Encontro Semanalonline

Caminhos da mente e caminhos do corpo

Paz e Amor.

Espera-se que a relação entre a mente e o corpo seja equivalente. Mas, este é exatamente o contrário. Mente e corpo não guardam relações simétricas tanto em relação às atribuições da mente com o corpo, quanto do corpo com a mente. As origens destes caminhos serão descritas brevemente. E serão continuadas ao longo dos próximos encontros. A origem mental insciente “encontra-se” entre Éfler e Ídar, a partir das selidências exalçadas dos ambientes dimensionais diferentes do corpo. A estrutura corporal tem como origem todo o processo histórico de sua formação, acompanhado com as exigências dos seres siloefléricos, há muito mais tempo do que se supõe a ciência humana. Por ora, interessa-se, pois, evidenciar as disparidades existentes entre as ações mentais-corporais e corporais-orgânicas-mentais. As origens vibratórias de alta intensidade produzidas pelos seres siloefléricos para os seres siloscientes no ambiente dimensional material alcança a sua estrutura molecular sub-atômica abrangendo todo o seu funcionamento biológico, bioquímico, bioeletromagnético, bioeletrofi, eletrofi, e dos campos fi gerados pelos fílens. Independentemente das questões específicas, podemos resumir que o acesso multidimensional é a origem de todo o processo mental-corporal. Dessa forma, as resultantes de ressonâncias selidentes alcançam a estrutura física orgânica, conseguindo adequar-se de forma altamente controlada e cedida voluntariamente e assistida pelos Ranamás, num processo chamado por algumas religiões humanas de reencarnação, que damos o nome de duplinação. Os caminhos corporais inversamente projetados para a auto-sustentação, para a auto-gestão, admitem em sua estrutura micromolecular, sub-atômica, uma espécie de engendramento entre os campos fi e eletrofi gerados pelo ser silosciente, insciente, orientados pelos Ranamás. A partir deste estágio, os seres em estado espiritual se convertem em um estado híbrido, e recebem de nossas considerações, nomes adotados pelos Ranamás, de Aintais. Aintais, portanto, são os seres humanos, sob a ótica de nossos irmãos Ranamás. Já expusemos algumas considerações a respeito dos processos iniciais da duplinação. Reforçamos agora o aspecto de entrega do ser pré-Aintai, chamado de espírito pelos seres Aintai. Esta entrega significa submeter-se a um confinamento orgânico baseado na estrutura molecular básica já descrita, em que depende, pois, a partir de um certo estágio que antecede, no mínimo em uma semana, à concepção biológica, sendo totalmente integrada à estrutura de DNA, tendo inclusive acesso às transformações combinadas para tais duplinações. Assim, deve nascer um Aintai em seu estado primário, dependente do organismo físico para se desenvolver. Este desenvolvimento pressupõe inicialmente acompanhamento dos Ranamás que dão um suporte para que a estrutura esteja de acordo com as necessidades “programadas”. Os caminhos do ser silosciente a partir de então dependem do desenvolvimento orgânico e da sua formação consciencial, donde desponta para três aspectos essenciais de grande importância para o desenvolvimento geral do ser duplinado. Estes três aspectos são: inicialmente a dependência pressupõe um aprendizado baseado no desenvolvimento orgânico, donde surge o que consideramos ser o inconsciente. De forma generalizada, intimamente reladionado à autonomia do organismo físico, e suas estruturas orgânicas em todos os sentidos. Em segundo, deve surgir o subconsciente como expressão autêntica da insciência confinada. Seu alcance exterioriza a estrutura física, mas não pode ser conscientizada. Em terceiro, surge, desde então como fruto de todo o processo, a chamada consciência, que está relacionada com o ser silosciente duplinado confinado. Este depende, até as duas etapas da primeira e segunda infância, diretamente da estrutura do desenvolvimento orgânico, físico, fisiológico. E a partir do terceiro setênio, da terceira fase que, para os Ranamás, é a terceira infância, que para os Aintai, relaciona-se à adolescência e pré-adolescência. A partir de certos estágios das estruturas glandulares e de todo o organismo físico, o processo de maturação passa a libertar a consciência para o pensamento de forma extensiva. Portanto, somente na primeira infância há abertura para os horizontes mentais espirituais que, gradativamente, na segunda infância, ou segundo setênio, as projeções da espiritualidade se destituem do relacionamento físico, fisiológico, dotando de influência maior no terceiro setênio, a partir do segundo setênio. Diz-se, portanto, que os caminhos da mente se arborizam, expressando em espelho aprendizados arborizados da infância, o que já denota para os centros de energia algo de extrema importância: a relação mesoespelhada entre a maturação e todo o processo inicial estruturado na forma de raiz. Entretanto, todo o aprendizado mental deveria ser iniciado desde mais cedo. Normalmente, os Aintai não têm experiências mentais desenvolvidas especificamente para as crianças até o segundo setênio. O ensino escolar não se interessa pelas questões específicas do desenvolvimento mental, apenas por suas referências corporais. Essencialmente, do ponto de vista do corpo, os caminhos são absolutamente descontínuos e focados na auto-preservação e auto-manutenção. A mente, por exercer pouca influência ao longo do tempo descrito, demonstra ter pouca afinidade com a criação de seus caminhos íntimos entre mente e corpo. Do ponto de vista da estrutura corporal e a sua relação como resposta para as necessidades mentais, os Aintai se mostram praticamente atrofiados. E este é um dos focos que estamos explicando em sua potencialidade de desenvolvimento altamente acessível a qualquer ser Aintai. Em todo este aprendizado, os caminhos iniciais das vibrações siloscientes têm a necessidade de ter o apoio tanto dos Ranamás quanto de suas mães fisiológicas e muito mais com todo o seu afeto disponível para que haja a sensibilização para além da estrutura corporal, mas também incluindo-a. Isto quer dizer da extrema necessidade do amor desde a sua concepção. O amor incondicional é a proposta de todos os seres que se envolvem em duplinação, apesar de serem altamente advertidos daquilo que se combina antes da experiência da duplinação. Neste aspecto, a função de extrema benevolência dos seres Ranamás alcança plenamente o seu destino, imbuindo de gracejos, de amor e de expressividade, ao máximo, abertas para a sua introdução no exercício da existência duplinada. Desta forma, independentemente de quais sejam as questões específicas de cada um, o amor é a raiz que dá origem à duplinação. Demonstração deste fato pode ser confirmada pela atuação intensa, generosa e incondicional dos Ranamás que se envolvem em toda a existência da experiência duplinada dos Aintai. Os seres encontram-se, pois, ao longo da experiência de vida, entre os caminhos que vêm da mente, da espiritualidade para o corpo, e os caminhos como propostas de subsistência e auto-preservação do organismo físico para o desenvolvimento mental. O desenvovimento mental, por sua vez, se arboriza em suas inúmeras e infinitas oportunidades de encontrar a felicidade. Mas, a estrutura de desenvolvimento geral da humanidade encontra-se em looping., recaindo-se a cada ciclo, sem alcançar de seus pais algo além para dar, como opção, mais outros e diferentes caminhos: os caminhos da mente e os caminhos do corpo. Enfim, todos são caminhos do ser duplinado. Que sejam, assim como são no início, e devem e podem seguir, baseando-se no amor incondicional. Paz e Amor. Paz e Amor.

Grupo: Agradecimentos gerais e boas-vindas.

NA: Agradecemos, sejam igualmente bem-vindos

Grupo: Você falou que a escola não se interessa pelo desenvolvimento mental das crianças. Que questões seriam essas e como abordar?

NA: Vamos resumir, pois, isso poderá ser desenvolvido especificamente. Por exemplo, sempre falamos que, na infância, a negatividade domina na experiência do aprendizado e, desta forma, confiar em si passa a ser um desafio. Isto repercute nos caminhos da memória, assim como promove distorções de toda ordem, nas questões afetivas e sentimentais, assim como em outros aspectos mentais. É um exemplo que estamos deparando com todos os nossos acompanhantes.

Grupo: Ou seja, exercício de confiança desde mt cedo.

NA: Exatamente. Como fazer? São outras conversas.

Grupo: Lembro de algumas vezes ter conversado sobre isso, a criança ser um ser sem limite, e qual era o limite que os pais têm que impor? “Você vai machucar!”…. ao mesmo tempo gera negatividade, mas existe a noção prática da falta de noção da criança, e ela pode machucar se deixar por conta dele. Essa sutileza..?

NA: Isso mesmo. Voltaremos ao assunto. Como é assunto mais extenso, vamos ter que dividi-lo para alcançar parte possível de ser compreendida como desejaríamos.

Grupo: Queria se possível ter notícia da minha amiga xxx, que fez passagem no domingo, de repente, nós ficamos assustados, e imagino que ela também.

NA: Como é muito recente, ela ainda está em um estado de auto-percepção, mas já tem assistência. E, na medida do possível, está bem, pois uma parte dos seres deduplinados, ficam em situações de muita indefinição. Paz e Amor.

Grupo: xxxxx

NA: xxxxx

Grupo: Perdi também uma pessoa muito querida, xxx, carregou uma doença durante muitos anos e foi um processo intenso pra todo mundo e para ele, e queria saber se tem como ter notícia dele.

NA: Peço a permissão para entrar em seu campo de energia para que possa localizá-lo. Mentalize-o, por favor.  Encontra-se em atendimento. Normalmente, um processo de sofrimento, na duplinação, mais longo, contribui para a compreensão dos estágios inscientes de recuperação na deduplinação. Portanto, ele encontra-se em atendimento e bem. Paz e Amor.

Grupo: xxxxx

NA: xxxx

Grupo: xxxxx

NA: xxxx

Grupo: Queria perguntar a respeito do que chamou de primeira, de segunda e terceira infância se coincide com os setênios? A terceira infância seria a pré adolescência e adolescência?

NA: Primeiramente, não estamos seguindo uma seleção Aintai. Consideramos o primeiro setênio a parte mais aberta da infância, que é para nós a primeira infância, independentemente se é para os seres humanos. Dividimos ainda nada rígido, evidentemente, deixemos claro, pois, às vezes, falamos alguma coisa e é entendido como uma referência estática. Mas, o que é chamado de setênio varia de 5 a 9 anos, portanto, por volta dos 7. Até os 14 é a segunda infância. Assim dois anos a menos, 12 a 16, e até os 21 a terceira infância, que corresponde à adolescência mas também à pré adolescência.

Grupo: Chama de infância essa adolescência?

NA: Sim. Nossas referências se referem a uma série de fatores de filens e suas ressonâncias. Há uma série de referências mentais, emocionais, sentimentais, intelectuais, racionais, expressas pelos fílens. Essas são as nossas referências. Agradecemos.

Grupo: Queria perguntar: na primeira infância os Ranamás estão acessíveis às crianças?

NA: Não, há uma grande sutileza. Não se pode afirmar assim, senão irão pensar que os Ranamás estão o tempo todo se mostrando às crianças. Isso é algo altamente individual, tanto dos próprios Ranamás, quanto de cada uma das crianças. É frequente nos dois primeiros anos que “espíritos” e outros seres possam ser visualizados por crianças e ao longo do aprendizado da linguagem, isso diminui ou se perde. Paz e Amor.

Grupo: Queria agradecer muito ter tocado nesse assunto, porque para mim isso é muito sensível…, trabalho com isso. Você disse que não vai aprofundar agora, mas queria pedir que aprofunde depois. Queria agradecer o retorno sobre o trabalho, e queria pedir que dê atenção sempre.

NA: Agradecemos a oportunidade e conte com o nosso apoio. Estaremos sempre contribuindo com o nosso amor trazendo bons fluidos de equilíbrio ambiental. Agradecemos.

Na medida em que cada um orienta-se em seus pólos mentais ou corporais, podem refletir sobre a influência que exercem sobre si mesmos, ou sobre si mesmas. Há muitas formas de fazer o corpo sentir, perceber e obedecer a mente que o destina, pois a mente é o destino do corpo, e o corpo, destinado pela mente, deve compreender-se em si, deve amar-se, respeitar-se, encontrar-se. Agradecemos. Paz e Amor Paz e Amor. Paz e Amor. As águas estão energiazadas, inclusive as águas daqueles que porventura tenham selecionado fora deste espaço físico online. Agradecemos.