Encontro Semanal

Consciência e exosciência

Paz e Amor.

Não há dúvida que a consciência é objetivo da experiência duplinada. E é a partir da consciência que a autonomia, o direito, o poder é exercido. Para exercer o poder, por exemplo, não é preciso muita consciência. Mas, para olhar para si e buscar compreender os movimentos da mente e da interação com o corpo físico, é preciso um grande desenvolvimento mental. A construção dos processos mentais, entendidos largamente pela ciência, pode trazer um alargamento na prática do desenvolvimento consciencial. Entretanto, há grande manipulação, tanto nas informações de uma ciência séria, quanto através de uma ciência “oculta”. Esse conhecimento requer grande aproximação nos ambientes técnicos relacionados a esses assuntos. Tanto do ponto de vista da psicologia humana – pleonasmo proposital – quanto de uma ciência da consciência, “conscienciologia”, requer noções dos ambientes acadêmicos ou profissionais relacionados às manipulações dessas informações. Desta forma, quando se diz sobre consciência, sempre haverá diferentes “linhas” de compreensão e de afirmações prováveis. Desta forma, estamos distantes, pois, as informações que transmitimos estão bem aquém da credibilidade humana. Independentemente dessas situações, preferimos conduzir da mesma forma que vimos conduzindo outros assuntos, com questões “exóticas” e diferentes. Mas, cada um pode experimentar os resultados em sua própria consciência. Assim, agradecemos as considerações daqueles que, ao confiarem em si próprios, ou em si próprias, podem e devem colher os seus próprios “frutos”. Além do âmbito da consciência propriamente dita, que em nossos pareceres está especialmente intimamente ligado aos processos de memória: tanto física quanto idárica, essas diferenças de considerações são muito grandes, mas podem ser comprovadas com a experimentação em qualquer nível de desenvolvimento. De uma forma ampla, ainda nos interessa conseguir demonstrar tanto as potencialidades quanto algumas possibilidades relacionadas à experiência exociente. Os caminhos mentais diferentes dos caminhos físicos, são volúveis, às vezes, aparentemente intransponíveis, são abertos às influências de outros e dependem de ações próprias de cada um para o seu desenvolvimento. Quando dissemos isto, ou seja, que depende das ações próprias de cada um, quer dizer exclusivamente e isso encontra-se confinado no ambiente interno, pessoal, que não se pode perceber diretamente ou a partir de alguma tecnologia. Haverá um momento na experiência humana, em que as tecnologias estarão interferindo nos processos mentais de tal forma que o iludido possa ser manipulado. A mente consciente pode se proteger e mascarar os sinais eletromagnéticos ou de outra espécie captados, por uma base tecnológica pobre e incapaz de interagir mais profundamente com a mente consciente. De uma forma paralela, a exociência pode, da mesma forma, não se influenciar pelos estímulos elétricos tecnológicos atuais das tecnologias que intentam modificar padrões mentais, de alguma forma. As referências para uma consciência podem ser, entretanto, reconsideradas e “retrabalhadas” para atingir um desenvolvimento para além do desenvolvimento orgânico, “tradicionalmente” associado ao desenvolvimento mental. Isso quer dizer que usar formas de interação entre a exociência e a consciência pode proporcionar desenvolver a consciência independentemente do organismo físico. Entende-se como processos mentais o controle de funções orgânicas e procedimentos bioelétricos, bioeletromagnéticos e bioquímicos para se compreender e desenvolver potencialidades da mente consciente. Os processos mentais estão, portanto, interligados a toda forma de controle e consciência orgânica física do movimento e dos níveis de acesso a esse controle interativo. Os processos exocientes estão muito além dessas formas associadas entre corpo e mente. Os exercícios relacionados à pineal vão, pouco a pouco, abrindo as potencialidades exocientes para a consciência. Desta forma, fica estabelecida uma relação direta entre pequenas estruturas orgânicas que dão algum acesso às expressões da interatividade insciente do ser confinado à sua consciência e à sua exociência. Há muitas formas de abalizar, isto é, de equilibrar os efeitos da experiência, entendendo-se experiência como a proposição e a propostas desenvolvidas para se alcançar de forma “harmoniosa” os níveis mentais propositalmente acima de uma normalidade considerada. Tais referências precisam ser sempre revistas, pois o próprio desenvolvimento modifica uma série de noções relacionadas ao desenvolvimento mental.  Como plano de fundo, tem-se uma série de processos mentais existentes e normalmente encontrados entre os seres humanos, como a fixação da tela mental, ou a modificação pelo exercício das projeções em outros modelos de resposta mental. Cada modelo tem a sua repercussão consciencial ou exoconsciencial. Fazendo um resumo, estamos dizendo que há formas de alcançar um maior nível de consciência sem desestruturar a mente desenvolvida de cada um. Os desenvolvimentos extraordinários relacionam-se ao desenvolvimento a partir da compreensão dos processos mentais exocientes. Como esses são da natureza humana persistentes e existentes, isto é, os seres humanos naturalmente dormem, naturalmente sonham, naturalmente fazem desdobramentos conscienciais, naturalmente vivenciam relacionamentos diversos no estado mental aparente adormecido. Desta forma, não há pré-requisito para um desenvolvimento consciencial, uma vez que o âmbito exociente encontra-se diferencialmente mais desenvolvido. Os exercícios serão espaçadamente propostos de maneira a permitir que cada um voluntariamente para si próprio, ou para si própria, encontre sentido e possa perceber as influências ou não dos exercícios, ao serem inseridos no cotidiano da experiência geral. Não há efeitos colaterais que possam interferir negativamente na experiência de cada um. Uma comparação poderia ser vista quando se pergunta se é uma boa coisa alguém aprender a ler ou a interpretar textos. Certamente, deve haver um esforço e um treinamento para essas habilidades. Elas são genuinamente habilidades mentais e conscienciais, quando se aprende a descobrir a confiança em si e a utilizá-la em seu benefício para alcançar noções diversas e habilidades que se tornam plausíveis, mesmo não sendo compreensivamente ao alcance de outras pessoas. Não há mágica, muito menos alguma tecnologia para interferir na mente de qualquer um. A experiência, ou as experiências propostas, ou a serem propostas, só terão respostas a partir do exercício de cada um. Só aquele que anda pelo mundo pode dizer sobre a experiência de andar pelo mundo. O alcance de cada um há de ser específico para cada um. E, na medida em que lidarmos com as experiências propostas, cada pessoa pode modificar essas propostas para caber melhor em seu mundo consciencial. O exemplo de Pina 1 pode ser um começo para demonstrar que a cada vez que se faz, um pouco se modifica. Certamente, não é uma novidade que o treinamento modifica os estados corporais e mentais das pessoas. Entretanto, novas funções conscienciais podem surgir, como as chamadas viagens astrais. Alguns de vocês, ou nenhum, pode alcançar a habilidade de fazer desdobramentos dos campos de energia eletrofi, que são chamadas popularmente de viagem astral, ou desdobramento. Há muitas técnicas, mas a maioria delas está associada à experimentação semiconsciente de projeções de fílens. E essas projeções já podem dar um pequeno exemplo das impressões diferenciadas entre a mente consciente e a mente exociente. A importância das projeções nos planos de fundo da confiança e das referências do amor, cabem como propósito interrelacional, pois cada um estará diretamente exposto ao seu próprio “si”. O que chamamos de si é uma noção cêntrica do seu ser insciencial, que se projeta sem definições, pois, frequentemente encontra-se em desarmonia com a consciência. Processo resultante da experiência insciencial do confinamento. Essas questões serão, pouco a pouco, esclarecidas, pois, há muitas formas de se encaixar o ser em seu ser, a sua consciência em suas noções – a experiência Kalamatsana na exociência; as noções das rotas que levam todos para uma “libertação”. A ideia de libertação refere-se à integração entre o ser, a sua experiência de amor e a sua experiência de consciência. Paz e Amor. Paz e Amor.

Grupo: Falou que resumindo, que nós somos capazes de ter um nível maior de consciência, sem desestruturar nosso ser. Isso é porque o aumento potencial de consciência seria capaz de desestruturar uma pessoa?

NA: Certamente.

Grupo: Tem a ver por acaso com a autoimagem da pessoa? A pessoa tem autoimagem no cotidiano que seria da zona de conforto. Uma consciência maior poderia deixar a pessoa perdida? Mas, isso também é antagônico, porque se tem maior consciência, também estaria menos perdido? É um paradoxo.

NA: Podemos concordar plenamente com o que você colocou, mas podemos ampliar, realçando que a experiência cotidiana se apresenta muito mais rígida do que precisaria ser. E é assim através do cotidiano controlador. O condicionamento tem um objetivo genérico e superficialmente falando, para atender regras, e auto-justificadas, como a própria possibilidade de conviver. Como a convivência não se baseia no amor, e sim, na competitividade, ela tende a ser rígida e isto, somado ao que se colocou, pode proporcionar um grande desafio para o poder. Pois, estás tendo também poderes. Essa série que se possa resultar de um embate competitivo, ela não harmoniza, ela não apazigua. Ela não equilibra, ela impõe. E este é um dos aspectos dessa desarmonia. Caso baseasse no amor incondicional, você poderia dizer “é utópico”. Exatamente o ponto da contradição. A utopia. Mas, ainda assim, a utopia é uma ideia pré-configurada de ser no mundo. O amor não leva à utopia, mas, ao equilíbrio, à sensatez, à solidariedade, ao altruísmo, ao não-apego.

Grupo: A questão da exociência, que são os sonhos…

Grupo: …não só, são também os desdobramentos.

NA: A exociência é uma estado insciencial quando o organismo físico adormece. A mente entra em outro estado mental. Nesse estado mental, acontecem muitos eventos, como já descrevemos. Os sonhos, diversos tipos de sonhos, desde os sonhos relacionados às necessidades orgânicas, passando pelos sonhos promovidos ou provocados para a comunicação Intai, ou não humana, ou ainda, os sonhos sem motivos, ou motivação aparente. Além dos sonhos, há as comunicações especificamente, diretamente, mas não em sonho. Da mesma forma, os chamados desdobramentos, que são habilidades exocientes de lidar com a sua própria mente exociente.  Há outras habilidades não descritas. Não vêm ao caso no momento. Exociência, portanto, refere-se não à consciência, mas ao estado de sono profundo. Entretanto, o exociente pode exercitar-se em correspondência à consciência, deixando parte da experiência saltar para a consciência. A pessoa vai pensar que ela estava sonhando. Mas, podem ser simples lembranças propositalmente deixadas ao acesso consciente. Pode ser voluntário, ou involuntário. Ou pode ser até provocado por outros, como os seres Intai, como grupos que participam das “empreitadas” que você participa. Eventualmente isso acontece, etc.

Grupo: O ser Intai, ele dorme, ou está na insciência o tempo inteiro?

NA: Não, insciência o tempo todo. Só o seu corpo dorme, você não dorme. Então, aquele que não tem “corpo”, não dorme. Também não acorda. Se não dorme, não acorda.

Grupo: Com relação aos exercícios, eu queria esclarecer o Pina 2, queria relatar, que fiz o Pina 1 só duas vezes, e fiz ele anteontem e fiquei tonto as duas vezes. Tive muita dificuldade de fazer, equilibrar numa perna. Fiquei tonto, conversei com a Eliene que talvez fosse o caso neste momento de eu insistir mais no Pina 2. Queria que pudesse falar sobre isso.

NA: Primeiramente, vamos dar um exemplo. Se você dirigir o carro pela primeira vez, a segunda vez, você vai dirigir melhor, e já pode falar que dirige? Nossa bela irmãzinha é capaz de falar que toca piano, só porque tocou no piano. É o que você está fazendo. Por exemplo, quantas vezes você toca o seu instrumento de olhos fechados?

Grupo: Nunca.

NA: Experimente, Você vai adquirir mais consciência. E pode ser que elimine o seu condicionamento. Entretanto, você pode fazer isso uma vez, não ter o efeito desejado, e não fazer mais. Quer dizer que você não pode fazer? Faça Pina 1 várias vezes. Vai ajudar na bateria, que vai ajudar no aquário. É uma conquista do seu ser. Talvez os peixes fiquem tontos. Mas, a consciência relaciona-se com o seu corpo, e irá buscar pela motivação. Certamente, um grande condicionamento já te convence desse problema. É um belo desafio para dar às suas mãos a sua própria exociência. E isso irá acontecer quando superar esse desafio. Ele é plenamente consciencial. Paz e Amor.

Grupo: Recapitulando o Pina 2. 3 dedos fecham, ficam esses dois fazendo uma pinça. E a princípio, a mão esquerda no plexo solar, e a direita num ponto da linha sagital de conforto. Se eu ficar aqui, imaginar uma luz, um fileto que forma um cone pequeno e a partir de sse cone, um facho de luz linha que vai conectar com a mão esquerda. Anderson e Eliene observaram que a mão esquerda está indo para dentro, e a de cima, de cima para baixo. São duas linhas que se encontram, mas no texto me deu a impressão de ser uma linha só que vai daqui até aqui. É isso?

NA: Realmente, há falhas no texto, pois a projeção de um síder com o outro aproxima da altura do centro de energia cardíaca, mas aproxima da inversão porque os cones dos centros de energia, eles se invertem de um lado para o outro do corpo, assim, e atrás um outro cone, e a projeção interna de um síder com o outro faz uma projeção interna. Não falamos isso porque já tem muita coisa, não é? Mas, é importante a projeção. Você pode imaginar e a imaginação busca uma projeção orgânica quando um síder é projetado com outro internemente. Você não precisa ter essa consciência. O síder está relacionado ao sideral. O sideral como um processo cósmico. Os centros de energia estão captando estruturas e campos eletrofi e eletromagnéticos. Então, é a projeção. Propomos, portanto, que síder seja escrito com s. Da mesma forma, uma pequena correção que Dugna é Dugma Intai.

Grupo: Então, nós vamos imaginar um cone aqui e outro aqui e este filete de luz?

NA: Eles não são objetos físicos do ponto de vista da matéria. Eles são projeções de energia, de campo eletrofi. Então, mesmo que eles não se encontrem, a ressonância, ela é aplicada pelo próprio sistema.

Grupo: Basta imaginar um cone de luz aqui (plexo solar) e um cone de luz aqui (atrás, nas costas).

NA: Exatamente

Grupo: Os exercícios de Pina 1 e Pina 2 pode ajudar, então, na concentração, no foco?

NA: Muito. Perfeitamente. Ótimo para você tocar. Acreditando em si plenamente, você nunca vai errar. Você vai amar. É a experiência do amor incondicional.

Grupo: Você falou que quem dorme é o corpo, e que na insciência a gente não dorme. Por que a gente tem a sensação de acordar cansada? Ele teria que acordar ótimo. Temos a sensação de que não dormimos.

NA: Venhamos e convenhamos. Podemos considerar duas coisas. Primeiro, o estilo de vida de cada um, a forma como dorme e questões de saúde corporal: exercícios, bem estar, amor, bons sentimentos. E o segundo motivo, muito freqüente, é o excesso de trabalho exosciente. Há aqueles que vão para guerras para ajudar. Então. aí depende da experiência de doação de cada pessoa.

Grupo: Essas guerras são espirituais ou físicas?

NA: Físicas, na Terra mesmo. Só que você vai no plano exosciente.

Grupo: E atua no plano físico?

NA: Atua no plano físico ajudando Intais que falecem, ajudando outros seres, participando de congressos, participando de atividades diversas de qualquer nível, de qualquer espécie. Cada um tem a sua experiência exosciente.

Grupo: Mudando de assunto, queria que acompanhassem uma amiga, Rose, que parece estar tendo problema colateral de uma dengue.

NA: Acompanharemos. Mentalize-a. Agradecemos.

Grupo: Ronise, se possível mensagem para o Celso ou para as filhas.

NA: Queridas irmãs, queridos irmãos. Há muito amor em cada um de vocês. É preciso e é possível que esse amor seja proteção, apenas crendo em si mesmas. A cada instante, muitos estão negando o seu amor próprio. Mas, ainda assim, é possível e é preciso revitalizar a noção de amor em seu coração. A luz do amor restaura, cura, e se não cura, equilibra. Muitas vezes, se descobre na hora de ir embora. Muitas vezes, não se vai embora, mas descobre a si e sua fonte de amor. Confiem plenamente. Confiem persistentemente. O amor é a essência do universo que pode substituir a dor. Paz e Amor.

Grupo: Queria pedir pela minha xxxxxx que faleceu ontem, de repente. Fico imaginando que mesmo já sendo idosa, pode se sentir perdida. Peço que a acompanhem.

NA: Acompanharemos. Agradecemos a oportunidade. Sempre quando dizemos assim, quer dizer que apresentamos em seu nome.

Grupo: Inclua o meu nome também, por favor.
Grupo: Essa semana passei por uma coisa muito ruim. Uma coisa que já se repetiu na minha vida. Eu queria ver se podiam dar uma reequilibrada nos chakras para acabar de expurgar essa onda ruim.

NA: Que assim seja. Pedimos que aqueles que queiram, que apanhem um copo d’água. Queremos fazer diretamente com os centros de energia de todos.

EQUILÍBRIO DOS CHACRAS

NA: Segurem o copo com as duas mãos e compreendam em sua mente consciente que a influência da sua ordem mental está plenamente conectada com a sua referência de amor incondicional e que as moléculas dessa água irão proporcionar um emparelhamento, um equilíbrio a partir do entendimento de todas as suas células. O líquido apenas expressa o seu campo de energia que não está mais desequilibrado. Ele se equilibra por uma questão de paridade. Ele responde àquilo que solicita. Ele é Icon. Ele é a sua vontade, mas a sua confiança. Não duvide de seu ser. Aceite-se como és. Torne mentalmente essa vibração mais elevada, fazendo com que ela seja azulada ou lilás. Se as luzes que surgirem, surgirem como manchas, elas estão atuando. Uma luz ultravioleta, ela pode ser percebida mentalmente como uma mancha escura. Deixe as luzes ou as manchas se movimentarem na sua mente. A sua mente é a água. Quando beber um gole, absorva mentalmente. A intenção consciente, ela encontra ressonância de paridade sistêmica e a sua energização se torna apropriada. Ela é o amor. Beba. Ela é o seu amor. Não precisa beber toda a água. Paz e Amor. Agora confie em seu ser, pois o organismo replica a experiência ao longo do corpo através de todos os processos possíveis e acessíveis, inclusive de memória. Paz e Amor. Podes fazer sempre isso e isto é uma energização. Você pode fazer para outras pessoas e pode fazer em um copo, colocar em uma jarra e toda água irá se influenciar. A confiança em seu ser produz o que o seu ser precisa e se tiveres atendendo outras pessoas, podes fazer a seguinte experiência, principalmente com crianças: prepare uma garrafa especial, qualquer, mas específica, pois a água não será bebida, ela será um exemplo físico a ser transferido para ser colocado na testa, na nuca, nas mãos ou no plexo. Em qualquer momento, em qualquer lugar. A força da energização pode ser replicada com cristais, bastando que faça a energização com um cristal junto. O cristal estará permanentemente emitindo a experiência, o que irá proporcionar um reforço para as moléculas daquela água. Estejam atentos à confiança. Não duvidem. Qualquer dúvida enfraquece. Qualquer dúvida desestabelece, isto é, não estás fazendo nada. É preciso que você confie em si e naquilo que você está fazendo. Paz e Amor.

Grupo: No caso da criança, a garrafa d’água, coloca na testa, na nuca, e guarda a água?

NA: Guarda.

Grupo: Na geladeira? Perto do Cristal?

NA: Em qualquer lugar.

Grupo: Mas com o cristal perto…

NA: Se usares o cristal, sim.

Grupo: E essa água fica guardada por muito tempo…

NA: Por tempo indeterminado.

Grupo: É necessário uma limpeza do cristal?

NA: O de sempre. Se quiseres e achar que precisa, precisa. É o que você confiar. Seja isenta de dúvida. Mas e se houver dúvida? Refaça com confiança. Se houver dúvida, nada valeu. Agadecemos.NA: A confiança é parte da consciência. É exercício exociente, é exercício de crescimento consciente. É preciso descobrir a si, amar a si, amar aos outros, amar a vida, amar a existência. Amar quer dizer confiar. Amar quer dizer sempre se aproximar, quer dizer ser. Ser a vida, ser a consciência, ser o seu próprio bem, ser o bem de outras pessoas. Ser equilíbrio. Ser força, ser resistência. Ser noção. O amor é a essência da noção. A verdade é o que você revela. A existência é Kalamatsana. Paz e Amor. Agradecemos. Paz e Amor. As águas estão energizadas por vocês. Paz e Amor.