Encontro Semanalonlineonline

Paridade, memória e confiança

Paz e Amor.

A relação mente-organismo-corpo nos faz remeter a questões da integração e da interação mente-organismo com informações mescladas dos seres humanos, isto é, dos Aintai, e de origem não Aintai, que é chamada de SieAintai. É necessário que se compreenda muito limitadamente, pois não temos a intenção, a priori, de maiores aprofundamentos em função das características do grupo. Mas, as referências ao corpo são importantes para a compreensão de algumas bases apresentadas como processo de auto-percepção e auto-ciência, ou seja, processos da consciência. Certamente, a consciência Aintai não se aprofunda mais do que as suas necessidades lhe impõem. Então, é necessário fazer algumas alusões, pelo menos, para se ter como base geral de algumas explicações. Assim, agradecemos a paciência, pois, o que já é exótico, tornaria bem mais sem tais explicações.

Todos os processos orgânico-mentais são avaliados bilateralmente para verificar, portanto, a procedência, a necessidade, a paridade e o destino. As informações são processos orgânicos, escritos na estrutura de memória, através dos fílens, e toda a sua estrutura se registra de tal forma a atender às solicitações mentais e/ou orgânicas. Sempre haverá dois destinos finais, assim como duas origens iniciais. As sinalizações mentais se dividem em três estágios especificamente importantes. Um estágio idárico silosciente. Um estágio híbrido Ídar-organismo, e um estágio orgânico. Do ponto de vista da estrutura orgânica, apenas dois estágios básicos, o estágio orgânico, como resposta ou como proposta, e a interação mental-orgânica. Portanto, o organismo não conhece onde se localizam as dinâmicas mentais em Ídar, e as acessa pela via da ressonância dos fílens. Estes, controlados pelo silosciente idárico, ou seja, de Ídar, imprime seus controles ao organismo, ou o organismo aos sistemas de memória. Desta forma, a priori, todas as células do organismo registram processos mnemônicos de diferentes procedências e destinos. Especificamente, relacionados à sua própria manutenção. A importância desses aspectos reside na função paritária dos processos mentais, que espelha no organismo matrizes de processos e sistemas, de tal ordem interligados, que se estende no próprio organismo decisões de sua manutenção. Isto é, sem a interferência mental, o organismo funcionará sem nenhuma ajuda da estrutura mental, apenas com a sua própria inteligência, e com habilidades de interação e aprendizagem. Os sistemas fisiológicos reproduzem, portanto, praticamente todos os métodos de paridade, exercendo-os entre os organismos, incluindo os sistemas de outros seres, como bactérias, etc., e a sua lógica estruturada para a sobrevivência fisiológica. O sistema, portanto, compreende e faz traduções de diversos processos de interpretação bioquímica e bioelétrica, bioeletromagnética. Os campos de influência mental não são diretamente tocados na estrutura corporal por razões da autonomia dos processos de autopreservação e preservação das informações genéticas. A influência da estrutura mental, portanto, se faz por dois processos diferentes básicos: 90 % da influência mental encontra-se no subconsciente. E outros 5%, sob domínio da consciência. O restante relaciona-se a processos diversos. Assim sendo, todo o conhecimento transferido para o corpo e organizado pelo aprendizado orgânico-mental é compreendido direta ou indiretamente pela estrutura orgânica. Entretanto, as transdutorizações, e a transduções orgânicas celulares lidam com processos distintos de codificação e decodificação. A estrutura bioquímica não se revela aparente como a estrutura eletromagnética. Todas as formas de tradução vão exigir paridades específicas, e toda a sua complexidade depende da formação de memória. As memórias são dos três tipos citados: orgânica, mistamente orgânica, e apenas mental. Em todas as formas de memória, os processos de paridade são resultados da habilidade de interação do ser silosciente duplinado confinado. Assim sendo, a compreensão dos sistemas transita pelo conhecimento deste ser. O seu conhecimento, mais amplo do que aparenta em sua estrutura confinada, pode ser desenvolvido com o organismo. Assim surge a consciência em seu exercício corporal básico, incluindo as simbologias e semióticas da linguagem. Sendo o ser silosciente insciente de todo o seu confinamento, não pode se expressar para além dos recursos orgânicos que adquire com o desenvolvimento do organismo em que está conjugado. Esta questão, portanto, realça que o seu conhecimento pode avançar com suas habilidades em autoconhecimento. Ou seja, quanto mais se relacionar consigo, mais se desenvolverá e se aproximará de seus sistemas de conhecimento anteriores. O conhecimento, portanto, passa a ser alimento para a sua consciência. Os sistemas de paridade, estando na base do processo de informação, constituem a segurança dos silos mnemônicos. Isto é, da armazenagem em Ídar, e no trânsito corporal, assim como nas células responsáveis por suas memórias específicas. Concluímos que paridade e memória estão intimamente relacionadas à qualidade da confiança que se adquire em estágios de insegurança da experiência em geral, corporal, mental, psicológica, etc. Assim sendo, os conceitos relacionados a confiar em si procedem como argumentação para a resposta íntima do ser silosciente em seu estágio duplinado confinado. Isto é, você, em sua consciência, pode não crer, mas você, em seu ser silosciente insciente duplinado confinado, não tem outra alternativa que não seja confiar. Quando se transmite pelos códigos da linguagem, quanto mais confiança for transmitida, mais extensa será a influência das paridades orgânicas e suas interassociações, assim como as suas transduções e transdutorizações. Todos os processos estão interligados e se isolam, baseados nas experiências “positivas” ou “negativas” vivenciadas pelo ser da consciência. O ser da consciência é você consciente de si. Na sua intimidade isolada, você precisará exercitar-se para explorar a sua mente e o seu corpo. De fato, muitas considerações serão necessárias para se compreender em suas árvores de sistemas de sistemas, e matrizes de sistemas. Mas, a compreensividade não precisa ser racional. Ela pode ser entregar-se à confiança, e aprender a se localizar em seu próprio ser. Por isso, projeções daquilo que pensa devem influenciar como o seu corpo funciona. Por isso, se confia em determinada situação em seu ser. Este considerará aquilo que crê. E as transformações de informações transdutorizadas irão transferir para o organismo, em seus diversos estágios sistêmicos, para que estes, dentro de seus âmbitos de atuação, correspondam às exigências paritárias do sistema. Sendo cada célula geradora de unidades até milhares de fílens, as ressonâncias se transformam em linguagem orgânica acessível às impressões diversas, mostradas a cada instante pelo próprio oganismo. As suas funções se desenham de acordo com o que a natureza de cada estágio e de cada sistema estão aptos a dialogar. Ao mesmo tempo, suas correspondências dependem do retorno de sua consciência aos controles acessíveis de sua própria mente, e os controles acessíveis precisam ser reconhecíveis, e esta portanto é a base para a confiança e para o desenvolvimento mental corporal. Deixando bem claro que, por isso mesmo, qualquer intenção verbal-mental para si, se converte em proposta orgânica mental corporal. A abertura para os seus campos de entendimento pode ser treinada. Alguns desses treinamentos incluem diálogos mentais, corporais, baseados em uma intenção inicial. Como o exercício é frequente, desde o útero, pela influência histórica orgânica, especialmente da mãe, o treinamento da autodestrutividade pode exigir mais tempo para se conseguir convencer o organismo do contrário. Ou seja, se exercitou muito o negativo, precisará convencer a si, com mais ênfase, o contrário. E isso faz parte do processos de mentalização que estamos exercitando. Assim, passemos para mais uma parte do treinamento. Compreendamos que quando se sai com uma criança para um lugar mais longe, e na primeira esquina, a criança pergunta se já está perto de chegar, mostra a relação entre não fazer nada e querer obter resultado qualquer. Assim, vamos fazer uma parte, se for do interesse, de uma exposição específica para cada um, estando nossos irmãos acompanhando individualmente, com a permissão, se for o caso. Agradecemos.

O exercício, portanto, consiste, agora, em um passo atrás, apenas acreditar na existência das expressões dos halos de fílens. Como já dissemos, as luzes interativas são expressões de fílens. Se há a intenção de encontrá-los, eles se mostrarão. Então, guardem essa frase. Isto é você se mostrando para você. Evidentemente, muitas máscaras irão surgir, isto é, luzes baseadas nos estímulos orgânicos, sem significado. Mas, elas são diferentes dos halos de fílens. Agradecemos. Paz e Amor. Peço a permissão para a vinda de auxiliares, e estes irão se expressar com olhos abertos, se houver necessidade, ou da vontade de cada um dos seres participantes. Estes seres participantes são Ranamás especificamente convidados para auxiliar-nos nessa tarefa. Estamos com 5 deles disponíveis, que irão ajudar a explicar e, na medida do possível, identificar algo que lhe seja de necessidade para o exercício. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: … Procedimentos individuais em torno do treinamento com os Ranamás.

– – – – – – – – – – –

Grupo: Hoje eu senti aqui uma sensação forte no alto da cabeça, que eu sentia um tempo atrás. É presença dos Ranamás?

NA: A manifestação dos Ranamás não é igual para cada um, porque depende das necessidades e das propostas dos Ranamás para cada um e isto não é exposto. Eles podem estar presentes ou não. Mas, é importante que se entenda que eles estão a serviço da base do seu processo de duplinação. Paz e Amor.

Agradecemos. Ao soprarmos algumas dessas propostas, estamos buscando demonstrar algumas das ferramentas mentais acessíveis aos seres humanos Aintai. Então, dependerá de cada um para que tenha sua própria resposta dentro do âmbito de suas possibilidades. Não se pode exigir. Transfira para a vontade, busque acalmar-se, não se importe se não conseguir. Apenas espere. Compreenda, seja receptivo ou receptiva. Aceite-se! E entenda que há um privilégio em estar consigo. Esse privilégio é o de descobrir-se. Entenda que a luz do amor pode muito ajudar. E qualquer dificuldade consigo, diga para si: Paz e Amor. Paz e Amor. Pois, o seu organismo compreende. Agradecemos. Paz e Amor. As águas estão energizadas. Paz e Amor.