Encontro Semanalonline

Mulor mental e suirsonia

Paz e Amor.

Vamos continuando a falar sobre os processos mentais seguindo de exercícios para que cada um que interesse possa experimentar alternativas relacionadas ao que estamos abordando. O desenvolvimento da mente ordinária, isto é, no cotidiano humano geral, não consegue se desenvolver além de um ponto limítrofe da experiência de viver a vida consigo e com os seus semelhantes. Ao tocarmos no assunto, precisamos fazer algumas considerações específicas. O mais importante é que estamos falando daquilo que conseguimos perceber dos fluxos de energia e de aergia gerados pelos seres humanos e em ressonância, que são centros de energia, os chamados chakras e as suas formas resultantes. Não visualizamos a matéria física em sua parte mais densa, mas essencialmente os fluxos NIR e os campos eletromagnéticos e os fluxos elétricos que geram formas no âmbito do espectro eletromagnético. E com base nesses processos, conseguimos, pois, compreender a mente humana, assim como podemos entrar em seus campos mentais. Os fluxos de energia estão em ressonância e estão ao mesmo tempo ligados à mente humana, gerando pensamento e a chamada dimensão de Guion, que é a mente propriamente dita. Nossos irmãos convidados fazem parte do grupo dos três que podem ser visualizados por nosso irmão: Shamir, Tono e Dzark, como foram escolhidos os seus nomes. Um outro, do mesmo grupo, irá abordar sobre processos mentais, que é o assunto deste encontro.
Solicitamos autorizações para que o nosso convidado faça início da sua fala. Agradecemos.
OA: Obrigado, agradecemos. A expressão Mulor ou Mulór relaciona-se ao âmbito do limite dos processos mentais humanos. Nós estamos falando sobre a experiência humana. Então, o limite é a experiência humana. A mente humana é bastante extensa, e como já fora explicado sobre diversos aspectos dessa mente, hoje vamos abordar algo que vocês podem passar a observar, se já não o fazem, que é os limites da mente. Esses limites relacionam-se também às habilidades que o processo insciencial proporciona para cada um. O processo insciencial são os níveis do tronco consciencial, do eixo consciencial. Então, vou repetir para ajudar a localizar alguns. Há ainda no útero o chamado nível presciente, relacionado ainda à experiência de engajamento da duplinação. Então, observem que o assunto une a duplinação e os processos mentais. Ou seja, a “encarnação” e os processos mentais. Após o nascimento e mesmo durante, há o nível que chamamos de inconsciente. Diferente da psicologia humana que não diferencia da mesma forma, como diferenciamos, o inconsciente do subconsciente. Nós consideramos dois níveis do eixo insciencial. O nível inconsciente, ele é relacionado ao organismo físico. O organismo físico é o ser biológico, é o ser físico que, sem o domínio sensciente, ou seja, sem o domínio do eixo insciencial consciencial, ele é como uma mônada, como uma máquina sem direção, sem diretor, sem coordenador, sem a alma. As expressões alma, ela nos traz uma conotação direta com o eixo insciencial, que está ligado por meio de ressonâncias, que chamamos de ressonâncias selidentes, ao ser siloeflérico, que se expressa na interface dimensional física e outras dimensões. Ele se expressa a partir de suas ressonâncias selidentes. É essencial que se compreenda que essa experiência é essencialmente, portanto, uma experiência mental. E como experiência mental depende da relação de interação entre o ser insciencial, que é a sua “alma” e o seu corpo orgânico, biológico, bioquímico, eletromagnético, etc. Você tem, então, o inconsciente, que é esse âmbito do ser insciencial, da interação insciencial que acontece a todo instante com o organismo físico, com o corpo. Outro nível insciencial é o subconsciente, que expressa tanto a interação do ser insciencial com o corpo, quanto com as diversas formas de expressão multidimensional, multidimensionais, como com os “espíritos”, outros seres Intai, ou com outros processos mentais. Mas, o subconsciente não é conhecido da consciência, que é o nível imediatamente subsequente. A consciência representa próximo de 5% do que representa todo o eixo insciencial, sendo 90% ou mais representado pela chamada exosciência. A exosciência relaciona-se ao desenvolvimento maior do eixo consciencial, desse eixo insciencial, que estamos falando. Quando observamos por que a consciência humana ainda não se expressou diretamente para o processo exosciencial, verificamos que há uma série de motivos limitadores, e esses motivos são chamados de mulor. Então, temos já alguns exemplos, pois as diferenças mentais ainda muito atreladas à linguagem e ao organismo físico criam barreiras para o aprofundamento dos processos mentais humanos. Para ilustrar uma relação que pode ser de certa forma comparada, que outros seres de outros planetas, mas com origens nos seres Intai humanos, mas, com corpos mais sutis, têm um aprofundamento exosciencial maior com uma representação da consciência mais ampla, ultrapassando 20% do eixo consciencial, por exemplo, comparativamente. Independentemente de como isso acontece, há uma barreira silenciosa, uma barreira escura que é possível ser verificada quando se faz uma meditação, quando se fecha os olhos sem se adormecer, e se observa a si. É possível que se verifique a dificuldade de percepção do ambiente Guion. Lembrando que Guion é a própria mente, a mente de vocês aí agora. Se vocês fecham os olhos, vocês podem perceber que há um ambiente próprio, só seu, um ambiente em que você pode observar e dialogar. Mostramos que há muita confusão com as imagens que perpassam os olhos físicos, criando imagens mentais que em alguns casos denominamos como imagens em espelho, ou espelhadas, ou espelhos, etc., que são reflexos, tanto do aparelho visual físico, os olhos, quanto dos estímulos gerados nos condutos, nos fios, nas fibras, nos neurônios, nos axiônios, relacionados aos processos da iluminação. Não são só as fibras visuais que sentem influência da luz, mas praticamente todas as células têm essa relação. Lembramos que toda célula viva, de todos os seres, inclusive os seres microscópicos, as células, elas geram o que chamamos de fílens, filetes de fluxos NIR, e de fótons, que compõem o campo áurico, a energia em torno do ser, e podemos dizer que com algumas proporções, numa média, com um desvio padrão de 30%. Numa média de que 60% do campo áurico é formado de campos do fluxo NIR. 30% aproximadamente é campo eletromagnético em interação com o meio ambiente e com as expressões de calor, aproximadamente 10%. Então, esses 3 componentes da aura humana são muito perceptíveis para nós. E os analisamos a partir dos níveis de ressonância que acontecem a todo instante. A aura, como uma expressão genérica da energia expressa pelos centros de energia humanos, pode ser compreendida como aspecto relevante para a compreensão dos seus níveis inscienciais. Não estamos falando da mente humana. Desta forma, a dimensão de Guion, que é a mente propriamente dita, em sua percepção ambiental dimensional, é formada praticamente pela interação do ser insciencial em seu meio de vibração dos campos NIR. No último encontro abordamos um pouco mais a questão das energias, aergias e do campo NIR. É importante para aqueles que trabalham e lidam com a energia do corpo e de suas transferências de campos eletromagnéticos e dos processos de transferências mentais. Estávamos falando então dos limites da mente, que chamamos de mulor. Então, a expressão mulor não tem variação de plural, então são vários mulor. São condições de mulor, ou 1 ou 10 mulor. Não vêm da linguagem que tem variação de número. É preciso compreender que essa limitação mulor, ela recebe essa atenção na expressão desta palavra porque é algo relevante para o desenvolvimento consciencial. Vamos entender que o inconsciente não é tão limitado, apesar de estar relacionado ao organismo físico. O subconsciente não é limitado apesar de estar relacionado tanto ao inconsciente quanto à consciência. A exosciência é o aspecto mais expandido do eixo insciencial, e não está tão limitado quanto a consciência. Mas a consciência é para o ser humano, não apenas a possibilidade de saber de si, de reconhecer a si, de se desenvolver, de ganhar noção, conhecimento, de gerar opções para as suas escolhas, mas também como o processo que poderá levar a humanidade a desenvolver-se até a sua exosciência. Vamos lembrar que a exosciência acontece quando o organismo adormece, enquanto o organismo adormece. E essa parcela, esse momento a partir do adormecimento físico, há uma série de extravasamentos inscienciais que propulsionam a exosciência que é também um estado insciencial. É o nível mais desenvolvido e ainda a ser encontrado pela consciência. Então, é expresso como um sonho, ou como insight, ou como impressões subjetivas, rarefeitas, indefinidas daquilo que se chama realidade. Então, a consciência encontra-se em uma espécie de ilha, separada da experiência corporal inconsciente e separada das relações dos outros seres humanos e animais e vegetais, sem poder se comunicar diretamente, a priori. Não estamos falando de casos específicos. E certamente essas limitações apresentam-se de forma relevante, impedindo o desenvolvimento da consciência humana. Mas, é preciso que se compreenda que é possível se desenvolver. É possível a consciência alcançar a exosciência. É possível o subsconsciente se mostrar para a consciência. É possível compreender a si, e entendemos que há processos internos humanos que podem possibilitar que essas possibilidades aconteçam. Mas, elas dependem de fatores internos, e podemos citar dois desses fatores para começar a falar sobre os mulor.
O primeiro é que todo ser humano possui uma fonte de amor. O que estamos chamando de fonte do amor é na essência do seu processo existencial, que chamamos de Kalamatsana, há uma fonte inesgotável de poder existencial, e essa fonte é o amor incondicional. E para compreender a si é preciso confiar em si. E este é o segundo fator: confiar em si. Aprender a confiar em si é alcançar algum aspecto da essência desse amor incondicional, transformando-o em processos orgânicos, mentais, emocionais, físicos, etc.. A mente é geradora de processos de indução NIR, que podem interagir sob determinadas condições, com campos eletromagnéticos e com estruturas funcionais orgânicas. E baseados em um domínio de consciência. Mas, é claro que se essa consciência tem um âmbito amplo de mulor, de limitação, é preciso que haja um desenvolvimento dessa consciência, diminuindo as suas inabilidades, ou estimulando as suas habilidades. Então, vamos especificar um tipo de mulor, chamado Suirsonia. Suirsonia. Então, a suirsonia refere-se ao silêncio mental. Refere-se à identificação de sons gerados não por processos sonoros, mas por processos mentais internos. O primeiro desafio, que é um mulor, uma limitação, você pode fazer como experiência, ao observar o seu silêncio mental. Veja, se a audição é para a mente um canal aberto, exposto constantemente, a todo momento, mesmo que se feche os ouvidos, irá escutar processos orgânicos, como fluxos sanguíneos, ou os estilhaços mentais eletromagnéticos que espelham sonoridades nas enervações cocleares deixando na mente zumbidos e ruídos. A experiência a ser feita é na verdade um exercício de auto-observação. Certamente, a maior parte dos exercícios mentais relacionados à consciência e à percepção da consciência são processos mentais, que fazem com que exija uma atenção ao ambiente Guion. Vamos entender que há grande diferença tanto contextual quanto em relação ao outro aspecto entre aquilo que é chamado de mente e o que é chamado de realidade física, alguma coisa externa na impressão à dimensão da mente, que por nós é chamada de dimensão de Guion. A dimensão de Guion, que é formada pelos processos que já falamos, tem relações multidimensionais. Podemos citar 3 dimensões específicas da mente, que apenas uma ou duas são conhecidas da própria mente. E há outras dimensões que não iremos citar agora por uma questão de não embolar mais ou tornar mais exótica a exposição. Então vamos dizer que há reconhecidamente uma dimensão física, bariônica, onde há processos físicos acontecendo a todo tempo, e que podem ser captados pelos nossos sensores. Dizemos propositalmente nossos porque temos outros sensores que os seres humanos não têm. Podemos perceber os campos aérgicos, NIR, e que, apesar de o organismo perceber e saber deles, e além disso utilizá-los, a consciência não os conhece. Então, uma dimensão é a dimensão física. Outra dimensão é a dimensão da sua mente, a dimensão de Guion. É a sua mente, é o que você é dentro do seu ser. A ideia de dentro e fora não é certamente uma ideia adequada, mas há um propósito em se especificar dentro como sendo aquilo que só você percebe na dimensão de Guion. A dimensão de Guion é sua, e como ela se apresenta a você é diferente e específico em relação a outras pessoas. Cada um tem a sua dimensão de Guion, porque ela não é um ambiente contíguo, ela é um ambiente resultante, ela é resultante em cada um, mas há formas de interagir com os diversos ambientes resultantes de cada um. Ou seja, é possível uma mente, um ser consciente interagir, se comunicar com outro, em outra dimensão Guion, porque elas estão no mesmo ambiente físico. Então, há aí uma interação que chamamos de Sensi, como já fora exposto, que é a interface entre as dimensões. Então, quando você está consciente, você está em Guion, que faz uma interface com a dimensão física real. Mas, há um exemplo maravilhoso, que é a dimensão de Ídar. A dimensão de Ídar é a dimensão da memória, onde o organismo conhece e faz a sua interface, mas ela não é consciente. Ela é inconsciente. Ela é a interação do ser insciencial, que armazena a sua experiência no ambiente físico dimensional de Guion. Certamente, essa experiência é essencial que se tenha. Vamos então ao exercício.
Vou fazer uma descrição do exercício e darei 2 a 3 minutos para vocês fazerem. Cada um terá a sua forma de perceber, a sua forma de compreender, a sua forma de crer. Por que crer? Não há nada mais essencial para a mente, diferente do ambiente físico, que não seja crer. Crer é formar. Crer é estabelecer conexão. Então, você precisa crer em si. Você precisa confiar em si. E este é um dos mulor, que é chamado de Suirsonia, que é você estabelecer uma conexão com base na capacidade de ouvir ou perceber, ou sentir, ou ter consciência do silêncio mental. Ora, se o silêncio é mental, quem faz ruído no silêncio mental não é o som físico, mas a inquietação mental propriamente, tanto do ponto de vista “visual”, quanto do ponto de vista “corporal”, ou de outros sensores orgânicos, ou sentimentos, ou pensamentos, ou até associações. Assim, a descrição do exercício é:
Você vai sentar. Independente de qual seja o ambiente, é bom que não seja incomodado. Desligue as aparelhagens para que você fique em paz e lhe dê, pelo menos, de 5 a 10 minutos. Se você vai fazer esse exercício, vamos chamá-lo de Mulor Suisonia. Vamos chamá-lo de Mulor Suirsonia. A suirsonia é o limite da interferência de sons mentais. Vamos entender que sons mentais são interferências mentais que parecem ser sons e não imagem, e não sensações táteis ou térmicas, ou impressões de sentimentos, ou intuições, mas apenas sons mentais. Eles não são sons físicos, e esta é a questão, é a dificuldade, ou seja, é um Mulor. Mulor mental, uma suirsonia. Mas, a palavra suirsonia tem relação com o suirsoma? Tem. Então isso fica para outro encontro que iremos explicar essa relação. Por que? Lembre, quando começamos a falar, falamos que a mente tem a ver com a duplinação e a formação do desenvolvimento da mente tem a ver com aquilo que acontece com você. Então, darei de 3 a 5 minutos a vocês, para vocês tentarem, fechando os olhos, observar ou o silêncio mental ou os ruídos mentais. Vamos a partir de agora. Fechem os olhos. Irei tentar descrever um pouco para contribuir de alguma forma. Evitem, portanto, serem incomodados. Como evitar ser incomodado? Posicione em relação a si de forma neutra, de forma a distanciar-se do corpo propriamente, porque o corpo lhe informa por meio de muitos sinais. Então, não se importe com os sinais corporais. Deixe-os. Os sons que se adentram no canal auditivo não são sons formados pela própria mente. São sons resultantes da ação do próprio som físico gerado por uma fonte física, transformado em onda e que vibram o corpo e os tímpanos que, em cadeia, vibram várias estruturas físicas até serem transformados em estímulos elétricos, bioeletrônicos, digamos assim. Esses sons não são os sons mentais a que estamos referindo. Então, isso é uma limitação, é um mulor. Um mulor é uma limitação, uma dificuldade de se ater ao aspecto mental puramente, que existe e pode acompanhar inclusive os estímulos físicos, mas pode também não acompanhar, ele pode estar gerando outros processos. Eles podem gerar outras formas de subsonia mental, de suirsonia. Veja, eu disse subsonia e suirsonia, depois iremos debulhar essas expressões, porque a mente, ela é recheada de estímulos, e muitos estímulos mascaram, escondem, impedem, inibem outros estímulos. Não é só o organismo que determina o resultado mental. A ação insciencial, o autocontrole insciencial também, e este é o aspecto mulor muito importante: você encontrar o seu eixo insciencial na fonte do seu amor, ou seja, em plena confiança de si. Vamos esperar 3 minutos.
Muito bem. Voltemos. Agradecemos. Estamos ao dispor de vocês. Mnahrkiwon!
Antes, porém, nós agradecemos e que sejam bem-vindos a todos, e agradecemos a nossa possibilidade. Paz e Amor!
Grupo: Estou tendo algumas visões e não sei quem são os seres que aparecem nas minhas visões e eu queria saber se são seres confiáveis porque não sei com quem estou lidando.
OA: Você pode descrever as situações e como se apresentam e como você está vendo.
Grupo: Eu vejo através de uma abertura entre as minhas sobrancelhas, num processo que começou a acontecer agora, recente, a aparência deles é escura, e eles me levam sempre para um lugar muito escuro, sempre para o mesmo lugar. Eles são muito insistentes para me mostrar esse lugar e é tudo muito escuro. E eu tenho umas outras visões, fora esta visão, que acho que está atrelada a esta visão dos seres. E eu não sei com quem estou lidando, quem são eles, não sei nada em relação a eles. Mas não é agradável o lugar para onde eles me levam.
OA: Muito bem, vamos dar algumas referências para vocês, pois não podemos invadir nem o seu espaço, nem o espaço destes seres. Mas, podemos lhe instruir como pode se proceder. Então, primeiramente peço autorização de você para entrar em seu campo áurico e só vamos observar o seu desenvolvimento e vamos lhe dizer algumas coisas. E pedimos para que diga se há alguma manifestação desses.
Grupo: Se eu fechar os olhos, eles imediatamente vêm. É só fechar os olhos que eles vêm.
OA: Primeiramente, ponha as mãos sobre as pernas, se você estiver sentada e vamos dizer diretamente para esses e para você. Primeiro: “mantenha distância! Mantenha distância! Peça autorização! Peça autorização!” Vamos expor um grupo de proteção: “Não poderá se expressar sem autorização. Não pode conduzir a mente ou o ser insciencial desta pessoa. Respeite! Limite!” Para você: repita a eles o que falamos: mantenha distância e expresse o que você quer. Se não, apenas “mantenha distância”, e observe qual será a reação. Compreendeu?
Grupo: A sua fala inicial eu perdi porque caiu o sinal aqui, mas consegui retornar. Sim, eu compreendi, mas eles não… bom, eu tenho que ser muito insistente para eles manterem distância, mas eles não mantêm distância não.
OA: Eles vão manter distância. Eles vão manter distância. Isto depende de você também. Primeiro, não tenha medo. O medo é uma ilusão, e eles manipulam o seu medo. E estabeleça a todo momento que você quer distância. E não os siga.
Grupo: Está bem.
OA: Isto é só o início. Persista, fique tranquila e mantenha distância.
Grupo: Eu preciso tomar algum passe magnético para limpar meu campo astral?
OA: Vamos fazer isso agora, mas caso você tenha uma referência sua, porque depende da sua fé, daquilo que você crê. Compreendeu?
Van: Sim, compreendi.
OA: Então vamos fazer uma mentalização.
AO: Agradecemos. Em próxima oportunidade, descreva e busque uma referência de sua fé, seja qual for.
Grupo: Sim. Muito obrigada. Estou buscando.
Grupo: Nosso Amigo, Mnahrkiwon, queria saber se esse exercício se a gente deve fazer diariamente. Como é?
OA: Quando quiser.
Grupo: Pode fazer todo dia se for o caso?
OA: Pode.
Grupo: Porque quando eu fiz o exercício, ouvi sons, mas muito poucos e parecia que todos estavam relacionados à minha face. Eu não escutei, por exemplo, nenhum som do meu abdômen, do meu tórax. Então, a minha pergunta vem em função disso, se à medida que vai fazendo, vai desenvolvendo essa habilidade.
OA: O exercício refere a você encontrar uma percepção mental, e não auditiva ou associada. O corpo pode interferir, mas não é aquilo que você está buscando.
Grupo: Ah, tá, agora que eu entendi. Gratidão.
OA: Agradecemos.
Grupo: Eu gostaria de saber se esse exercício tem alguma relação com o Pina Som, que vocês já ensinaram. Se tem, se podem ser feitos juntos.
NA: Podem ser feitos juntos e há relação porque a questão mental é quase a mesma. Neste, o objetivo é compreender a limitação que chamamos de mulor. E essa compreensão irá ajudar a estreitar a relação da mente com os seus aspectos proprioceptivos, ou seja, por aquilo que se percebe de si.
Grupo: Muita obrigada.
Grupo: As vozes interiores que você … ou… externos. Como trabalhar isso?
Grupo: Isso. O objetivo é não dar atenção a isso. Essas vozes interiores são interferências de áreas de linguagem, de aspectos afetivos, emocionais, psíquicos, de interferências ideológicas no sentido da vida, propriamente, não se deve dar atenção a isso. A busca é conceber, de certa forma identificar, o silêncio mental.
Grupo: Sim, mas não existe possibilidade de silenciar essas vozes, mas sim, de perceber o silêncio.
AO: Isso, exatamente. Se você tentar silenciar as vozes, elas continuarão, certamente, não é? Então, deixe-as. Elas podem se expressar à vontade, assim como o som externo irá entrar também. E se impedir, fechando o canal auditivo, ele irá se expressar por questões físicas também. Então, não é esse aspecto que interessa. Interessa aprender a buscar o silêncio mental que é um mulor. O mulor é uma limitação. Então, é um exercício que estamos mostrando essa limitação, e é essa limitação mulor de vários tipos, apresentamos apenas um, que está relacionado ao som, que impede a consciência de se expandir. Então, essas limitações podem ser diminuídas com exercícios mentais de percepção ou de compreensão desses aspectos mentais. Em outros textos, se você tiver interesse, já falamos de várias questões mentais importantes. Então irá ajudar a compreender que é possível encontrar esses aspectos mentais.
Grupo: Ok. Obrigado.
AO: Igualmente agradecemos.
Grupo: Nosso Amigo, paz e amor. Eu gostaria de saber se quando temos sonhos recorrentes, de algum lugar que a gente conhece e visita nos sonhos várias vezes, se esses sonhos estariam na dimensão de Guion ou de Ídar.
NA: Os sonhos estão na exosciência que é um âmbito, que é um nível insciencial mais aberto e é expresso como sonho por causa exatamente dos mulor, ou seja, das limitações mentais de conceber e utilizar os acessos mentais para esses níveis. Então a exosciência é tanto o sonho propriamente dito quanto as experiências de desdobramento, as chamadas viagens astrais, quanto os relacionamentos com os seres Intai, ou com seres Aintai que também estejam em desdobramento, ou com seres em outros planetas e outras coisas que são realmente exóticas, mas que fazem parte da experiência exosciencial. Por causa do mulor mental, a consciência não alcança a experiência exosciencial como um todo. Apenas por motivo de extravasamentos que acontecem no âmbito insciencial que proporciona a experiência consciente dos sonhos, ou seja, aquilo que você lembra como sendo um sonho. E é muito frequente viagens a lugares específicos, ou até a lugares criados mentalmente.
Grupo: Muito grata.
AO: Igualmente agradecemos.
Agradecemos. A experiência de viver a vida, para todos os seres desta existência há de ser alcançar a sua consciência, há de ser desenvolver a sua consciência. Mas considerando que ela não é tão desenvolvida, pode se perceber o contrário, ela pode ser muito mais desenvolvida. E esta condição requer de cada um uma atenção específica para consigo próprio, ou consigo própria. A mente é um ambiente próprio de cada um e só pode ser desenvolvida a partir das experiências de cada um. E assim espera-se que possa ser alcançado num âmbito maior. O âmbito maior, mais proximal é a exosciência, o nível mais último da experiência mental humana. Para além dessa experiência, somente no estado deduplinado. Mas, a consciência pode encontrar a exosciência, e se isso acontecer, muitas questões irão se sobrepor à compreensão atual da sua experiência de viver a vida. Que seja relacionada às condições da sua necessidade, do seu suirsoma, ou seja, que seja à luz do amor, e que seja baseada na sua confiança em si. Agradecemos. Paz e Amor. Paz e Amor. Mnahrkiwon!

Leave a Reply