada a natureza morta, sem vida. As forças humanas dinamizam. As forças de outros seres também. E por isso estamos aqui. Outros seres podem fazer outras coisas, que os seres humanos nem imaginam. Mas eles estão em outras esferas, agradecemos. Paz e Amor. Mnahrkiwon.
Grupo: Nós agradecemos por esses vinte anos de colaboração conosco, e quando a gente fala colaboração, há uma troca desse amor, que vocês estão nos ensinando a reconhecer, e pelo que você acabou de falar, Nosso Amigo, parece que há uma troca também, que nós duplinados, a humanidade também pode ajudar a vocês na exosciência.
NA: Agradecemos.
Grupo: Nosso Amigo, eu queria agradecer muito a todo o grupo, o grupo dos visíveis e dos invisíveis, e dizer que nunca senti tanto amor, durante esses últimos dias, e eu lembrei dos Gamari, uma vez você falou que quando um adoecia, era como se o grupo adoecesse. E eu senti minha cura assim também, como se o grupo estivesse curando, muita gratidão. Eu senti desse grupo, do grupo do Reiki, da minha família, muito grata.
NA: Igualmente agradecemos. Temos certeza que os Gamari vão achar incrível essa relação que você fez.
Grupo: Agradeço. Paz e Amor.
Grupo: Eu passo a palavra para o Xxxx, mas eu agradeço também, viu Xxxx, isso que você falou, porque é um movimento muito gratificante, né? O sentimento que a gente tem e a correspondência que a gente sente no caso do seu lado, assim, porque uma cura é sempre de múltiplas mãos, de mão dupla, de quem dá e quem recebe. Eu fico feliz.
Grupo: Grata, Xxxx.
Grupo: Eu queria só aproveitar esse assunto para agradecer também, porque eu acho que mesmo que a gente não esteja ainda no encontro do grupo, eu tenho certeza que houve uma mobilização de todos nós, com vocês, e tudo, em prol da cura da Xxxx, da saúde de todos nós, e eu agradeço também de coração por isso, porque foi um processo que nos fez sofrer, mas que a gente está assim tão se sentindo gratificado de hoje estar aqui todo mundo junto, recomeçando, e com a Xxxx com toda saúde, que ela demonstra aqui.
NA: Agradecemos.
Grupo: Bem-vindo, nossos amigos. Muito bom retornar às nossas reuniões, com pessoas tão queridas, que emanam tantos bons sentimentos e tanta ajuda, uns aos outros. É importantíssimo para a gente participar disso. Eu quero não só agradecer por todo empenho pela Xxxx, como eu acredito que a gente está sendo beneficiado por alguma coisa, porque a Xxxx foi a primeira do grupo durante um ano inteiro a ter o covid. Todos nós passamos incólumes. Pôxa! Bacana demais. Outra coisa, é que eu me identifiquei com as suas palavras quando você fala que a distância física, claro que vocês estavam falando de vocês em relação a nós, com quilômetros e milhões anos luz que nos separam, mas eu sinto isso muito em relação às minhas filhas, que estão em países distantes. E hoje a gente vê que a distância física realmente não importa. O que importa é essa irmandade de almas, essa riqueza de sentimentos. Eu acho que entrar para este grupo foi primordial. Eu sabia que ia acontecer isso, e aconteceu exatamente na hora que eu precisava. Famtástico. Pergunta: Como a gente tem falado muito nisso, tenho lido muito os nossos textos, queria saber da possibilidade da gente fazer regressões? Para vidas passadas para a gente conhecer outras duplinações nossas. Isso seria possível?
NA: Fazermos aqui?
Grupo: Não sei se aqui ou de outras formas.
NA: Indicamos que possa ser feito com humanos mesmo, porque há riscos que podem se transformar em interferências. Quando os humanos fazem, eles têm as proteções adequadas para fazer. A não ser que seja presencialmente. Quando esta fase terminar, voltaremos a conversar. Mas existem humanos que fazem muito bem.
Grupo: Sim, eu já fiz uma vez, também. E realmente foi muito bem sucedida.
NA: Agradecemos a compreensão.
Grupo: Eu gostaria de perguntar se aqui no planeta Terra já houve outros ciclos de vida humanos? Estou falando de ciclos, porque a gente conhece a história humano com fatos históricos, e sei que não correspondem à visão de vocês. Mas, fora este ciclo que a gente vive, assim, já existiram outros ciclos anteriores?
NA: Não, a humanidade teve essa experiência. Já ouvimos a projeção de quase 120 bilhões de seres já viventes na Terra desde pelo menos 100 mil anos para cá. Seres humanos, com essa mesma configuração, praticamente. De duplinação, só o desenvolvimento mental, linguagem, e outros fatores tecnológicos. Há resquícios físicos, fisiológicos bem claros desse desenvolvimento humano. Mas, se você considerar pelo menos os últimos 50.000 anos, a mente humana praticamente, biologicamente, é semelhante.
Grupo: e a gente pode falar que houve desenvolvimento durante esse ciclo humano?
NA: Insciencial. Um grande desenvolvimento insciencial, que acontece a cada ciclo, a cada vez, muito grande. Apesar de o desenvolvimento tecnológico ser, muitas vezes, maior, o desenvolvimento insciencial é consistente e segue adiante. Ele poderia ser maior, mas vamos buscar deixar a natureza como ela é. A humanidade desenvolve lento, mas desenvolve.
Grupo: E o ambiente de Mágnem? Existe um paralelo de desenvolvimento insciencial com o que acontece aqui, no mundo duplinado?
NA: Com os seres Intai?
Grupo: Isso.
NA: Sim, sim, existe sim. Inclusive fizemos muitos encontros recentes com os chamados Jaintai, que são os seres Intai mais desenvolvidos, organizando esses processos. Essas questões estão em franco desenvolvimento. Eles são mais desenvolvidos como Intai do que como seres duplinados.
Grupo: Fechando minha participação, posso te falar que o ambiente Intai 100.000 anos atrás era mais “bruto”?
NA: Sim. Não em relação aos seres mais desenvolvidos. Eles sempre estão juntos. E são eles que vão estendendo as “mãos”, uns aos outros, e também levando as palavras de amor e trazendo seres mais desenvolvidos ainda para se sujeitarem a duplinar na Terra para ajudar fisicamente os seres aqui. Isso aconteceu milhões de vezes e ainda acontece, felizmente. O mundo Intai, ele é muito amplo, ele tem tanto esse lado, quanto, o lado, simbolicamente dizendo, escuro, sem luz, onde os campos de Mágnem, os campos NIR, não são muito presentes. Esses seres fogem para se proteger uns dos outros. Há esse lado também. Mas, na medida em que cada um vai buscando o amor incondicional, ajudar uns aos outros, criando elos de ajuda, de colaboração. Isso vai sendo transmigrado de um campo existencial a outro, e os processos inscienciais se beneficiam, os seres se desenvolvem e são capazes de trazer os seres que necessitam também para a existência compartilhada, amorosa, onde são possíveis muitas transformações. Mas, isso realmente exige uma compreensão um pouco maior para que a atuação também se faça. Há uma grande relação entre os seres Intai e os seres Aintai, claro. Os seres duplinam também para compor esses vários objetivos.
Grupo: Agradeço muito.
NA: Igualmente agradecemos. Iremos esclarecer muitas dessas coisas um pouco mais, certamente na medida do interesse de vocês. Nós não podemos ditar esses interesses.
Grupo: Nosso Amigo, fiquei pensando no que você disse, que não é para poder interferir num certo caminho de desenvolvimento humano, e que a humanidade vai no seu passo, mas está se desenvolvendo. No entanto, eu percebo não apenas de vocês, com todas essas informações que vocês nos trazem, que não fariam parte da nossa vida se fosse aqui, pela ciência humana, pela escola, pela educação ou outras formas de comunicação, mesmo por nós mesmos num certo desenvolvimento, com relação a essa expansão da mente, de ampliação da mente. Não só vocês trazem essa proposta dos exercícios, dos conhecimentos, como de outros grupos também, que vêm buscando fazer com que os humanos ultrapassem um certo patamar. A gente está nesse período, assim, de um salto um pouco mais amplo nessa expansão mental humana?
NA: Muito obrigado pela forma como falou, porque há que se considerar muitos desses grupos como grupos que também trabalham pela via do amor incondicional. Cada um tem a sua forma de se expressar e às vezes compõem histórias e formas de abordar que podem contribuir ao máximo e trazer o interesse das pessoas. Mas, essa ajuda e essa relação, ela sempre existiu. Ela se intensifica pela via, inclusive, da tecnologia, uma vez que você pode abordar diretamente grandes grupos. Mas, isso também pode causar grandes distorções, porque nem sempre alcançam-se, de forma adequada, informações relevantes. Os interesses podem estar em torno de coisas muito específicas do dia a dia, que compete mesmo a cada um resolver. Pode parecer uma diferenciação de como entendemos, mas é essencialmente um problema para todos os seres não humanos atuarem na esfera humana, porque ela não é uma esfera muito fácil de ser controlada, apesar de ser muito controlada. Ela cria divergências com muita facilidade, e principalmente mal-entendidos. É o problema maior, porque há uma limitação, por um lado, da compreensão, e por outro, uma grande complexidade simbólica que quase nunca é compreendida da mesma forma.
Grupo: Mas, de qualquer forma, demonstra um interesse geral nessa expansão da mente humana?
NA: Sim. Demonstra, sim. É mais divulgado. Demonstra, há um interesse maior. Não querendo dizer também que o interesse resulta em ações, porque a maior parte dos seres não tem a penetração, por exemplo, que nós temos, que é de estar invisível e dialogando diretamente com os seres. A maior parte precisa estar presente fisicamente para fazer isso. Isso pode ser arriscado, tanto para os seres humanos, quanto para os próprios seres visitantes. E as tecnologias usam tanto os processos magnetostáticos desses outros seres, que têm uma interferência muito grande nos campos eletromagnéticos terrestres. Algumas aparelhagens não funcionam adequadamente, inclusive aparelhagens não humanas, são questões que eles vão solucionando, mas vão criando também níveis de interação arriscados. Daí, há muita controvérsia entre algumas descobertas já realizadas pela dita “ciência humana”, ultrapassa essa questão, porque ela acontece em contingências mentais. Não dá para falar que o transístor foi inventado por seres não humanos, mas foi. Mas, há aqueles colaboradores cientistas humanos que foram veículos para isso, e estão em nome deles. E eles nem sabem disso, e felizmente foram bem-sucedidos, por exemplo, como no caso dos transístores. Hoje você pode comportar em um espaço mínimo milhões de transístores, porque as suas técnicas também foram desenvolvidas aqui, méritos humanos e não humanos. Como discernir isso? Não há como. Há uma colaboração e sempre houve, e essa colaboração tem um sentido construtivo. Os seres humanos, quando vão para as esferas não duplinadas, eles são recebidos por esses mentores, por esses seres, e continuam trabalhando, da mesma forma que aqueles que constroem instrumentos, como vimos no caso do pai dos nossos irmãos presentes, continua se desenvolvendo afetivamente, emocionalmente, e principalmente amorosamente, porque cumprem um papel com a arte, com a construção educacional da humanidade, que é essencial para que tudo isso se equilibre também. Todos aqueles que trabalham nesse sentido são responsáveis em conjunto, coletivamente, cada um faz a sua parte, e essa é a beleza do amor incondicional.
Grupo: Muito grata.
NA: Igualmente agradecemos.
Grupo: Nosso Amigo, o desenvolvimento mental, com as tecnologias, pode vir pro bem, mas também já foi usado pro mal.
NA: Sim, sempre, aliás.
Grupo: O que me preocupa é que a gente sabe que as novas tecnologias não nucleares, mas com poder explosivo e destruidor sendo desenvolvidos, quem vai dar a ética, esse valor de amor, paz e amor, e amor incondicional pela humanidade neste momento. Isso me preocupa.
NA: Mas, isso é de fato algo da essência da pirâmide, ou seja, é um transmitir para o outro, porque você não pode impor a uma mente, que ela é boa, ou que ela deixe de ganhar muito dinheiro para fazer algo que ela não tem noção. Ela sabe que é muito destrutivo, mas não tem noção. Ela não sente. Certamente, os benefícios que ela tem são superiores à noção dela.
Grupo: Continuando, nós temos tido muitas deduplinações. Os seres Jintai, estão recebendo essas pessoas?
NA: Não, os seres Jintai são seres mais organizadores do processo como um todo. Eles são mais acima – não é bom dizer essa expressão, acima ou abaixo, para entender um diagrama, né? – eles estão num nível mais organizacional.
Grupo: Então, estão tendo que lidar com os seus suirsomas.
NA: Sim.
Grupo: É muito triste ver muita gente morrendo sozinha sem apoio de amigos, da família.
NA: A maior parte faz uma transição apoiada. Estão sofrendo menos do que parece.
Grupo: Ai, graças a Deus. Quem está ajudando nisso?
NA: Muitos, tanto os vivos, quanto os que estão do lado de lá. Tem uma rede muito grande de apoio do outro lado.
Grupo: Peço a vocês a proteção da nossa equipe de cuidado e saúde, tanto física quanto mental, que estão exaustos. Essas equipes. Que recrutem gente com paz, amor no coração e confiança.
NA: Há um grande esforço nesse sentido, mas infelizmente, o jogo econômico e político pode comprometer muitas dessas questões. Não podemos interferir porque seria uma interferência física. Não é necessário. É parte da história infeliz, que esperamos que tenha um resultado favorável no final das contas. Não podemos mudar a humanidade por nós. São os próprios seres humanos que precisam fazer esse papel, e se eles ainda estão em estado bruto e violento, eles irão viver as suas consequências naturalmente. Às vezes, uma dureza para nós também falar uma frase assim, pois pode parecer que há uma crueldade dominante. Não. A crueldade, ela é natural. Dominante é o amor. É o amor que está dominando a maldade, a brutalidade, a indiferença, o egoísmo. É o amor que encontra solução. É o amor que acha as saídas. Não é a violência que encontra um jeito de ganhar mais dinheiro. Ele ganha mais dinheiro e se destrói na frente. A verdade de cada um está na experiência de viver a vida de cada um. No total, são perceptíveis os poderes nas pessoas – porque os poderes não são poderes sozinhos, eles são poderes nas pessoas – de dominarem, de escravizarem, de determinarem o sofrimento de uns em detrimento de muitos outros. É necessário que se compreenda coletivamente a sua essência para que você encontre a sua própria solução de benevolência, de amor incondicional. Próximo, por isso falamos: é uma pirâmide. A base da pirâmide, ela é uma multiplicação resultante de algo acima dessa pirâmide. Pode ser um, depois de certo tempo, serão milhares. Essa é a forma possível e não interferível, pois outros seres não irão interferir. Mas, esses que estão destruindo copiosamente, eles serão interferidos, e em um determinado momento irão sofrer as suas próprias consequências, evidentemente, inclusive pelas próprias forças tehili geradas por eles mesmos. As coisas não são unilaterais. Não é só o amor que encontra dificuldade. Toda dificuldade irá encontrar a sua resistência. Certamente destruir é mais fácil do que construir. Mas, aquilo que se constrói se multiplica com muito mais força do que aquilo que se destrói. E depois da destruição, vem o arrependimento, a dor e o sofrimento. A consciência precisa se desenvolver, precisa encontrar a exosciência, o mais rápido possível, pelo menos chegar perto, para que seja mais ameno, mais esclarecedor, mais compreensível consigo e com os outros.
Grupo: Muito grata, Nosso Amigo, vocês estão nos preparando para prosseguir depois dessa catástrofe que está sendo gerada aí por essa pirâmide…
NA: Muito grande! Muito grande! Há consequências físicas resultantes muito grandes.
Grupo: O Shamir falou sobre a alteração da curva do tempo no planeta Terra. Eu gostaria de saber como isso pode ser sentido por nós, seres humanos.
NA: Há um fenômeno de aceleração. Ele não é, certamente, algo perceptível com clareza, mas a impressão de desorganização temporal, resultante até da experiência de ficar confinado por mais tempo. Isso é conhecido daqueles que são presidiários ou que ficam longos períodos enclausurados. Mas, a aceleração abrupta é um fenômeno resultado na psique. Por exemplo, por uma semana você não viu ela passar. Tudo passou muito rápido, não deu tempo de fazer as coisas, e depois volta ao normal. Ela acelera 2, 3 dias numa semana. Às vezes, um mês, raramente mais. Mas, pequenas aceleradas, ou, às vezes, até estacionadas. Uma coisa demora demais. Mas, isso já é um efeito conhecido. E ele vai ficar mais exacerbado. Nós iremos abordar alguns fatores, e até algumas formas de lidar com o tempo, sem impor um castigo, uma vigilância. É possível algumas formas de amenizar o efeito. Mas, ele é um efeito cósmico, cosmológico.
Grupo: Isso que eu ia perguntar. É um efeito no nível geofísico, do planeta
NA: Da esfera… na psique, sim.
Grupo: E ele já acontece, né?
NA: Já acontece, sempre aconteceu também, mas de forma mais leve. Às vezes, com pessoas mais sensíveis, com mais intensidade. Tudo depende do receptor, não é? Do ser que está ali vivendo, aí depende das qualidades, das habilidades dele, do desenvolvimento, de vários fatores. Mas há uma coisa cosmológica, quer dizer, fora da Terra, que inclui a relação com o sistema solar, com os movimentos astrofísicos, e, especialmente, com a vida solar, mesmo, que é o principal agente que tem modificado algumas coisas. As alterações geofísicas da Terra, que modificaram numa ordem de centésimo para milésimo por cento, fazem uma alteração grande no processo psíquico. Ela aumentou a velocidade da Terra, inclusive somada às outras forças geofísicas, a Terra está uma certa porcentagem mais rápida no espaço.
Grupo: Isso tem cerca de quanto tempo?
NA: Isso vem acontecendo, paulatinamente, há pelo menos de uns 500 a 800 anos para cá. Mas, agora, nesses eventos de 50 anos para cá, alguns deles impulsionaram essa diferenciação. Ela é relevante, mas não vamos abordar essas relevâncias porque elas são diferentes do que a ciência humana tem apresentado. Não vamos contrapor por uma questão óbvia de não ficar criando fantasia.
Grupo: Muito grata, Nosso Amigo. Paz e Amor.
NA: Agradecemos.
Grupo: Quero voltar ao texto do mulor mental e da suirsonia. Eu ainda não fiz, mas lendo, me veio a coisa da suirsonia. É claro que a gente tem que tentar, mas os sons físicos da respiração, não é isso que nos interessa nesse caso, né? Esse zumbido que eu ouço é parte da suirsonia, ou é outro tipo de som?
NA: Pode ser parte, o problema é que você tem muitas formas de compreender o que acontece com a mente. Nós abordamos alguns fatores que estão relacionados àquilo que a mente produz, e que não necessariamente se relaciona a um contexto físico. E esse aspecto está no conjunto daquilo que você considera ser a sua mente. Mas ele é confuso, ele não é uma coisa clara. Você não consegue discernir uma coisa da outra, pelo simples fato de você não ter o exercício de fazer isso. E se não tem o exercício, como você vai discernir? Se você escolher uma pessoa que não tem nenhum desenvolvimento auditivo para reconhecer notas musicais, ela vai ouvir e não ter a mínima noção. É algo semelhante. É algo que está relacionado a como cada um percebe a si em seu próprio Guion, sua própria dimensão mental. E é útil e é possível que você tenha um discernimento maior. Esse discernimento maior pode melhorar algumas habilidades, muitas habilidades. Tanto habilidades que você já tem, quanto habilidades de concentração, habilidades psicomotoras, emocionais, habilidades de raciocínio, todo tipo de habilidade mental. O objetivo não é um objetivo desenvolvimentista. É um objetivo de perceber a si. As consequências são desenvolvimentistas. Ou seja, é como você aprender a ler e a escrever, e as consequências disso é que vão fazer você desenvolver. Não é você ler bem, ou ter uma ótima atenção. É você ler. Quando você lê, e vai lendo, lendo, você vai tendo um grande acesso a outras habilidades. E é isso que acontece ao desenvolver a mente com outros parâmetros. Os parâmetros podem ser novos para a humanidade, porque considera outros elementos não considerados antes. Esse é talvez um dos aspectos que estejamos trazendo para vocês. Não quer dizer que todos vocês vão desenvolver da mesma forma. Esperamos até que cada um tenha a sua própria forma de desenvolver, e possa até, se for o caso, desenvolver uma técnica para isso. Mas, é algo de cada um. Nós vamos expor aquilo que nós percebemos com clareza das iluminações mentais humanas. Nós conseguimos percebê-las com clareza. E é esta habilidade que nós temos, que nós oferecemos como um ponto de partida para cada um. Nós temos as nossas explicações que, eventualmente, as utilizaremos. E muitas outras explicações dependem de cada um. Não adianta explicarmos que a mente faz isso, faz aquilo, se você não consegue fazer. Nós temos que respeitar a sua limitação, que é algo da sua essência. E não temos que cobrar nada disso. Não se trata de coloca-los frente a algo que não se faz. É apenas uma possibilidade que cada um pode encontrar. Se assim não acontecer, continuamos a viver , continuamos a expressar e a ajudar. Continuamos, inclusive, a ver se há alternativas e podemos, inclusive, com vocês, desenvolvermos técnicas para vocês. Mas, não depende de nós. Depende só de vocês. O que vamos fazer é expor algumas dessas questões. Elas são lindas. São interessantíssimas. E até atribuímos ao distanciamento do amor por não termos ainda desenvolvido. A humanidade poderia ter desenvolvido essas habilidades há muito tempo. Já estaria noutro estágio de desenvolvimento consigo. Talvez com uma tecnologia ainda mais desenvolvida. Pois descobririam novas possibilidades com a sua própria mente. Mas, vamos deixar bem claro, isso não é garantia de nada. O desenvolvimento humano é feito por humanos. Não é feito pelos que estão fora dos humanos. Nós somos apenas ajudantes. Estamos apenas fazendo um pouquinho do que podemos fazer, se não, estaríamos no papel de escravizar, de impor. Não é essa a nossa meta. Não é esse o nosso processo. Alertamos. Há os que vão por essa linha, inclusive, e principalmente, os seres humanos duplinados. Agradecemos.
O amor é a essência de toda a construção daquilo que a humanidade precisa para fazer a sua felicidade ser compreendida. Isso é possível, é acessível. Mas, demanda de cada um amenizar os impulsos de raiva, de violência, de pensamentos negativos. Não que você não tenha direito de ter a sua fonte exclusiva de perturbação. Todos os seres humanos, de alguma forma, têm esse direito. E até outros seres, por que não? Entendemos a vida como um todo, integrados com os seres vegetais, com os seres microscópicos, com os seres artrópodes, com toda forma de vida que a Terra proporciona. Não só a Terra, também em muitos outros lugares, isso acontece, como já falamos. E essa beleza existencial compõe as possiblidades de um crescimento existencial. E conhecer e acessar a si é das possiblidades mais próximas de encontrar novas vias de conhecimento e de acesso à existência para além de um planeta. Já é muita coisa. Já é muita coisa. Já é bem razoável compreender o planeta. Pois, muitos olham só para os seus umbigos, e acham que são donos do cosmos. Estamos aí, com amor, com respeito, com distanciamento, mas com muita consideração por vocês. Amamos vocês. Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos. Mnahrkiwon.

Leave a Reply