.


Paz e Amor.

Em Paxman, há uma espécie de ave chamada Donarian. Esta ave, em um dado momento, sofre um surto e falece. Muitas vezes, é tida como um ser delicado e muito desenvolvido. E serve de referência para as nossas alusões da entrada dos seres nas dimensões materiais bariônicas. Há um fenômeno que fora batizado com a expressão Donarian tsao porque refere-se à entropia Donarian tsao que foi o que levou os seres de Lambda a surgirem nas atmosferas físicas das dimensões físicas. Uma espécie de desarranjo gravitacional que subitamente, “de vez em quando” “acontece”. Esse fenômeno dá origem, portanto, à saída do estado de latência dos seres de Lambda. Esta é uma explicação inicial para o surgimento da relação siloeflérica dos seres de Lambda, dando origem, portanto, ao que chamamos de eixo consciencial, que se trata de uma conjunção multidimensional, em que tsao é uma afinação, uma sintonização baseada numa relação caótica espontânea da dimensão física no halo Donarian, neste caso, fazendo a mesma alusão à experiência de morte súbita, a qualquer instante, dos pássaros de Paxman. Ramanitsao é entendido como o propósito de afinação, o propósito de sintonização, sincronização dimensional dos halos dimensionais. Isto, mais profundamente, dá origem aos processos de confirmação orgânica, que sempre falamos. Esta sintonização proporciona o encaixe que será posteriormente o processo de paridade dos sistemas de sistemas orgânicos e em sintonia com os processos inscienciais do ser siloeflérico.
Voltando à mente, é preciso se ater que a impressão multidimensional da mente com o corpo, a todo instante, encontra-se em sintonia, a sintonia Ramanitsao. É preciso que se entenda que isto pode ser percebido e pode ser treinado. Vamos apresentar inicialmente um exercício simples, mas entendendo-se as seguintes questões: é preciso e é possível sintonizar a sua mente com a sua existência Kalamatsana, isto é, toda a sua experiência de viver a vida. É possível sintonizar processos orgânicos mentais com séries de processos e eventos do cotidiano. Por exemplo, sentir-se bem, ou tentar encaixar-se nas experiências da vida requeridas pelas suas necessidades. Normalmente, os processos de treinamento são longos, não cotidianamente no tempo do dia. Pois, 5 minutos por dia já podem ser suficientes. Mas, na maioria das pessoas, pode levar 6 meses. Assim sendo, é notoriamente um auto-estudo. Como já falamos em outros momentos, as sintonizações se fazem a partir dos campos Fi, eletrofi, e eletromagnéticos das mãos, e dos campos de expressão do cérebro no crânio. É importante que cada um demonstre o interesse em fazer o processo. Iremos mostrar o primeiro exercício para que possam fazer uma semana de teste.
O exercício consiste em promover uma sintonização entre os campos das mãos e as expressões eletrofi e eletromagnéticas e os campos holocientes cerebrais, o que quer dizer, sintonizar as mãos com os campos receptivos do cérebro, apenas tocando áreas no crânio. O primeiro exercício é simplesmente colocar o polegar nas unhas e deixar livre o dedo indicador de ambas as mãos. Procure encaixar e na medida do possível, relaxar. Esta posição com o tempo irá funcionar como um pequeno sistema de captação, em que o próprio organismo cerebral irá “formatar”. Uma segunda posição é ligar os dedos polegar e médio, relaxando e deixando livre os outros três dedos, entretanto, esses dois (mínimo e anular) recolhidos e apenas o dedo indicador exposto.
O exercício consiste em 3 etapas. Uma primeira etapa que é uma preparação simples passando a mão inteira sobre a cabeça. Nesta preparação, as mãos ficarão na maior parte das vezes, com um campo eletrostático e fi-eletrostático, dando uma sensação mais evidente, e assim se fecham as mãos, deixando os dedos (posição 1 ou posição 2). Algumas pessoas podem ter uma fatiga muscular por ficar um tempo assim. Por isso deve ter um encaixe e um relaxamento. Se acontecer alguma cãibra, pare, relaxe e deixe para o outro dia.
A fase seguinte, que pode ser feita assim (posição 1) ou assim (posição 2), consiste em tocar aleatoriamente, com leveza, toda a área da cabeça, incluindo a testa, as têmporas e, dependendo, até essa área da maçã do rosto.
Faça de forma diferente de um lado e outro, e busque perceber reações de qualquer natureza. De olhos fechados. Se cansar os braços, pare e deixe para o outro dia.
NA: Toda vez que parar, deixe o exercício para outro dia. Haverá uma hipersensibilidade com o tempo do dedo, da falangeta do dedo indicador. Com o tempo, também haverá uma sutil reação mental. É possível o surgimento de dores leves como pontadas pelo corpo aleatoriamente, pois cada um tem o seu próprio modelo corporal.
Grupo: Estou sentindo pontadas na cabeça.
NA: Muito frequente. É possível haver pontadas diversas, reações alérgicas, pruridos nas pernas. Então, suspenda e deixe para o outro dia. Qualquer reação indesejável, suspenda o exercício.
Grupo: Então, tem duas fases do exercício, não é?
NA: 3
Grupo: A preparação na cabeça…
NA: Você vai caminhar aleatoriamente. E a terceira fase você vai alternar entre encostar e fazer fora da cabeça, próximo. Muitas reações visuais, especialmente relacionadas ao sexto Chacra, sexto centro de energia, que é o chamado Terceiro Olho, que irá fortalecer a presença das luzes de interação.
Grupo: Faz bem próximo e toca de vez em quando?
NA: De vez em quando toca, mas mantém um pouco mais afastado.
Grupo: As duas mãos ou alternado?
NA: As duas mãos alternado, junto, de qualquer jeito. Aleatório. Uma pode encostar e a outra não, de qualquer jeito, tanto faz. O exercício é só isso.
Grupo: Na primeira parte, quando passa a mão na cabeça, e faz a primeira posição da mão, tem algum indicativo para começar a segunda fase ou não? ……..
NA: Não. É absolutamente intuitivo, quando achar que deve, no total de 5 a 10 minutos.
Grupo: A primeira posição é tampando as unhas dos outros dedos com o polegar?
NA: Isso.
Grupo: Mas na hora do exercício de passar o dedo na cabeça eu uso a segunda posição?
NA: Tanto faz. Porque a primeira é mais difícil, mas a segunda é um pouco mais fraca. A primeira é melhor porque cria um campo fi mais consistente e interativo mais com o cérebro. As duas criam, mas a primeira é melhor.
Grupo: A primeira eu sinto um calor grande na mão. Parece que os Chacras digitais e o Chacra central da mão criam um campo.
NA: Criam.
Grupo: Eu posso ir até aqui na região do cerebelo?
NA: Pode. Não chegue no pescoço porque sai da área de atuação cerebral. Aqui (região do cerebelo) ele tem menos, mas também tem.
Grupo: Na hora que faço flutuando não posso nem encostar no cabelo, ou pode?
NA: Pode.
Grupo: Só não pode encostar na pele…
NA: Não pode na pele, porque o estímulo da pele é específico. O cabelo tem um campo um pouco mais fraco que o estímulo da pele, mas ele capta as ondas cerebrais.
NA: Em uma semana iremos tratar dessas reações, mas pense se você quer desenvolver a sua mente. Estes exercícios a serem apresentados, relacionam-se a interações multidimensionais mentais. Ramanitsao é uma sintonização, uma afinação. Primeiro, é preciso buscar e ensinar a si as reações que acontecem. Depois, essas reações podem ser mapeadas. Isto também será ensinado. Depois do mapeamento, haverá a escolha de um ponto pessoal específico que será estimulado como exemplo. Depois, um segundo ponto escolhido, e as interações de um ponto com outro. Depois, um terceiro, um quarto, etc., até chegar em dez pontos que podem ser trabalhados e sensibilizados. Você poderá descobrir, por exemplo, um ponto que estimule mais do que o normal a sua memória. Você pode achar um ponto que amplie a sua imunidade. Você pode encontrar um ponto que te dê mais alegria. Assim por diante. Os pontos podem ser intercambiados, ou seja, interassociados e, quando treinados, podem ter uma espécie de “chaveamento”, ou seja, com um dedo é uma coisa, com 2 é outra, com outro dedo é mais outra, e assim por diante. E desta forma, iremos nos aproximar do que chamamos de meditação silosciente, pois, será uma aproximação maior da experiência icon. Paz e Amor. Agradecemos.
Grupo: Até indo ao encontro disso que você trouxe hoje, esta semana passei uma certa dificuldade com os meus lados direito e esquerdo. Comecei a notar o tanto que o meu lado esquerdo é menos flexível que o meu lado direito. Imagino que esse exercício deve ajudar um pouco nisso também. Mas eu fiquei curioso se você pode falar um pouco sobre isso, sobre essas lateralidades. Pode ser?
NA: Claro. Vamos seguindo a ciência humana. Cada lado do corpo é dirigido, estimulado, sentido no hemisfério cerebral oposto, apesar de ter as linhas ou os fluxos ou os sentidos ipsilaterais do mesmo lado, mas, predominantemente o lado esquerdo coordena o lado direito do corpo, os movimentos, etc. os olhos, a pele, o tato, e inversamente, a mesma coisa: o lado direito está ligado ao lado esquerdo. Desta forma, dependendo da chamada dominância hemisférica, o sentido de desenvolvimento predomina no lado dominante. Dominante quer dizer ser melhor em determinada tarefa do que em outras. Por exemplo, se inverter o violão, você verá que a sua mão esquerda é excelente para dominar o braço do violão e a sua mão direita, excelente para fazer os ritmos e dedilhar as cordas. Invertendo, irá sentir perfeitamente essa dificuldade. Isso já contradiz o que você disse. A sua mão esquerda talvez não seja boa para fazer coisas mais específicas que não seja de sustentar. Normalmente, se sustenta com a esquerda e a direita coordena melhor, como colocar linha na agulha. É possível haver inversões, pois o desenvolvimento da lateralidade associa-se à linguagem e à musicalidade. Desta forma, a musicalidade e os sentidos melódicos e holísticos ou harmônicos e holísticos são compreendidos e desenvolvidos pelo hemisfério direito, enquanto a compreensão serial, a contagem nos ritmos, nos compassos ou, como se queira, em outras músicas, outras funções, certamente o hemisfério esquerdo vai dominar. Então, depende da experiência que você tem. Há a chamada unidade neurológica, que relaciona-se à quantidade de neurônios ou de áreas afetadas, ou melhor, estimuladas para uma determinada tarefa, e, se você treinar, essas áreas serão estimuladas, aumentando os neurônios envolvidos na tarefa. Conclusão: depende também de muito treinamento. Tudo relacionado ao desenvolvimento do corpo depende de treinamento. É possível aproximar as habilidades das mãos, mas normalmente a mão dominante irá executar tarefas de maior velocidade, de maior força e de maior “destreza”. E a mão esquerda, de maior sustentação e de maior padronização. Um bom exercício, explicado pelo nosso irmão falante no momento, é manter uma base com a mão esquerda e criando com a mão direita, e depois invertendo, fazendo criações com a mão esquerda, mantendo uma base com a mão direita. Paz e Amor.
Grupo: Duas perguntas. Primeiro, se existe na Xxxx na cidade em que eu moro, um grupo como este, que eu possa frequentar enquanto eu estiver lá.
NA: Existe, mas faremos o possível para que você encontre. Não podemos dizer o endereço, pois estaríamos interferindo em seu processo suirsômico.
Grupo: A segunda pergunta é sobre a deduplinação da Xxxx. Teoricamente tudo começou com a queda em junho. Depois teve o processo que eu, ela e minha família vivemos, que chegou ao xxxxx, à deduplinação dela. xxxx, falando com meu xxxx, ele falou uma coisa que ficou muito forte no meu pensamento: poderíamos ter feito alguma coisa antes dessa queda que pudesse mudar o rumo desse destino, desse resultado final, ainda na duplinação? xxxxx poderíamos ter mudado isso antes dessa queda? E aí cai no tema da culpa por algo que não fizemos, que não vimos que era necessário. Peço que fale algo sobre isso, se entendeu a minha pergunta.
NA: Primeiramente, vamos dividir a pergunta. Primeiro, se é possível mudar. Mudar algo quer dizer: eu sei que é assim, eu quero mudar para uma outra forma. Certo? Porque se eu não souber eu não estou mudando, mesmo que eu mude. Por exemplo: nossos pais estão idosos, precisamos colocar faixas de lixa em todos os lugares, corrimões, etc. Como eles vão ficar velhos, 10 anos antes nós vamos fazer isso. Certo? Você não sabe o dia de amanhã! Tem sentido isso?
Grupo: No meu modo de ver, 10 anos antes, acho que não.
NA: Poderia ter acontecido 10 anos antes.
Grupo: Mesmo sem ela estar idosa, por exemplo, no momento em que fosse necessário.
NA: 10 anos antes ela estaria com…
Cl: Estaria idosa, com 76.
NA: Portanto…
Grupo: Já teria sido necessário.
NA: De acordo com essa forma de pensar. Mas, você não sabe, então que tal 20 anos? E ainda teria sentido. Talvez 30 anos. Exagerou. Pensemos, pois, que há uma combinação suirsômica. Essa combinação suirsômica aponta para uma série de fatores. Se esses fatores forem satisfeitos, ou o Ranamás chega à conclusão de que é esse momento, isso estará decidido 6 meses antes, no mínimo. E seis meses antes, tudo que for feito irá desembocar no mesmo processo. Suponhamos que 10 anos antes já tivessem, vocês, tomado todas as providências. Outra coisa iria desencadear o processo. É da natureza. É da experiência da duplinação. Infelizmente, é uma condição desta experiência em um determinado momento acontecer coisas para que aqueles possam prosseguir adiante. É um direito da experiência. Por exemplo, uma viagem. Você vai à Alemanha, chega em um ponto dessa experiência, você retorna ou vai para outro lugar. Alguns ficam a vida toda e partem dali mesmo. Outros nem fazem nenhuma viagem, e mesmo assim, irão partir. Mas, a comparação com uma viagem, que você vai e volta, é inevitável. Se você vai de férias para o Alasca, chega o momento que você quer voltar. Outro momento você precisa voltar. Outro momento, se você não voltar, você fica. Então, a experiência da duplinação é uma experiência cíclica. Algum tempo antes, os seres se preparam para vir, se despedindo daqueles que lá ficaram, e ele perde a consciência daquele lugar, ou seja, a insciência, e se aprisiona em um corpo orgânico, sem saber todas as coisas que irão acontecer. Mas, antes, todos vocês combinaram com os seus Ranamás. O Ranamás é um ser de uma pureza de energia, uma pureza de Nir, sem nenhuma interferência nos campos eletromagnéticos físicos. Eles podem caminhar pelos espaços físicos, como se a matéria densa fosse ar, ou melhor, como se fosse vácuo. Todos têm o privilégio de olhar para um Ranamás com a sua espiritualidade, entregue, aberto, e esse ser combina com você. Ele expõe as suas condições e deixa você falar o que você quiser falar. Você expõe o que você gostaria. Se ele aceitar, certamente tudo vai dar certo. Mas, se você expuser e ele mudar alguma coisa, é porque você escolheu algo que não irá te ajudar. Então ele irá te propor: porque você não faz isso? Porque você não escolhe essa família? É a sua cara. Ele faz uma análise. O tempo físico, se fosse possível ser medido, seria de 1 segundo, a exposição de horas de um Ranamás. Isso quer dizer que ele vem com a luz e você já fica sabendo, e você com a sua luz, imediatamente o diálogo se estabelece. E ali, ele irá te adormecer. É só um toque da luz dele, e você desaparece do seu próprio mapa insciencial, e se entrega para o momento esperado, a sua luz ronda o ventre da sua mãe, até que se consuma e se conclua a experiência física. E, a partir daí, a experiência da duplinação está entregue à natureza biológica dos seres, e à natureza insciencial do ser Intai, ou melhor, “da sua espiritualidade”. Seja como for, o seu traçado não está pronto. Ele é uma ideia. Ele é um senso. Ele é uma mão estendida a todo instante. Ele é um caminho apontado a cada vez que você errar. Ele é uma possibilidade para a sua consciência. Ele é uma experiência exosciencial, aonde o que você escolher, não apenas o que você escolher, mas o que você descobrir de si, poderá fazer grande diferença no resultado final. Seis meses antes da sua viagem de retorno, o Ranamás vai avaliar, já estará avaliado: quem é você agora? E vai fazer pequenas alusões, talvez se você necessitar, pode até revelar alguma coisa. Mas, certamente, se estiver tudo ok, será uma surpresa. Algo que possa ser rápido, que lhe dê tempo, às vezes, de dar tchau, ou, às vezes, simplesmente, você desaparece. Outros irão sofrer por motivos desconhecidos, às vezes, de todos. Mas, todas as transições, em todas as situações, o Ranamás vai lhe abraçar e lhe agradecer por você ter proporcionado a ele esta oportunidade de ser da responsabilidade da sua existência Kalamatsana, olhar por você. E é possível que se você encontrou a sua luz de amor, que você ainda reencontre o seu Ranamás, e bem possivelmente se você retornar para a duplinação, um mesmo Ranamás irá cuidar de você. Não é a eternidade. As situações partem de uma necessidade de cada um, e se ela se foi, ainda voltou para lhe dar tchau. É um privilégio que ela teve. Talvez, aparentemente, não para vocês, mas, certamente também para todos, até para a própria vida. Todos poderão passar por isso. Certamente, lá muitas coisas mudam e você poderá, com certeza, olhar no espelho da sua insciência e ver nitidamente como você cresceu, como você se desenvolveu, e irá ter uma profunda felicidade. Talvez, se a sua experiência não foi uma experiência desejada, não em relação ao sofrimento altruístico, mas se é o caso de um bandido, de um assassino, ele se verá e irá perceber quão duro é ser o que ele fez e irá sentir muitas coisas negativas em si. Muitas vezes, suplicará por outra oportunidade. Muitas vezes, ficará longos tempos. Mas, a misericórdia da experiência Intai é profundamente ligada ao amor e, por isso, todos podem ter oportunidades. Aqueles que seguem a sua essência, não é necessário ser perfeito, ou ter qualidades extraordinárias, pois muitas vezes esses desperdiçam essas experiências, ou talvez pelo vazio que já trazem, ou talvez pelas ligações mais profundas com o próprio amor incondicional. Cada um irá encontrar as suas respostas. Se você se sente bem e amoroso, altruístico, relaxe, você irá se ver no espelho da sua essência amorosa. E isto é uma grande motivação, porque grandes transformações acontecem quando as ligações do amor são compreendidas, ou quando o altruísmo, a humildade, sobressaem mesmo que seja por intermédio de muito sofrimento. É o que acontece com os mestres da pobreza, que se dão para reduzir e dividir o sofrimento dos outros, enquanto os poderosos não abrem mão de seus alfinetes. Infelizmente, é preciso que se compreenda que as balanças não se encontram nas dimensões materiais físicas do mundo duplinado. Paz e Amor.
Grupo: A Xxxxxx fez uma cirurgia hoje, ela pediu que se tiver uma mensagem, vou gravar e mandar.
NA: Cara irmã, aquele que serve ao próximo, serve a si. A luz do amor não é um reflexo indireto de algo do além. A luz do amor nasce no próprio coração. E, por isso, independentemente das situações, o amor sobressai. Confie totalmente em sua força de amor, e verá que não só a recuperação se fará com facilidade, quanto a cura das situações orgânicas encontra-se no processo da mesma experiência, a experiência de viver a vida, considerando e seguindo a essência do amor incondicional. Paz e Amor.
Grupo: Vou fazer viagem de novo, de volta à Áustria, e gostaria de pedir acompanhamento. Um dia antes, meu pai vai passar por um procedimento bastante delicado (vou acompanhá-lo) e gostaria de pedir acompanhamento para ele. E uma vez você mandou uma mensagem para o Noah, no aniversário dele e ele falou que ainda está tentando entender essa mensagem, que reflete muito sobre ela. Gostaria de pedir, se possível, que ele receba alguma mensagem que o ajude a compreender essa primeira. Que ele tenha um pouco mais de luz sobre o que ele recebeu, para que ele entenda melhor. Ele está muito interessado nas reuniões.
NA: Caro irmão, à luz da sua própria interpretação, aquilo que é possível reduzir em compreensão, abra-se para o seu coração. Entenda que, às vezes, as coisas são como mistérios, mas mistérios são aquelas coisas que acontecem e não têm explicação. Olhe para o sol. É um mistério. A luz que entra em seu ser se responsabiliza pela vida neste planeta. E toda vida que depende dessa luz também se liga à luz do amor. É simples. Seja humilde para ouvir, e sábio para sentir. Abra-se à luz dos sóis que brilharão em seu caminho. Mas, junto com os planetas de forma figurativa, cada um tem a sua órbita. Às vezes, maior, às vezes, menor. E, às vezes, um lugar tem água que serve para os seres humanos. Em outro lugar, tem irradiações que servem irradiações que servem a outros seres. A existência é mistério e o mistério, a motivação para descobrir o que é a vida. Aproveite. Descubra a seu modo. Paz e Amor. Paz e Amor.
Grupo: Xxxxxx faleceu semana passada. Era uma alma muito atormentada. Queria pedir que vocês mandassem luz, que acompanhassem e também, se puderem, mandar uma mensagem para o Xxxxxx…
NA: Caro irmão, os momentos de encontro, às vezes, não são tão valorizados quanto os momentos de despedida. Pois, às vezes, pode até ter sido o melhor ou o pior, mas, depois de um certo ponto, foi-se. Muitas vezes, se escuta: a vida continua. Não, tudo continua. Não é só a vida, porque a vida não se limita àquilo que é chamado de morte porque não existe, essencialmente, pelo menos para nós, a ideia de morte que seria cessar toda forma de existir, inclusive, deixa-se de existir quando algo não existe mais. Por exemplo, se você deixar de existir, tudo o mais deixaria de existir. Então, todos morreram. Mas, não é assim. Há outras experiências que continuam. E quando se muda de um lado duplinado para um lado não duplinado, quer dizer: O que é que tem do lado de lá da “morte”? Vida! A vida continua com novas experiências, ou melhor, com as velhas experiências. Paz e Amor. Paz e Amor.
Grupo: Você falou dos Ranamás. Falou do campo eletromagnético e campo Nir. Eles são seres siloefléricos ou são de outra natureza?
NA: São de outra natureza.
Grupo: Não tem nada a ver com o que a gente é.
NA: Não são humanos. Nunca tiveram uma experiência humana.
Grupo: Eu escutei uma coisa uma vez que eu gostaria de perguntar: pode chegar um momento em que não se duplina mais?
NA: Pode.
Grupo: Sim. Posso perguntar se é possível saber se a minha mãe vai duplinar de novo?
NA: Vai. 90% dos seres humanos duplinados vão duplinar novamente. Os outros 10%, depende.
Grupo: É possível saber se ela está bem?
NA: Ela está bem. Cada vez melhor.
Grupo: Eu sinto. Obrigada.
NA: Paz e Amor.
Grupo: Eu gostaria de agradecer a todos vocês nossos amigos porque eu tenho certeza que essa força que eu tive para passar por todo esse processo, em especial nesses últimos meses… Não sei nem o que dizer. Eu tenho uma gratidão imensa pela chance de ter esse contato com vocês e eu gostaria de agradecer mais uma vez, porque eu tenho certeza que eu tive um apoio enorme de vocês e isso refletiu em toda minha família nesse processo que nós vivemos. Muito obrigadx.
NA: Igualmente agradecemos, A luz do amor há de prevalecer.
Grupo: NA, eu tive um sonho com o iogue Xxxx. Eu estava num diálogo com ele e me pareceu muito real. Você pode me dizer alguma coisa a respeito?
NA: No último encontro falamos sobre os sonhos, e tipicamente não é um sonho, e sim, uma experiência exosciencial. Resumidamente, é isso.
Cris: Eu vou ler o último texto. Ainda não tive acesso a ele.
NA: Experiência exosciencial não é uma experiência de sonho comum. É uma experiência de relação com outros seres, sejam Intai, seja de outras dimensões, seres extra-terrestres mestres, pessoas comuns, qualquer tipo de relação. Grande parte das experiências chamadas de sonho não são experiências de sonho. Próximo de um terço das experiências de sonho são de sonhos autênticos, normalmente relacionados à experiência orgânica que pode parecer, inclusive, experiências exoscienciais. E são. Toda experiência de sonho é uma experiência exosciencial, mas nem toda experiência exosciencial é de sonho propriamente dito. Você quer saber especificamente?
Grupo: É. A experiência que eu tive no sonho foi trazida para o meu dia. É possível se ter um desenvolvimento no sonho e ele vir para o dia-a-dia?
NA: Sim, perfeitamente.
Grupo: É possível desenvolver no sonho mais que no dia-a-dia e trazer isso?
NA: É possível. Exige treinamento. É possível. Vamos fazer esse tipo de proposta.
Grupo: Aproveitando esse tema, você falou da vez passada que existem sonhos que são inscritos em Ídar e outros que não são inscritos em Ídar. É isso mesmo?
NA: Sim.
Grupo: Eu não entendi muito bem. E os que são inscritos em Ídar tem a ver com outras vidas, com outras experiências…
NA: Não são transferidos para os processos de memória. Eles são esquecidos. Por exemplo, parte da memória orgânica fica no corpo, não é transferida para Ídar. No máximo, ela é alocada de forma específica no perispírito, no chamado perispírito. Nós temos outras designações. E se ela não é “alocada”, ou seja, destinada ao uso, então não há nenhuma referência a essa memória. Ele se perde no corpo. Ela não é transferida para a dimensão de Ídar. Então, você pode talvez até lembrar, mas, normalmente, você não lembra.
Grupo: E as que são transferidas para Ídar…
NA: Você pode lembrar. Ou não. Mas, com certeza, tem a possibilidade de lembrar. E pode lembrar em outra vida, inclusive. Ou então, quando você voltar, você vai ver o que que é.
Grupo: E aqui a gente tem lembrança de sonhos de outra vida?
NA: Normalmente não tem por causa do sistema de duplinação. As enzimas são muito bem destinadas aos seus âmbitos de energia e de funcionalidade. Mas, sempre há os “vazamentos”.
Grupo: E qual a outra forma de contato com a exosciência que não seja o sonho?
NA: A pergunta é boa, mas leva a uma comparação: qual seria a outra forma de ter consciência que não seja ter consciência? Deu para compreender? Ou seja, a forma de ter consciência é tendo consciência. A exosciência, ela tem a forma dela: se você dormir, você tem. Para a consciência, se você adormecer, você perde a consciência, perde o domínio dela.
Grupo: Também queria te agradecer pela situação que vivi esta semana com minha mãe, e pela luz que eu sei que recebi de vocês em todos os momentos que eu tentei ajudá-la. Que vocês continuem acompanhando. Quero pedir também para que ela se recupere totalmente.
NA: Estaremos acompanhando, sim. Agradecemos a oportunidade.
Grupo: Queria pedir uma mensagem para o Xxxxx, que eu sei que ele precisa muito. Ele está, há bastante tempo passando dificuldades em vários sentidos. Gostaria muito de uma mensagem para ele, se possível.
NA: Qual é a situação dele?
Grupo: No momento é ansiedade imensa. Um estado de depressão que ele não reconhece. Ele não consegue focar em nada, faz muitas coisas sem ter resultados efetivos. Às vezes, ele fica sentado no escritório, escrevendo. Por exemplo, ele desenha um número e debaixo desse número ele fica riscando, fazendo tracinhos. Ele pode fazer isso durante muitos minutos, como se ele estivesse pensando sobre alguma coisa, mas aquilo parece não levar a um resultado que ele precisa. Ele fica gastando muito tempo naquilo. Isso já dura anos, na verdade. Pelo menos o que eu percebo é que já tem uns 2 anos. Ele se separou, perdeu as empresas e agora, na relação com meu pai (ele mora no mesmo terreno), eu preciso muito que ele se equilibre para que ele consiga se aproximar dele. E ele tem imensa dificuldade, então ele acaba trocando os pés pelas mãos. Eu gostaria muito de ajudá-lo, que ele fosse ajudado para que ele possa também trazer equilíbrio nessa estrutura familiar que vai ficar enquanto eu estou fora de novo. E ele é o que vai ficar fisicamente mais próximo do meu pai. E eu sinto ele bastante ansioso e desequilibrado. E com imensa dificuldade de se aproximar do meu pai, na relação pai e filho. Ele está fisicamente presente, mas só fisicamente e não consegue se aproximar mesmo morando a 20m de distância.
NA: Qual o nome dele?
Grupo: O nome dos dois é Getúlio. Xxxx e o meu irmão Xxxxxx. Há mais ou menos 3 anos ele teve um pequeno coágulo no cérebro e ficou internado 9 dias por causa disso. Ele é atleta, ciclista, mas ele tem muito medo dessa situação que ele viveu e disso voltar. Falaram que pode gerar um AVC, um aneurisma ou algo do tipo porque já houve esse quadro anterior. Então, ele vive com um medo constante, mas ao mesmo tempo ele exagera. Corre 50km num dia e acha que só o exercício físico vai curá-lo, vai equilibrá-lo. Eu o sinto cada vez mais perdido.
NA: Não se responsabilize.
“Irmão, a luz do amor encontra-se no interior de todas as pessoas. A luz do amor quer dizer energia do amor, que resulta em estar ciente de suas noções. A luz do amor não é apenas um frívolo sentimento. É uma consequência na compreensão das ações de cada um. É como a liberdade: se você não se responsabiliza por ela, você não é livre. É preciso e é possível alcançar as suas habilidades. Encontre-se em pequenas certezas, pois, elas se multiplicarão. Não se conflitue consigo mesmo. Sinta que é possível recomeçar. Que é possível refazer alguns caminhos que já foram bem-sucedidos. É possível refazer as noções sobre a vida. Atenha-se ao seu amor íntimo. Irá te dar referências sólidas sobre a vida, e tenha responsabilidade consigo e com aqueles que estão ao seu redor. Olhe o sol, como brilha e como se responsabiliza por toda a vida. Olha a lua, como reflete a luz do sol, lhe dando dicas importantes sobre o seu humor, sobre o seu carisma, e até sobre os seus mistérios. Fique atento, cuide-se, ame a vida. E tudo mudará. Paz e Amor.”
Grupo: Uma dúvida. Dois encontros atrás, o título, nós entendemos Silergia e o texto tomou o rumo da Filergia. Seria o título Silergia mesmo?
NA: Filergia, com “F”. Nós também temos “bugs”.
Grupo: A partir da semana que vem eu vou começar minhas provas finais e eu queria pedir um acompanhamento. Eu acredito que não vou poder estar aqui na próxima semana, mas na outra eu fazer de tudo para estar. Então, eu vou querer já pedir um acompanhamento.
NA: Muito bem. Estude bastante, você será um bom médico.
Grupo: NA, acompanhe também meus filhos na nova morada. Agradeço demais por tudo que tem acontecido, encaminhado. Eu peço também por eles e por toda nossa pequena família.
NA: E por você também.
Grupo: Muito grata.
NA: Sigamos em frente.
A luz do amor é o que repetimos para a referência de todos. Ouvimos e sentimos uma humanidade em busca do amor. E por isso, persistimos. Escutem em si esse amor e compreendam que a incondicionalidade do amor não dá espaço para qualquer condição para que se ame a si, a vida e aos outros. Pois, como se pode perceber quando nossos “filhos”, nossos “companheiros”, nossos “amores” se vão, nos colocando em seus lugares, é uma transferência altamente significativa, altamente valiosa e sensível à dor, pois traz os sentimentos. Os sentimentos de perda e, paradoxalmente, também de ganhos, pois, um crescimento forçado, mas a incondicionalidade do amor diz: onde há amor, há paz, onde há paz, há amor, que quer dizer que, mesmo na dor, não há sofrimento porque as noções do amor alcançam os âmbitos da multiplicação do desenvolvimento de cada um. Todos saem da experiência da duplinação melhores do que entraram. E este é o “sucesso” desta experiência. Ela não existe só na Terra ou só em Paxman. Iremos falar de outros planetas, de outras experiências, mas alentem-se na incondicionalidade do amor. Aqueles que se foram encontram-se melhores. Isto é bom. Porque depois você vai compreender. Mas, o depois é depois. Compreenda agora. Compreenda que não é a vida, no sentido que todos irão abraçar o seu Ranamás. É exatamente esse o sentido. Abraçar a luz e continuar vivendo a iluminação. Assim seja. Paz e Amor. Agradecemos. Paz e Amor. Mnahrkiwon.