Encontro Semanalonline

A trama insciencial

Vamos continuar abordando os fluxos inscienciais porque estes fazem parte de todo o processo de duplinação. Da mesma forma, é necessário compreender que parte desse processo acontece também na forma Intai, ou seja, sem a corporalidade. Afinal, o processo insciencial não é constituído de um corpo. E o processo da duplinação, portanto, é quem produz a interação e o desenvolvimento mental insciencial corporal. Buscamos esclarecer aquilo que é possível, pois há uma parte da questão que é desconhecida da ciência humana. Apesar de haver muitas versões sobre o que é, afinal, o “espírito”, tentamos nos aproximar de algumas das versões mais conhecidas da humanidade. Certamente, essas versões não partem das noções exclusivamente de algumas religiões, como o chamado espiritismo kardecista, mas de muitas outras que abordam o mesmo tema praticamente da mesma forma, considerando que o espírito é algo que se descola ou abandona o corpo após a morte física. Ao escolhermos como abordar este assunto, já falamos isso, optamos em associar as questões de energia, como os centros de energia, e todo o processo corpóreo, fisiológico, físico, bioquímico, mas sinceramente não precisamos debulhar tanto em relação às informações já conhecidas da ciência humana. Algumas vezes, iremos fazer isso para facilitar e melhorar algumas relações verídicas e que podem contribuir para a compreensão no nível da ciência humana. Vamos lá.

A chamada aura, que é – como já abordamos diversas vezes – compreendida como um conjunto resultante de processos de energia e presenças não humanas ou humanas Intai. Essa soma, especialmente, relacionada ao processo corporal e mental, é, de fato, uma trama insciencial. A trama é uma espécie de tecido. Neste caso, uma diversidade de tecidos que exalam e exalçam para a dimensão física, tanto a partir do processo insciencial, quanto do próprio organismo físico, o corpo. Vamos pegar, basicamente, algumas referências para descrevê-las, mesmo que superficialmente. Dos diversos aspectos, escolhemos sete, que já foram abordados e que têm, portanto, na trama insciencial – estamos utilizando a expressão trama para que se possa compreender que todas as questões que envolvem a construção do equilíbrio do processo de duplinação, esta trama relaciona-se diretamente à estabilidade e à permanência desta estabilidade. Esses processos são: a paridade, o nível, a ressonância, o fluxo, a energia, a capacidade e a proporção. Escolhemos esses processos pois todos eles relacionam-se também aos processos dimensionais de Guion. Simultaneamente, formam, tanto física quanto “espiritualmente”, a relação mental existencial insciencial em toda a cadeia de desenvolvimento do ser siloeflérico na dimensão física. Há outras características ou propriedades que deverão ser abordadas dentro das devidas necessidades que iremos desenvolvendo com vocês.

A trama insciencial relacionada à paridade tem como função ou consequência todas as habilidades relacionadas à dependência de uma confirmação. Isto inclui os processos de memória que tanto se relacionam às áreas específicas de memória, quanto aos processos imunológicos e também às transferências dessa memória para o âmbito insciencial Kalamatsana. A paridade, portanto, é responsável pela consistência dos processos de memória e de auto reconhecimento de cada uma das células, quando isso é necessário dentro do funcionamento estrutural e existencial do organismo físico, principalmente em relação ao eixo consciencial, ou seja, em relação aos níveis. Aí, guarda-se a devida relação entre paridade e nível insciencial. Um exemplo em consequência dessa relação, podemos evidenciar a própria consciência, e evidentemente todo o eixo insciencial. A paridade é compreendida como um sistema de sistema matricial, pois não acontece nem isoladamente, e nem em dependência de algum elemento em si, individualizado. É grande parte da formação da trama insciencial. O tempo, nessa trama, acontece em diversas camadas com diferentes referenciais de tempo. Por exemplo, a estrutura orgânica é totalmente dependente de dois processos paralelos de paridade: o bioquímico e o insciencial. Todos os outros estão integrados e constituem parte desse exemplo. Assim, a dimensão de Guion surge desse processo.

Segundo parâmetro

O nível insciencial, que é constituído de processos de sistemas de sistemas de paridade, guarda, portanto, uma total relação com todo o processo orgânico insciencial. Cada nível insciencial está atuando na medida em que os propósitos inscienciais, como, por exemplo, a própria duplinação, ocorre com máxima otimização possível dentro das características de cada ser, de cada propósito suirsômico e de cada característica física existencial, incluindo, evidentemente, todas as suas formas e condições, como sociedade, desenvolvimento e relações diversas que contribuem para a estabilidade existencial, ou seja, para a sobrevivência de cada ser. O nível insciencial estabelece tanto desenvolvimento quanto as condições para o desenvolvimento. Desta forma, as habilidades a serem desenvolvidas através do corpo no ser Aintai, e através das habilidades de mobilidade e desenvolvimento do ser Intai, os níveis inscienciais formam e estruturam a manifestação da trama insciencial, ou seja, da aura, da energia e do fluxo desse processo. O próximo item seria, portanto, a ressonância.

A ressonância é, em si, a manifestação física e parafísica, metafísica, pois está relacionada tanto aos centros de energia quanto ao nível insciencial. E, desta forma, o processo de paridade movimenta, criando ressonâncias de energia e de corporalidade. Os processos de memória, por exemplo, dependem diretamente do sucesso e da sucessão das ressonâncias que surgem tanto do ser Intai insciencial, aquele que está duplinado, resultando em um ser Aintai, e, por isso mesmo, proporcionando diversos fluxos de ressonância. A parte mais “visível” da nossa parte, naturalmente, são as ressonâncias. Elas acontecem em torno do organismo físico e são geradas pela interação do ser insciencial, ou seja, do “espírito” com o organismo físico, estando, pois, dependente de suas prerrogativas de desenvolvimento. A partir de uma certa “maturidade”, esse processo se inverte, estando o processo insciencial à disposição da própria consciência, que é o aspecto mais auto regulador, auto perceptivo e a que aponta para a determinação das questões de comportamento e desenvolvimento de cada um. Então, temos a paridade, os níveis inscienciais, a ressonância. E esse processo da ressonância, ele apresenta um fluxo que pode ser visível àqueles que têm essa possibilidade, essa habilidade de percepção.

Os fluxos de ressonância estão pareados com os níveis inscienciais e são, em si, a movimentação insciencial, dotando o organismo físico daquilo que é chamado de vida pela ciência humana. Os fluxos de energia que constroem a trama insciencial estão intimamente relacionados às disposições suirsômicas e amplamente reservadas para que a consciência detenha o poder sobre si, trazendo uma espécie de auto gerência existencial. A resultante é, portanto, o desenvolvimento de suas habilidades de sobrevivência, dando ao ser habilidades de autopreservação, de autocompreensão, na medida em que o seu desenvolvimento alcança o conhecimento de si, dos seus entes mais próximos, de sua sociedade, de seu meio-ambiente, e de sua própria interatividade, ou interação com todos os fatores possíveis e acessíveis a esse ser. Os fluxos de ressonância expressam as suas habilidades, os seus movimentos e, especialmente, na trama insciencial, as pertinências orgânicas em que as energias transitam equilibrando, alimentando e desenvolvendo a relação insciencial corporal, para que este se mantenha saudável para a construção da sua existência física duplinada. Aí temos, portanto, o quinto elemento que estamos abordando que são as energias.

A energia, como um parâmetro específico, está presente, portanto, em todos os movimentos que esse organismo físico, o corpo, produz em qualquer circunstância. Evidentemente, a energia não é a única forma de se compreender o movimento, pois o processo insciencial acontece também alimentando-se dos campos NIR, criando movimentos com os fluxos elétricos, tanto manipulando campos eletromagnéticos, quanto alimentando-se deles, e também quanto utilizando-os como resultantes para produzir movimentos e tecnologias. As tecnologias tanto são orgânicas quanto são resultados daquilo que se produz através do conhecimento e através do próprio movimento. Assim, as paridades atuam em todos os níveis, gerando ressonâncias e fluxos de energia, tecendo a trama insciencial – esse processo que se mostra tanto consistente quanto altamente dispendioso, gastando, proporcionalmente, altos níveis de energia. E, para isso, a consistência desse processo depende das suas capacidades.

As suas capacidades advêm de suas características inscienciais corporais. Assim também, do desenvolvimento a que se propõe por meio da duplinação, que é a perfeita harmonia entre o ser insciencial confinado na estrutura bio-orgânica corporal. As suas capacidades estão, portanto, relacionadas aos seus níveis de energia, à fluência de seus fluxos diversos e em todos os sentidos, às suas ressonâncias de energia e de base física fisiológica, assim como os seus níveis inscienciais altamente dedicados à existência física por meio da consciência, por meio da dimensão de Guion, onde aprende a se desenvolver, utilizando-se de todos os seus níveis de paridade.

Por fim, a trama insciencial depende de todas as suas proporcionalidades, da proporção de seus sistemas em relação ao seu gasto de energia, gerando capacidades apropriadas para a sua sustentabilidade. Proporcionando fluxos e ressonâncias, abrindo-se para a formação dimensional de Guion, a mente consciente, capaz de compreender a si e ao seu corpo, utilizar-se de recursos de uma natureza circundante para processá-los e desenvolver-se, dotando, portanto, a trama insciencial, além de inúmeras outras características e que aqui relacionamos: paridade, nível, ressonância, fluxo, energia, capacidade e proporção. Neste processo, a trama insciencial ela é evidentemente física. Pode ser visualizada, tocada, manipulada, alterada. Pode ser analisada, sentida, e estar intimamente ligada, fazendo parte, pois, da dimensão de Guion. Juntamente, está a dimensão natural de Ídar e, obviamente, a dimensão física bariônica, feita de matéria física, que contém todas as características físicas conhecidas pela humanidade. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: Gostaria de agradecer. Achei a palestra muito interessante, muito didática completa e inter-relacionando tudo. Muito grata.

NA: Agradecemos igualmente.

Grupo: Reforço as palavras da Glaura, muito interessante ter esse olhar sobre esse processo de vida, não só Aintai, como Intai. Porque isso muda muito nossa forma de ver as coisas. Uma pessoa que está doente, podemos dizer que ela pode ter um ou todos esses aspectos dessa trama em desequilíbrio? Isso é global ou existem desequilíbrios eventuais em cada um desses processos?

NA: Pode ter tanto algum desses elementos afetados quanto provavelmente todos. Daí, a relação da trama. A trama é o tecido resultante que pode ser percebido. E ele pode ser percebido também em suas alterações. Cada uma das questões. Podemos dar como exemplo a ansiedade e os fluxos de energia, que diminui a capacidade e os fluxos ficam inconstantes, donde as ressonâncias não se estabilizam e se alteram constantemente.

Grupo: A ansiedade não deixa de ser uma falta de confiança, né?

NA: Com certeza estará relacionado. Muitas vezes, sem generalizações, a compreensão fragmentada tende a especificar que o problema pode ser isolado. Algumas vezes, isso pode acontecer, mas é mais frequente os problemas serem afetados e afetarem diversos parâmetros. Como todos os índices orgânicos que sejam parametrizados, eles serão alterados, dando ênfase em determinados aspectos, mas todos são alterados de uma forma geral. Considera-se, muitas vezes, uma alteração mínima e uma máxima, mas às vezes as alterações mínimas e máximas não evidenciam a relação holística que o sistema apresenta. É o caso quando evidenciamos esses parâmetros que são os mais afetados, por exemplo, em casos de alguma chamada enfermidade. Os parâmetros podem nem variar tanto, mas pequenas variações podem significar grandes modificações positivas ou negativas.

Grupo: Boa tarde, Paz e Amor, nosso amigo. Aproveitando esse exemplo que você estava dizendo sobre ansiedade, eu aprendi algumas práticas com cursos que eu tenho uma impressão que também possam ter sido orientados, senão por vocês, por grupos como o de vocês para trabalhar a ansiedade. Um deles, chamam de Protocolo Flash. Eu tenho uma curiosidade muito grande porque eu aprendo o método, mas não aprendi o processo em que isso realmente acontece. E através de um resgate de uma imagem, de uma memória que é extremamente positiva para a pessoa, observa-se a redução de um nível de ansiedade para uma situação específica. Isso seria um processo de reajuste, como você estava respondendo para o Weber, que pode haver um processo de desequilíbrio de uma ou de mais partes? Esse tipo de exercício poderia ser uma forma de reajuste?

NA: Pode sim, tanto que os processos de memória estão associados a todos esses elementos, porque o organismo físico depende da relação insciencial para que se estabeleça como um processo de equilíbrio. O organismo físico sem a assistência insciencial, ele tem uma limitação de criatividade. O processo insciencial, ele é altamente criativo, dotando o organismo de possibilidades surpreendentes, com a capacidade de se utilizar de processos interassociativos. A memória, portanto, é um bom exemplo disso, especificamente. Aprender a lembrar daquilo que pode lhe fortalecer, por exemplo, em um momento de alta fragilidade. Especialmente, muitos afetados por processos psíquicos, podem se utilizar de técnicas como são feitas pelos monges. E ensinamos a esses, técnicas desse processo de configuração e reconfiguração orgânica, mental e mnemônica. O nosso exemplo, conhecido por vocês, são os processos icons, e a “meditação” silosciente, que pode resgatar as experiências positivas e dotar o organismo de resposta física aos processos mentais, como as mentalizações.

Grupo: E uma curiosidade ainda sobre esse exercício é que, enquanto a pessoa resgata a memória, ela estimula simultaneamente os lados direito e esquerdo do corpo. E aí me fez lembrar do exercício recente ensinado sobre as conexões. Então, ele faz esse resgate dessa memória e ao mesmo tempo aciona o corpo dos dois lados. Essa conexão que estou fazendo com o exercício ensinado faz sentido?

NA: Faz sentido. Podemos mostrar um exemplo de um exercício, que chamamos de Casa de Retorno. Casa de Retorno, que é você na posição Pina, em pé, ou sentado ou deitado. Mas, você deve produzir um som mínimo, quase mental, mas com a garganta, como um sussurro. E você deve escolher algumas palavras aleatoriamente que não tenham caráter negativo, e que não lhe suscite nenhum caráter negativo. A cada palavra, você cria um gesto, por exemplo, aaalaa (falou sussurrando e prolongando as sílabas, e fez um gesto lento de subir a mão em curva).  Eu disse a palavra ala (tornou a falar a palavra e a fazer o gesto lentamente). Eu devo repetir esse gesto com a outra mão (repetiu o gesto com a outra mão sussurrando a palavra novamente). Assim, sucessivamente, você vai construindo palavras. Sugerimos que sejam 7 palavras porque é próximo do limite da lembrança natural, daquilo que acontece sem que você tenha um grande esforço de memória. Então, você faz uma palavra e um gesto, tudo de olhos fechados. Aí repete uma vez. Agora passa para a segunda palavra e outro gesto, repete a primeira, repete a segunda. Cada uma faz com um lado e depois com o outro. Pode ser em espelho, como assim, ou pode ser invertido, como assim (fez o gesto com as duas mãos na mesma direção e não espelhadamente). Os gestos podem ter significado ou não. Mas, depois dessas 7 repetições, um certo tempo terá passado, e ansiedades e outros processos também embarcam nessa reflexão, que é uma reflexão de memória. E por isso o retorno à casa.

Grupo: Primeiro gostaria de fazer uma pergunta. Depois, um pedido. Falando dos parâmetros da medicina ocidental, fiquei pensando na homeopatia e em outros sistemas chineses de medicina. E eles, tanto pela questão energética quanto holística, estariam mais próximos de atender a todos esses 7 parâmetros que você apresentou hoje? Se a medicina tanto chinesa, levando em conta os meridianos, quanto a homeopatia, se aproximariam mais que a medicina alopata.

NA: Sim, certamente. Porque a questão holística já é uma grande reflexão a respeito, pois as coisas não são isoladas. O organismo não atua pondo nenhum sistema isoladamente do outro. Cada questão está, portanto, associada, direta ou indiretamente e atuam baseadas em sistemas de sistemas de paridade. Sistemas matriciais de paridade. Ou seja, as coisas não acontecem por partes. Elas acontecem holisticamente e baseadas nas respostas e nas perguntas que a estrutura existencial propõe para solução de seus desequilíbrios. A questão do equilíbrio, em si, já diz que se uma referência específica está abaixo do que ela precisa, outra, ou muitas outras, ou todas respondem para equilibrá-la. Portanto, a medicina ou qualquer processo humano que considere os diversos parâmetros de um processo de saúde, por exemplo, ou de comportamento, se isso é considerado em conjunto com outros diversos parâmetros, provavelmente estará mais próximo disso que estamos falando.

Grupo: Hoje eu vim para o encontro com um pedido, se fosse possível. E não só para mim, mas para todos que quiserem. Mas eu vim com a intenção de pedir a presença do Japinha ou de quem fosse para alinhar os centros de energia. Hoje eu estou me sentindo muito fraca. E aí, com esse assunto, eu achei interessante que veio a calhar. Se pudesse no final, eu agradeceria.

NA: Faremos agora e para todos. Para considerar o que estamos fazendo, toda vez que você for fazer uma mentalização para alguém que você se comunique, peça a esse que junte as mãos enquanto você faz. E assim vamos proceder com vocês. Juntem as mãos, apenas para mostrar e demonstrar que o processo insciencial corporal se alia a todas as influências do ambiente e daqueles que transmitem uns para os outros. Por exemplo, nas meditações, quando você junta as mãos, você cria um ciclo de absorção e emissão. Sem determinar o que cada religião ou comportamento humano especifica para a sua experiência de viver, juntar as mãos quer dizer doar e receber. Unir, atrair e emitir. E assim, os fluxos de energia entram num processo de paridade, de acordo com o nível insciencial de cada um. As ressonâncias atuam e são influenciadas pelos fluxos, donde os processos de energia ampliam e se adaptam às capacidades de cada um. E desta forma, proporcionalmente, atuam de forma equidistante, distribuindo os processos que podem ser atuáveis de um para outro, insciencialmente, principalmente. Então, os fluxos de energia que estamos emitindo estão em torno de cada um. E cada um que confie em si e que absorva positivamente a nossa emissão de amor incondicionalmente. Agradecemos a todos. Paz e Amor.

NA: Podemos confirmar que os centros de energia de todos vocês estão em equilíbrio e aqueles que estão com disposição de energia, doaram uns para os outros. Assim é a trama insciencial

Grupo: Muita gratidão. Pode ser uma orientação para as nossas mentalizações de quinta-feira também, né?

NA: Certamente.

Grupo: E a gente agradece à Glaura também por ter proporcionado essa oportunidade, por ter dado essa ideia.

Grupo: Nós somos uma trama! Uma trama amorosa.

NA: A trama é como um tecido que tece os fluxos e todos os processos de uns para si e de outros para outros. É um processo coletivo. E ele é parte do desenvolvimento insciencial humano. Esta é uma parte desenvolvida na humanidade, mas pouco consciente. E ela pode ser trazida à consciência, o que levará ao desenvolvimento exosciencial.

Grupo: Grata. Eu queria, se você pudesse falar sobre a atuação dos sons na trama, né? Como o som pode auxiliar nesses equilíbrios, principalmente os mantras. Como é essa atuação, para a gente entender um pouco mais.

NA: A primeira coisa a dizer é que toda a estrutura corporal está apta a absorver todo o som do ambiente. E absorve com propriedades específicas para cada parte e organismo, porque as vibrações sonoras, elas constituem um parâmetro para a comunicabilidade, e a comunicabilidade não se faz só de palavras. Aliás uma parte forte da questão da comunicação pelos sons é, de fato, os sentimentos. Então, a parte dos sentimentos, especificamente, absorve a sonoridade trazendo referência existencial. A música, como um processo genérico, sem maiores especificidades, ou como produtora de efeitos na estrutura orgânica, ela é capaz de criar pontes generosas entre os sentimentos e a estrutura orgânica. Muitas vezes, a questão física é o parâmetro insciencial porque a própria duplinação se faz de uma construção da estrutura física. Os sons organizam e criam faixas de parâmetro para a estrutura emocional sentimental. Da mesma forma, na medida em que você se produz para produzir a estrutura sonora, ela cria referências, não só para os sentimentos individualmente, mas, principalmente, coletivamente. Os mantras criam faixas de pergunta e resposta, e essas faixas, elas podem alimentar, elas podem equilibrar, elas podem servir de cumplicidade, trazendo harmonia, trazendo paridade. Portanto, qualquer forma de produção de som que esteja criando referência para as emoções e para o corpo traz respostas construtivas, positivas. E a base desse processo está descrita ali: paridade, nível, ressonância, fluxo, energia, capacidade e proporção. É exatamente o efeito do som na existência humana. Quando isso é produzido com a intenção de equilibrar, como é o caso dos mantras, eles podem ser feitos até mentalmente que o efeito é de equilíbrio. Ele é holístico. E, como os seres humanos estão duplinados na existência física, não há nada menos físico para produzir um efeito tão físico quanto o som.

Grupo: Eu tenho pequenas questões. Isso tudo gera um entendimento global diferenciado. Gostaria de perguntar sobre o exercício que você passou, do retorno à Casa. Quando a gente fala a segunda palavra, tem que repetir a primeira também?

NA: Sim, vai aumentando. É um processo de memória que é criado naquele momento. Veja que a questão sonora aí, ela é quase simbólica, mas é altamente presente também. E vai utilizar áreas mentais de uma memória de fala, ou de canto, dependendo do que você criar.

Grupo: Sobre a comogenidade, eu posso falar que existem níveis de comogenidade? Cada um tem um nível de comogenidade e cada um pode trabalhar isso?

NA: Exatamente. Perfeitamente. Aplique a trama insciencial nos níveis de comogenidade que você verá que uma coisa está intimamente relacionada com a outra.

Grupo: A outra coisa tem a ver com a heteroscedasticidade. Essa trama insciencial, ela mostra e possibilita para a gente uma parametrização mental, e a heteroscedasticidade seria uma total falta dessa parametrização, desses aspectos da trama insciencial. Posso falar isso?

NA: Mais ou menos, porque a heteroscedasticidade está relacionada a um processo, como exemplificamos, de fragmentação do tempo, por exemplo. E isso tem um efeito de segmentação da consciência. O tempo não se estabelece como algo contínuo e ele tem que ser reestruturado. E ele vai ser reestruturado baseado em que? Em processos de paridade na estrutura orgânica física e os seus ciclos diversos, inúmeros, em ressonâncias que atuam no processo de energia que são os maiores causadores dessa desestruturação temporal. E podemos aplicar a trama insciencial porque aqui, no caso, como expusemos, a trama é um tecido. É aquilo que vocês chamam de aura e as suas propriedades, e não exatamente algo que estabelece como ela está. É como ela é na sua essência, na sua natureza. Na formação desta trama está a base do processo da duplinação. A duplinação relaciona-se como a estrutura temporal orgânica irá funcionar dentro do processo mental, ou seja, dentro da dimensão de Guion. A dimensão de Guion tem uma temporalidade, por exemplo, diferente da estrutura física e é resultante dela. Mas, as noções de tempo, quando você atua com o seu organismo físico, você obtém respostas equidistantes. Por exemplo, quando você faz uma música, quando você corre para alcançar algo, quando você se equilibra de olhos fechados. Vamos chamar isso de parametrização porque há uma busca de continuidade temporal. A heteroscedasticidade é a identificação de um processo natural de diferenciação e, portanto, que causa disparidades, erros. E eles são entendidos na ciência humana como processos de erros mesmo, estatísticos. Mas utilizamos essa referência a partir do momento que ela pode contribuir no entendimento das diferenças de tempo, de movimento entre uma pessoa e outra, entre a mente e o corpo, entre o processo insciencial e aquele suirsômico. Por exemplo, é útil para compreender a sincronização com as forças Tehili. Ou até mesmo, se você considerar, quando você vai fazer uma mentalização entre vocês, a heteroscedasticidade irá demonstrar se vocês atuaram de uma forma condizente. Aí podemos exemplificar a técnica de juntar as mãos como uma forma de unir, pois há uma evidente manifestação da trama insciencial, que são as energias, e especialmente os campos NIR, que possibilitam a extensão dessas intenções, que podem ser, inclusive, baseados em uma linguagem, ou em um gesto, ou em um sentimento. Podemos juntar essas coisas porque as estamos expondo com esse objetivo, e agradeço que tenha compreendido isso. Paz e Amor.

Grupo: Eu queria agradecer. A solicitação da Glaura veio muito a calhar. Ontem eu participei de uma situação um pouco chata e ainda  continuou hoje. Eu estava muito triste e pesada, inquieta mentalmente, mas agora estou mais leve. Meu chakra do coração parece se expandiu. É só agradecer mesmo e dar o testemunho desse amor que vocês sempre nos doam. Só agradecer. Muito obrigada.

NA: Igualmente agradecemos, paz e amor.

Grupo: NA, Mnahrkiwon. Queria pedir pela Sílvia Calvo, que acabou de entrar no CTI com problema cardíaco. Que vocês acompanhassem, por favor.

NA: Acompanharemos. Mentalize-a por 5 minutos quando terminar aqui. Estaremos juntos.

Grupo: Amanhã minha filha vai fazer uma prova importante, e eu gostaria que ela ficasse mais tranquila para que a ansiedade não interfira. Então, se puderem acompanhá-la, agradeço muito.

NA: Acompanharemos. Agradecemos as oportunidades. Paz e amor

Grupo: Outro pedido em relação a uma pessoa que estou acompanhando, se vocês puderem me ajudar com os insights. É uma pessoa que já comentei aqui, que eu tinha tido aquele sonho. Eu convidei para fazer a prática com ela, mas eu tenho tido muitas dúvidas do que é, de algum de problemas de saúde mental, o está relacionado a questões de espiritualidade. Então, se vocês puderem me ajudar a tornar isso um pouco mais claro para que eu possa saber como agir, agradeço muito.

NA: Na medida em que cada um lança mão de um movimento por si e/ou pelos outros, a tendência é que as questões que cada um esteja vivendo possam se equilibrar. Nós dizemos equilíbrio incessantemente porque o equilíbrio é conseguir saber que há algo do outro lado, em algum fator, que atua ao contrário do que se deseja. Na maior parte das vezes isso é uma coisa desconhecida. O desconhecido é: você perde o seu controle e não sabe como reavê-lo. Algumas vezes não é possível reavê-lo solitariamente. É preciso ajuda. E as ajudas podem vir de quaisquer direções. Portanto, ajudar aquele que precisa se orientar de alguma forma já pode ser uma bela ajuda. Muitas vezes, uma medicação tira do “sujeito” essa possibilidade, pois não é mais por conta de si próprio, ou de si própria, mas por conta daquilo que se crê como efeito de uma medicação. Certamente, isso tem lugar na experiência humana desde muito tempo, e, portanto, já é absorvido pela experiência global, ou seja, dos processos inscienciais. O que podemos dizer, a priori, é que transmita confiança que ela precisa ter em si e que se baseie na incondicionalidade do amor, pois seria a forma mais autóctone, mais apropriada para se superar um desequilíbrio, seja ele qual for. Se isso não é possível, cada um deve buscar a sua solução procurando no outro, ajudas, sejam médicas, sejam de qualquer outra ordem. Assim agradecemos.

Grupo: Agradeço muito.

NA: Na medida em que cada um esteja confiando minimamente em diversos momentos da experiência de cada um, pensem, sintam, estabeleçam referências e reflexões. Percebam que a influência que cada um tem em sua experiência pode ser transformada por outras experiências e, certamente, também, e igualmente transformar as experiências dos outros. Tenham paciência, esperem, mas atuem. Tenham coragem. Esperem e atuem. Tenham sincronia com as pessoas. Esperem e entrem em harmonia. A vida é ampla e está disponível para aqueles que aqui estão, neste momento, sejam eles quaisquer. A experiência humana guarda as devidas proporções para o sofrimento e para a superação. Guarda energia para a transformação e guarda certeza quando se confia em si e nos outros. Agradecemos.

Paz e Amor. Mnahrkiwon.

Leave a Reply