Encontro Semanal

O equilíbrio dos ciclos

 

Paz e Amor.

 

 

Tudo na vida humana e terrestre acontece de acordo com ciclos diversos. Assunto que já abordamos várias vezes. Mas, a ênfase, neste momento, relaciona-se à compreensão dos ciclos diversos da humanidade e os seus equilíbrios. Os ciclos já são processos em equilíbrio. Mas, podem se desequilibrar, fazendo um desmanche do ciclo ou multiplicando os seus focos. A maior parte dos ciclos é espiralar porque se desenrolam também pelo movimento dos processos que envolvem os ciclos. Então, as órbitas podem ser órbitas mais fechadas, mais alongadas, mas se estiverem em equilíbrio, podem também ser perfeitamente circulares. Às vezes, os ciclos mantêm equilíbrios por meio de outro foco, de tal sorte que o ciclo se formata como uma órbita ovóide. E, dessa forma, mantem-se alternadamente em ciclo elíptico com dois focos. Um exemplo pode ser encontrado no próprio sistema solar em que o ciclo encontra-se com dois focos: o foco do Sol e o foco do seu espelho. E, assim, formando uma elipse. Independentemente se há ou não equilíbrio, a forma elíptica traz diferenciais ao equilíbrio do ciclo. No caso das órbitas planetárias, esse equilíbrio se dá entre as sutilezas das forças que centralizam o Sol, em equilíbrio com as forças que o descentralizam. Mas, os ciclos a que estamos nos referindo ultrapassam a situação exemplo dada. Pois, refere-se aos ciclos de cada pessoa. E esses ciclos são abundantemente multifocais, formando resultantes harmônicas dos processos cíclicos entremeados uns aos outros. Mas, igualmente ao sistema solar, ou melhor, analogamente ao sistema solar, os ciclos da humanidade se deduzem em dois focos: um foco físico e um foco extra-físico. O foco físico surge do nascimento à deduplinação e o foco não-físico, da deduplinação à duplinação. O equilíbrio é uma referência em movimento, uma referência que se completa na conjunção dos tempos circadianos e nos tempos maiores das rotas suirsômicas. Mas, as influências desses ciclos podem ser observadas e relacionadas aos processos suirsômicos porque condizem em processos de equilíbrio. E qual é a importância disso? É que ao se perceber a longevidade dos ciclos, pode-se também deduzir os períodos propícios para as diversas questões e situações adjuntas, isto é, que estão em concomitância com os processos de experiência de sobrevivência, de desenvolvimento com os ciclos vitais, os chamados ciclos da sobrevivência. Os ciclos multifocais, entretanto, incluem os ciclos mentais. E, aí, fazemos a ligação com a parte que está sendo exposta, sobre o desenvolvimento mental. Então, nos próximos encontros, vamos abordar temas relacionados aos ciclos, incluindo as influências já abordadas há mais tempo das chamadas influências da psique e do organismo, dentre eles, também, as influências externas de outros seres. Isto inclui lasmas, flasmas, boúges e outras formas de influência no desenvolvimento mental. O objetivo é esclarecer alguns aspectos deixados para trás em função das explicações que já foram feitas. O equilíbrio dos ciclos relaciona-se aos pesos que cada questão da vida exerce sobre o desenvolvimento e o desenrolar da vida humana. Como é muito frequente, mais do que o equilíbrio, o desequilíbrio, podemos perceber que também pode ser mais do interesse de vocês. E se isso não se der, solicitamos que nos avisem de alguma forma, pois, cada um sabe de si, a resistência que se tem consigo e com suas questões da vida, da sobrevivência, do relacionamento com as pessoas, das disposições de trabalho, e preocupações com entes queridos. Que seja a luz do amor prevalecente sobre todas as formas de desequilíbrio, pois o amor é a principal força capaz de gerar para os ciclos da existência habilidades de auto-equilíbrio. Paz e Amor. Paz e Amor.

Grupo: NA, os ciclos do período da deduplinação até a duplinação, também são espiralares, da mesma forma que o ciclo aqui?

NA: Fazem parte de um mesmo processo porque são as mesmas pessoas. Só que em um período Intai, e um período Aintai.

Grupo: Os ciclos sugerem o desenvolvimento no tempo. O tempo lá flui de forma próxima ao daqui?

NA: Não, há diferenças, às vezes grandes, mas pode não haver.

Grupo: A gente envelhece lá?

NA: Não, envelhecer é físico.

Grupo:e Mas o fato de fluir ou não lá como aqui é pessoal?

NA: É pessoal, mas há também as questões coletivas, como as famílias.

C: Aproveitando essa questão a deduplinação, um tempo atrás, que você falou do egoísmo, pedi pela xxxx, xxxxxxx, e a família tem tido informação que ela não está bem, e isso causou uma aflição na família. Queria saber se há o que fazer, se tem como ajudar.

NA: Podemos ajudar com o nosso amor. E com o esclarecimento de que cada um em seus instantes de sofrimento, seja como Intai ou como Aintai, serão momentos de sofrimento. Mas, todo o processo da desencarnação, ele pode ser vivido de maneira específica e de forma diferente entre as pessoas, independentemente de qual seja o seu nível consciencial, certamente, quanto mais desenvolvido, mais esclarecido e menos problemático na própria Terra. Bem provavelmente, na deduplinação se conservará em equilíbrio. Mas, cada um saberá de si, e terá o apoio daqueles que estiverem com as responsabilidades prontas para as suas questões, e para a ajuda. Essa ajuda, essa assistência sempre há. Mas, as questões de cada um, ou de cada uma, não vêm ao caso, ao debate, porque relaciona-se à intimidade da experiência de cada um. Então, podemos dizer apenas que a força do amor pode substituir a dor. E isso é incondicional. Ao se desabrochar uma flor sabe que o que está por vir irá transformar sua beleza. E a isto a natureza se fizera para adiantar a transformação. Então, o que é mais importante, é a dor da perda da beleza? Ou a felicidade de encontrar novos níveis de consciência? Mas, ainda assim sabendo que haverá uma transformação. Que seja esta à luz da força do amor de cada um, e de cada uma. Então, é bem possível que mesmo a família compreendendo os desígnios das situações vividas por cada um em suas transformações, elas precisam ajudar, emitindo uma luz de amor, que seguramente irá ser oportunamente importante. Não se precisa prestar atenção se essa transformação vai trazer alguma diferença, pois certamente a natureza se encarregará de que sim. Então, é preciso compreender à luz do amor. Certamente, cada pessoa irá reagir mais da sua forma, mas por outro lado, certamente, perceberá a virtude em que se encontra. E será tempo de mudança, de transformação, de tomada de insciência, onde o ser pode saber de si em sua leveza, em suas possibilidades, em seu amor, a sua transformação não tem prazo de validade. Simplesmente irá acontecer para cada um a seu modo e a seu tempo. Paz e Amor.

Grupo: Queria agradecer pelo apoio no dia do curso, usei exercícios que você ensinou, foram bem aproveitados.

NA: Ficamos muito felizes e espero que continue e que se desenvolva abertamente para a luz do amor.

Grupo: A gente tem família aqui, quando deduplina, continua tendo experiência com essa mesma família?

NA: Não necessariamente.

Grupo: É o mais comum?

NA: Depende do que acontecer e das experiências na vida duplinada. Cada caso é um caso.

Grupo: A xxxxx pediu um acompanhamento para a família, questões de saúde.

NA: Estaremos acompanhando, agradecemos.

Grupo: Pedir pelo xxxxx, que está diagnosticado com xxxx, queria pedir acompanhamento para ele e família. E pedir também pela xxxxx, com esse diagnóstico.

NA: Agradecemos as oportunidades, e estaremos acompanhando. Paz e Amor.

Grupo: Essa semana na minha casa teve um surto virótico. Por que aconteceu isso? Nós permitimos isso?

NA: Uma boa parte das propensões viróticas relacionam-se ao conjunto de questões que, neste caso, é coletivo, mas é muito comum os desequilíbrios afetivos e as relações que provocam baixa imunidade de tensão e subserviência mental. A subserviência mental é uma espécie de “mente largada”, sem dar importância às questões que às vezes cada um reclama dentro de si.

Grupo: Vai falar de lasmas, flasmas, quando isso acontece, o virótico, existe processo análogo não físico?

NA: Sim, existe, não quer dizer que seja o seu caso. Mas, existem as propensões a outros seres e a outras conjunções de energias deletérias às somas de fatores negativos e até de questões ambientais de excessos de interferências eletromagnéticas ou de diversos aspectos ambientais de reforço da chamada energia verde, que é uma vibração deletéria muito frequente de radiação eletromagnética advinda da somatória, por exemplo, das linhas de Hartmann, que são campos eletromagnéticos terrestres somados ao uso dessas energias deletérias por outros seres que alimentam de colônias de bactérias, de vírus, e de outras formas de manifestação de vida biológica, conjugada com os campos eletromagnéticos, como os campos de energia verde.

Grupo: Seria possível o Japinha atender, por favor?

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –  Atendimentos

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

NA: Paz e Amor. O equilíbrio não é apenas um, mas múltiplos. Algo que se pode perceber como óbvio, pois há muitas formas de ciclos e muitos ciclos simultâneos, orgânicos, mentais, mentais e orgânicos, orgânicos e mentais. Mas, outros ciclos, ritmos circadianos, ritmos cósmicos, mas também ritmos mentais. Ritmos do stress, da ansiedade e de muitos outros fatores. O equilíbrio é uma tendência dos ciclos, pois se algo desequilibra em um ponto, obtêm-se respostas em outros pontos. Então, fiquem atentos aos seus ciclos, observando o que mais influencia em sua vida. Os ciclos foram citados várias vezes como processos suirsômicos, mas o equilíbrio desses ciclos revela uma outra faceta da experiência de vida de cada um. Que o amor seja uma referência para cada ciclo, pois o equilíbrio se faz com a natureza e pela natureza. Paz e Amor. Agradecemos. As águas estão energizadas Paz e Amor.