Encontro Semanal

Equilíbrios da existência

 

Paz e Amor.

A existência física depende de muitos fatores que precisam ampliar para a mente humana, pois depende do seu desenvolvimento. Concebe-se que aquilo que está dentro seja alimentado por aquilo que está fora, e aquilo que está fora seja transformado por aquilo que está dentro. A extensão dessa polaridade, que verdadeiramente acontece como tripolaridade, faz o universo balancear-se em suas questões, situações, localizações, temporalidades, relatividades, etc. Desde os níveis microscópicos aos níveis macroscópicos, aquilo que acontece depende daquilo que faz acontecer, tanto por meio de suas probabilidades, quanto de suas próprias endo-possibilidades. Esses níveis é que formam os tehilis, que são forças resultantes de toda a existência. Diz-se que as energias tendem a se dissipar, e o universo a se apagar. Mas, em verdade, entende-se assim por considerar-se o universo em sua limitada extensão. O universo não é formado apenas do universo. Mas, inclui todos os multi e exoversos, todas as outras versões da existência física e extra-física. Essas questões parecem muito distantes da realidade da dimensão da sobrevivência humana. Mas, não é porque o universo existe por aquilo que o faz existir, sendo alimentado a partir de Éfler e de seus potenciais abstanciais. Isso quer dizer que quanto mais a energia se dissipa, mais aumenta a propensão das abstâncias efléricas selidirem novos quantuns de energia. O universo não é apenas aquilo que se vê. Ele se estende para fora de suas fronteiras, nos limites de cada átomo. Certamente, imagina-se como uma bolha, mas não é assim que entendemos o universo. O universo recebe exalções de Éfler e envia suas mínimas depleções, fazendo uma ponte de equilíbrio. Independentemente se o universo se expande ou se contrai, ou até, se apaga, ele é uma expressão das abstâncias efléricas, multidimensionais e mais e muito mais do que se imagina. Mas, as pontes de equilíbrio promovem uma espécie conjuntural de fatores que se encaixam entre todas as dimensões, chamados de forças tehílicas. As forças tehili, como já mencionadas são apenas resultantes do equilíbrio existencial. Entende-se que o alimento vem do maior para o menor, de fora para dentro. E que a transformação vem do menor para o maior, de dentro para fora. No mundo geométrico do espaço físico, tem-se o exemplo da potencialidade do menor para o maior, onde uma mínima quantidade de energia é capaz de movimentar planetas, galáxias. O exemplo típico dos próprios humanos são sequências simbólicas de dominós, começando de micro-dominós. Dominós átomos enfileirados pela eternidade simbolicamente, um dominó um terço menor do que o outro, ou melhor, um terço maior do que o outro. Quando se derruba o menor de todos, ele é capaz de derrubar o seguinte, apenas um terço maior que, por sua vez, derruba o seguinte, um terço maior que, por sua vez, derruba o outro maior, em sequência, até o dominó galáxia. A energia resultante é uma energia crescente capaz de movimentar todo o universo. Desta forma, exemplifica-se a essência das forças tehili. Elas movimentam holisticamente em sequências múltiplas de multi-universos, multidimensionais, onde independe a quantidade de energia necessária, porque o sistema guarda mais energia do que precisa. O seu potencial de transformação de dentro para fora é imenso. E este potencial é o que proporciona a existência, porque é esse princípio que traz pequenas gravidades efléricas selidirem em sequências instantâneas e formando todos os universos da existência, que, por sua vez, à medida que aumentam as suas energias e se aproxima do seu potencial máximo, essa energia se perde em seus parâmetros termodinâmicos, se esfria, e quanto mais se esfria e se perde, mais volta a formar os padrões efléricos dimensionais, provocando o reinício de todo o processo, por mais estranho que estejamos dizendo, pois, nisso contradizemos algumas questões da física conhecida da humanidade, mas neste momento, isso não vem ao caso. Pois, aquilo que se simboliza refere-se à atitude que tens para consigo, donde aquilo que os alimenta de fora para dentro do seu ser deve ser processado pela sua consciência, pela sua insciência, pelo seu corpo, pela sua existência, trazendo para a forma, transformações. É a natureza da natureza. Isto é, aquilo que mesmo indefinidamente encontrado esteja regendo o seu ser em equilíbrio com todo o universo, e suas transformações, que transformam o seu meio e as suas atitudes, tem grande potencial para transformar todo o universo, pois as forças tehili fazem parte da sua essência existencial. E esta essência, na natureza da natureza, chama-se equilíbrio. O equilíbrio é uma expressão genuína do amor. Paz e Amor. Paz e Amor.

Grupo: Chegou mais um na família do meu marido, e ele teve um probleminha de respiração, na medida do possível, pedir para acompanhar, e as boas-vindas para ele.

NA: Estaremos acompanhando, mas lembrem-se que as forças que trazem a humanidade, se dentro de sua normalidade, o que acontece faz parte de sua própria transformação.

Grupo: Gratidão.

Grupo: Nosso amigo, queria fazer um pedido. Se possível, saber como está meu amigo xxxx e sua filha. Queria mandar um grande abraço para ele, sinto que é uma presença pro resto de minha vida. Se fosse possível acessá-lo.

NA: Ambos estão em processo de atendimento, e fora do alcance consciencial insciente, mas recebem as mensagens que por ventura possam reconhecer, e este é o caso. Estarão, portanto, em momento oportuno reconhecendo essas mensagens.

Grupo: Obrigado.

NA: Paz e Amor

Grupo: Outro pedido, pelo filho do nosso amigo xxxxx, em UTI, menino novo, queria que pudessem olhar por ele.

NA: Acompanharemos e dizemos que as circunstâncias de cada um que possam revelar para cada um, seus alcances, e limitações, pois o que leva a situações virtuosas parte da consciência na vida de cada pessoa. Mas, sempre há a influência do amor. E isto faz uma grande diferença. Paz e Amor.

Grupo: Transmitir o pedido de xxxx pela amiga falecida e pedir também que olhem pelo xxxx, dos xxxx, que partiu ontem.

NA No primeiro caso, os atendimentos já estão sendo feitos e no segundo, pelas características da comunidade e das pessoas, a relação com os seus ainda permite uma diferença no atendimento. Agradecemos.

Grupo: Queria que falasse um pouco de minhas experiências de caminhar com o cristal. Foi muito rica, e a experiência parece que expande a visão, a percepção do ambiente, e eu senti uma paz, uma coisa muito boa vinda das árvores, uma generosidade vinda delas. Que elas representam assim?

NA: Muito bem. Inicialmente, esclarecendo que o potencial do cristal não vem do cristal. Mas, do ser humano que o manipula, porque esta questão, como já descrita, relaciona-se à afinidade mental humana com as vibrações naturais do cristal, que encontra-se dentro dos espectros de vibração mental e corporal dos seres humanos. Esta faixa de vibração eletromagnética pode promover ressonâncias estacionárias no ambiente físico interno do cristal. Essas emissões humanas para o cristal frequentemente consideram-se como um armazenamento vibratório, e por suas características físicas estáveis, a vibração eletrofi essencialmente pode permanecer por longos períodos de tempo no cristal, como se este estivesse emitindo, refletindo constantemente aquelas resultantes vibratórias que estão em ressonância estacionária no ambiente físico do cristal. Isto acontece de tal forma que é possível depois de impregnar o cristal com tais níveis de vibração, que este, deixado no local, continua a emitir o mesmo padrão vibratório a que estava exposto. Desta forma, o cristal se transforma numa espécie de aparelho de um amplificador vibratório e uma espécie de capacitador onde aqueles campos ficam em vibração contínua. Com o tempo, essa vibração tende a um amortecimento, o que preconiza uma constante reativação do objeto de transferência vibratória. Em relação às árvores, já fizemos algumas exposições sobre alguns papéis aceitos pelo seres vegetais, em sua grande maioria, baseados em sua benevolência em criar ambientes e substâncias necessárias para os seres humanos. Então, de uma forma geral, mesmo castigadas pelos humanos, o amor incondicional dos seres vegetais é capaz de reconhecer ou proporcionar às árvores uma grande interação com seres, especificamente. Ao lidar com esse reconhecimento, podem-se desenvolver diálogos mentais mnemônicos que podem trazer benefícios para ambos, tanto para as árvores quanto para os seres humanos. A sua impressão, portanto, resulta da ampliação da sua atenção à sensível interatividade dessas árvores. Elas dialogam sem palavras, mas fazem bem à humanidade. Em algum momento iremos nos aprofundar nesta questão. Paz e Amor.

Grupo: E bicho, passarinho, quando morrem vão para onde?

NA: Muitos animais seguem caminhos de uma espiritualidade difusa, inscientemente. E tendem a acompanhar aqueles que se dispõem a ajudá-los. No caso contrário, ajudam a si mesmos. Por serem mais diversificados e dependentes de suas situações orgânicas, não é possível generalizar a situação da espiritualidade de animais e vegetais. Aves e insetos tendem a se agrupar na espiritualidade, assim como fazem os seres microscópicos na vida física, mantendo-se também em aglomerados da espiritualidade, quando não estão nos horizontes físicos. No caso dos seres microscópicos, encontram-se em regiões proximais nos mundos físicos, e os mundos não-físicos.

Grupo: E os selvagens?

NA: Igualmente

Grupo: mas existe o fenômeno de voltar várias vezes, duplinar de novo?

NA: Existe de formas bem variadas.

Grupo: Uma planta pode duplinar como bichos? (????)

NA: Não, porque são seres mais desenvolvidos em muitas situações, não se pode generalizar, porque há muitas variações.

Grupo: Toda essa nomenclatura nova que vocês passam para a gente, qual é a origem? Por exemplo, há grupos em outras partes do mundo, com outras línguas, usando o mesmo vocabulário?

NA: O mesmo vocabulário, com pequenas adaptações.

Grupo: Vocês utilizam o repertório do xxxx para se comunicar?

NA: Utilizamos a estrutura mental dele, ele nos utiliza. Éfler em francês – Efleur. Tem a ver com flor.

Grupo: Existem muitos grupos?

NA: Milhares, há muitos milhares de anos

Grupo: Nunca foi promovido encontros entre os grupos?

NA: Cada um tem sua vertente, imagina que vocês mesmos nem se encontram, quanto mais com outros.

Grupo: E algum de nós já participou dos grupos em outras encarnações?

NA: Não vem ao caso. Às vezes não é bom colocarmos o passado como se seguissem ao presente. Se não, poderemos falar sobre a vida de vocês desde quando vocês existem.

Grupo: Confuso: fico pensando nas forças que regem o mundo. As forças que vêm da natureza
NA: Você quer dizer as forças tehili.

Grupo: Isso tudo é força tehili?

NA: Sim, quer mudar? mude em si.

Grupo: Tudo isso converge?

NA: Sim. Como o exemplo dos dominós, uma mínima força pode modificar um universo, como cada um precisa descobrir dentro de si a sua fé, a sua confiança, e progredi-la em seu ser, em suas atitudes, em seus saberes, na transferência de seus conteúdos existenciais. É complexo? Bastante. É possível e plausível, mas depende de você.

Grupo: Se eu entendi direito, das forças, mudar o ambiente fora da gente, essa mudança passa necessariamente pela mudança interna de cada um, é?

Grupo: O externo alimenta o interno e o interno transforma o externo.

NA: Muito bem.

Grupo: O acesso às forças tehílicas como fonte de equilíbrio que vão ultrapassando os universos todos, e o acesso a elas é que é esse acesso a você e ao seu amor?

NA: Isso.

Grupo: E o que tem a ver com os decretos, com os icons? Está ligado nisso?

NA: Os icons são a possibilidade de diálogo com o seu corpo que são resultantes de forças tehílicas. Os icons não podem ser decretos, são diálogos. Decretos são imposições. A simplicidade é o diálogo. Oi, como vai?

Grupo: Tinha o negócio de pôr a mão e dizer está curado.

NA: Você não vai dizer isso sem crer.

Grupo: Pergunta sobre reiki.

NA: O reiki tem uma grande virtude, a doação incondicionoal. Quanto mais incondicional, mais eficiente …. Você está doando. xxx

Grupo: O mundo é muito diverso, as forças que agem sobre o mundo, entendo que convergem, é possível em algum momento entrar em comunhão com todas as forças do mundo?

NA: A qualquer momento. Demora-se, porque não se crê.

Grupo: ou porque acha que é complexo demais?

NA: Porque acha que depende de outros. Não depende de outros. Depende de você. Encaixa-se. Você pode derrubar todos os dominós. Uma única pessoa. O que você acha que o nosso irmão Sananda fez? Krishna? Buda e muitos outros, em outras esferas, em outras estratosferas? É difícil sim, mas não é impossível. Mas, depende de cada um. Podemos lembrar que o altruísmo é uma ferramenta de treinamento para crer em si e encontrar o amor incondicional. Digamos que o caminho do amor incondicional que leva à incondicionalidade da confiança, relaciona-se a interagir consigo e com os outros gratuitamente, sem querer respostas, sem exigir condições. Não é preciso viver disso. Mas, é possível viver com isso. E irá se apurar na medida do seu exercício. Não na medida do seu entendimento. Não adianta saber. É preciso fazer. Então, faça com todos que você conseguir fazer. Não cobre de si, se não fez. E não usufrua das consequências do que fez. Se ajuda alguém, ajuda, ponto final. Não cobre depois, não se vanglorie, assim como responsabilize-se porque foi a sua ação que deu certo ou errado. Errado não existe porque a tradução de errado é aprendizado. E isto aproxima você do seu amor. Tenha em mente que quando você erra e reconhece com amor, o seu amor reconhece você. E isso pode ajudar. Aprender a errar é aprender a aprender. Paz e Amor.
Cada um tem possibilidade de se resolver. Certamente, há muitas falhas na imperfeição do desenvolvimento humano. Mas, as falhas são superáveis. Os defeitos são reconstruíveis. Mas, essencialmente, as decisões podem e precisam ser revistas. À luz do amor, o erro não existe. À luz do amor, o acerto é uma entrega óbvia. À luz do amor, colocar-se no lugar do outro é encontrar o seu lugar. À luz do amor, descobrir o poder e não utilizá-lo é uma das grandes virtudes da humanidade.

Paz e Amor.