Encontro Semanal

Luas suirsômicas: as sombras e as chuvas

 

Paz e Amor.

 

Vimos explicando sobre os suirsomas e formas de lidar com os acontecimentos relacionados aos suirsomas. Os suirsomas representam aquilo que pode acontecer com você ao longo da sua vida. Desde a concepção, os seres em estado espiritual, que nominamos Intai, combinam com seus Ranamás, que são seus mentores individuais, parte daquilo que você precisa para viver e esta combinação normalmente é confinada com a experiência da chamada encarnação, que damos o nome de duplinação. À medida que se desenvolve desde a infância, os suirsomas podem ser cumpridos ou não. Isto depende da sua própria trajetória pessoal. O objetivo oculto é que se cumpra, cada um, o seu próprio suirsoma. Mas, muitas vezes, as questões que envolvem as experiências de vida podem ser diferentes, pois estão relacionadas a desafios e a necessidades específicas de cada um. As luas suirsômicas são os traços indiretos que podem surgir na experiência de vida de cada ser humano duplinado. Normalmente, ignora-se completamente tais questões. Mas, é possível que se possa observar, que se possa trazer para a consciência, parte daquilo que fora “combinado” com os seus Ranamás. Os Ranamás são seres de altíssima vibração e entregues aos trabalhos de orientação e ajuda aos seres humanos no planeta Terra. Ao se pensar que há estes entes queridos relacionados a cada pessoas, já se deixa claro que há, em cada um, uma fonte de amor originalmente em sua essência, em sua memória e em sua experiência existencial. Cada um precisará de confiar em si para se aproximar desta essência de amor, pois ela pode se fazer exercer em suas habilidades, em sua compreensão, em seu desenvolvimento, e em tudo que você é para si e para os outros. Então, as luas suirsômicas são estes traços que indiretamente vasam do confinamento da duplinação, podendo ser percebidos, memorizados e acompanhados, mas como são indiretos, não se exteriorizam por inteiro. Eles são sombras. Eles são resumos, partes, apenas dicas de que algo pode seguir em frente, ou se deve parar por causa de uma torrente. Então, a experiência de vida pode ser de alguma forma acompanhada por essas chamadas luas suirsômicas. Normalmente, falamos como a primeira lua, as sombras: onde há luz, há sombra. Pois, elas não surgem na escuridão e, às vezes, são muito sutis, como as sombras nos espelhos. Pensar sobre as sombras é trazer que nos eventos sincronizados, incronizados, onde as sincronicidades atuam – tempo e espaço se encaixam nos eventos mentais, corporais, físicos, uns dos outros. Então, a luz da sombra, a lua suirsômica das sombras representam a possibilidade de se observar os eventos da vida, que começa a cada dia e termina no sono, e provavelmente em outros planos continua. Incessantemente as sombras são impressões, são os traços que resvalam nas intuições. As sombras podem se transformar em sensações, mas elas demonstram que há, nas resultantes tehilis – que são as forças que levam as coisas a acontecerem como acontecem – uma susceptibilidade da ocorrência de situações relacionadas às necessidades suirsômicas. Muitas vezes, aquilo que se repete, dando certo ou errado, estando de acordo, ou em desequilíbrio, o sentido sempre se consuma na medida em que se emparelha com essas necessidades suirsômicas. A consciência não sabe e nem o subconsciente, mas seu eixo insciente, mais íntimo, e relacionado de forma mais ampla com aquilo que fora combinado com os seus Ranamás, surge, portanto, de maneira eventual, difusa, como uma sombra. A luz suirsômica da sombra pode ser observada pelas lembranças daquilo que se repete, daquilo que insiste, ou até daquilo que se impõe de uma forma ou de outra. Ao observar e conseguir interrelacionar, estás criando canais de relação entre o seu suirsoma e a sua vida. Muitas vezes, os seres humanos fazem o contrário do que deveriam fazer, trazendo desequilíbrios frequentes, ou um equilíbrio chamado de finalizado quando não se pode mais cumprir o seu suirsoma. Os Ranamás jamais desistem, mas a consciência é dona de si e pode impor aquilo que vive. Por outro lado, quando se cumpre ou se tem a tendência de se aproximar do seu suirsoma, os empoderamentos psíquicos, emocionais, físicos e fisiológicos, etc., acontecem com maior naturalidade. Isto também pode ser observado pelas sombras, pois se considera que as sombras lhe informam a posição da luz solar. E o sol representa o seu suirsoma, aquilo que de melhor pode ter a oferecer para si e para os outros. Da mesma forma, as chuvas representam uma lua suirsômica. Muitas vezes, se diz das fertilidades. Muitas vezes, se diz das ambiguidades, das torrentes na vida, dos ímpetos. Muitas vezes, se vive incansavelmente obrigados a serem persistentes, pois sempre chove, e a chuva traz consequência, tudo aquilo que está contido em sua expressão. Por exemplo, a chuva violenta lhe dará referências para a sua vida, seja como for o que esteja vivendo. A violência pode estar por perto. Mas, dependendo de seu suirsoma, ela nunca se aproximará. É possível se observar e verificar como andam as chuvas. Normalmente, elas vêm em certas épocas, trazendo a virtuosidade, mudando as temperaturas, amenizando os climas. Às vezes, vêm para lavar, para levar, para fazer suar, para fazer impor as forças da própria natureza. As chuvas trazem raios, as chuvas trazem inundações. Mas, trazem o alimento e a esperança. As chuvas, como na vida, podem ser observadas e somadas às luas suirsômicas da sombra. Sombra e chuvas. São duas luas suirsômicas iniciais, que trazem para a vida grande parte dos dilemas, dos sofrimentos, dos becos sem saída. Assim como, se antes percebidas, podem trazer virtude, abundância, assim como pode impor a humildade diante do desperdício, da soberba, das mentiras. Sombras demonstram a presença dos fantasmas. A presença dos ocultos. Mas, também sem as chuvas, a seca avassala. E a falta da companhia, gerando a solidão, ou gerando possibilidades que criam caminhos que podem conter sombras e chuvas leves que irrigam e trazem prosperidade. É preciso crer em si para perceber que diante de si a vida transcorre trazendo sombras e chuvas. Outras luas suirsômicas serão citadas, pois podem agregar ao conhecimento de si, grandes habilidades especialmente de auto-observação. Olhe para si à luz do amor. Pois, o amor está contendo toda essência suirsômica da sua experiência de vida. Para ajudar a humanidade a seguir os seus caminhos, antes é preciso aprender olhar a si pela vertente incondicional do amor, pois a luz gera sombra, que gera o calor, que gera a chuva, ou a falta da chuva. Seja como for, a dor pode ser substituída pelo amor. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: Agradecimento. Apresentação da xxxx. Deu as boas-vindas. Aniversário da xxx.

NA: Parabenizamos. Que a luz da vida possa fazer de si para si por intermédio do amor.

Grupo: Não entendi bem como observar a sombra, o que é repetitivo no comportamento, nas ações da gente, eles representam alguma coisa que seja a sombra. Comportamento repetitivo forma sombra que sinaliza que a gente…

NA: Exatamente, isto mesmo. Observar aquilo que lhe acontece e perceber as relações entre as coisas, dentre essas relações, as repetições são como a influência da gravidade. Ela persiste a atrair para um determinado ponto. Mas, quanto mais distante do ponto, menor a probabilidade de perceber a relação entre esses pontos. Aquilo que atrai, aquilo que persiste, que repete, não quer dizer repetir da mesma forma, mas que novamente aquilo surge, e mais uma vez, surge de outra forma. Outra vez, surge ao inverso. E outro momento, surge pelas palavras, e assim por diante. Na medida em que os eventos da vida se compõem de adotá-las como ferramenta da sobrevivência, muitas vezes ignoradas, pois aparentemente nada representam. Mas, um conjunto de observações pode aguçar a intuição. Pode trazer para o conhecimento respostas que às vezes nem tão óbvias, mas na relação podem ser confirmações. Elas são muito frequentes, mas pouco observadas.

Grupo: Tem algum exercício que podemos fazer para nos alertar, ficar mais atento, observar?

NA: O conhecimento daquilo que acontece com cada um ou cada uma, não se apresenta aleatoriamente. Evidentemente, há a história. Mas, na história não se incluem as coisas indiretas. As coincidências, os encaixes, as relações confirmadas e certas que se mostram inseguras e desencontradas. Em cada evento simples, cotidiano, a importância se dá por aquilo em que mira, baseado naquilo em que busca. Mas, a consciência não controla o seu trajeto. A ciência não explica o inusitado, a sorte ou a percepção de um insight que soluciona a sua experiência. São as tendências que estão contidas na sua experiência de vida, que têm pontos de atração. Esses pontos de atração relacionam-se ao suirsoma. E criam um conjunto de forças, que já comentamos, chamadas de tehili. As forças tehili levam os eventos a acontecerem encaixando-se no tempo e no espaço, e elas estão direta ou indiretamente relacionadas àquilo que se chama confiança. Há muito tempo, demos um exemplo de como a confiança pode influenciar a realidade dos eventos cotidianos. E demos o exemplo das vagas para aquelas pessoas que têm automóvel, e vão para um lugar de difícil acesso, onde as vagas são “impossíveis”. Mas, se você crer, ao chegar, alguém estará saindo, sem nenhuma dúvida, você estará atuando com as forças tehili, fazendo com que tempo e espaço, movimento, se encaixem sem mudar nada na realidade. Muda-se a realidade quando se tem conhecimento dela. Quando não se tem conhecimento, ela se transforma naquilo que crê. Esta pequena situação, este pequeno exemplo, de forma mais ampla e treinada, lhe possibilita atuar, acompanhando as fontes suirsômicas que lhes enviam suas referências indiretas. As referências são indiretas, pelo fato de que os suirsomas são confinados na experiência corpórea, e desta forma não podem se expor literalmente, e diretamente, mas através da interação mente-organismo, há muitas situações em que essas informações conseguem ser expostas até pelo próprio organismo. É bem possível que até algumas alergias sejam sintomas suirsômicos. Tudo aquilo que leva a sua experiência de vida a ser imposta por algo maior do que o seu controle consciencial.

Grupo: Queria pedir um equilíbrio hoje. Estou precisando.

NA: peço autorização para a vinda de nosso irmão. Paz e Amor.

Todos foram atendidos por J.

NA: Paz e Amor. Algo mais?

Muitos caminhos escolhidos por cada um estão naturalmente emparelhados com seus suirsomas. Normalmente, pode se perceber que as escolhas mais individualistas expressam diferenças suirsômicas, enquanto que os caminhos mais coletivos, em que se doa para o outro o seu tempo e a sua experiência e o seu conhecimento e o seu amor, são aqueles em que se aproximam de uma experiência do amor. Frequentemente, essas pessoas estão emparelhadas com as suas situações suirsômicas. É muito frequente as coisas se encaixarem, as ajudas serem bem-sucedidas e o amor ser distribuído e retribuído. Nossos irmãos Ranamás saúdam a todos, trazendo para o ambiente uma atmosfera de amor e energizando as águas. Agradecemos. Paz e Amor. Paz e Amor.