Paz e Amor.

Dentre as várias formas de icons, vamos realçar dois tipos, um deles, subdividido: os icons mentais e fisiológicos. Um exemplo de icon mental é o icon fi. E um exemplo de um icon fisiológico é o mater icon. Mater icon subdivide em icon orgânico e icon eletrostático. Vamos falar sobre esses três.

Os icons – a expressão correta é icon, não há o acento em i – os icons são processos de interação entre a mente silosciente, resultado de processos que selidem de Éfler, através dos seres siloscientes efléricos. Há várias formas de interação. Os icons são processos ou inscientes, quando não duplinados, ou conscientes, quando duplinados. Ou subscientes, inconscientes, ou subconscientes, quando duplinados sem consciência.  Quando os icons acontecem fora da estrutura orgânica, ou eletromagnética, portanto, no âmbito de Ídar, são chamados de icons fi. A interação mente-para-a-própria-mente manifesta-se com pouca interação, ou nenhuma interação, com a estrutura orgânica física. O processamento mental icon-fi manipula grandes quantidades de memória e pode desenvolver associações e ligações intermnemônicas, potencializando muitos processos mentais orgânicos. Dentre eles, processamentos do pensamento abstrato, processamento de lógicas complexas que exigem operadores matemáticos, processamentos de interação intra-redes neuronais, processamento no campo áurico mental, o que pode proporcionar interferências e leituras em outros campos alheios, fazendo surgir, por exemplo, insights, premonições, intuições, déjà-vus, e muitos outros processos mentais associados ou dissociados da experiência física orgânica. Uma das grandes virtudes do processamento mental ao nível dimensional de Ídar reside nas habilidades que dependem de alta velocidade de processamento de grandes quantidades de informação mnemônica, assim como de informação processada e sentida pelo próprio organismo. O desenvolvimento de habilidades relacionadas aos icons fi pelo processo consciente resulta em grande aprendizado para o desenvolvimento do ser silosciente como um todo. Os icons mater icons são subdivididos em muitas formas específicas para situações diversas. Escolhemos as duas mais comuns. Os icons magnetostáticos interagem a partir do consciente a priori, podendo ser fora da consciência também. Predominantemente acontecem a partir de processos conscientes e estabelecem relações entre a mente e campos magnetostáticos, tanto do próprio organismo, quanto de outros organismos, ou mesmo do próprio ambiente físico externo aos organismos. Muitas relações mentais reforçadas pelos icons fi são associadas aos icons mater, icons magnetostáticos. Toda a movimentação eletrostática ambiental e corporal pode ser influenciada, interpretada de maneira a criar-se interações entre a mente, consciente ou não, o organismo e o meio ambiente. Os mater icons orgânicos são interações entre a consciência e estruturas orgânicas controladas pelos sistemas diversos do organismo. Cada parte estrutural orgânica expressa âmbitos possíveis de atuação de todas as formas de icons. Cibele chegou e ele sintetizou o que explicou até aqui.

Os icons podem se perder com muita facilidade. Sua sensibilidade mnemônica depende de atualizações dos processos de memória de curta duração. E precisam se estabelecer por associação da interação consciente ou subconsciente ou inconsciente ou subsciente, criando caminhos de processos interativos, portanto, que têm como consequência o processamento autóctone auto-citado, auto-gerido, dando como resposta destes processamentos mentais em diversos níveis da estrutura orgânica. Os icons fisiológicos, de uma forma geral, processam interações a níveis mais profundos entre memória e o processamento energético celular, como já descrito várias vezes a partir de várias estruturas ou organelas celulares, como as mitocôndrias. Por exemplo, na criação de enzimas, proteínas ou códigos genéticos, especialmente nos momentos de quebras moleculares importantes para a renovação celular, para a respiração celular, para a recomposição da estrutura proteica do DNA nas transmutações entre campos fi e eletrofi do ser silosciente encapsulado, isto é, confinado ao nível dessa estrutura orgânica. O processamento de defesa celular e recomposição de estruturas moleculares em decomposição, ou em processos de mutação, que acontecem nas trocas energéticas para a composição alimentar dos ions, radicais livres e demais consequências da oxidação celular, estão relacionadas à interação dos icons fisiológicos orgânicos. Certamente, essa estrutura complexa de respiração e absorção de nutrientes, o equilíbrio homeostático, eletrostático, magnetostático intracelular, e intercelular, intraorgânico, interorgânico, mental, sensciente, demonstra o nível mais profundo da estrutura orgânica física chamada de vida. Certamente, a biologia humana deveria incluir os processos mentais para se compreender como estes determinam grande parte da atividade celular codificada também pelos fílens, pelos DNAs, RNAs, pelos RNAs transportadores, etc. onde nas suas estruturas celulares, as organelas, geram as trocas de magnésio, cálcio, potássio, etc.. e os transportes iônicos de oxigênio para serem conduzidos à criação de enzimas e proteínas, gerando suas funções orgânicas através da interação com o ser silosciente confinado. Assim, pode-se perceber que, no mínimo, a atuação da consciência alcança as transformações mais básicas e profundas do organismo físico em seus mais diversos níveis funcionais, estruturais, tanto relacionados às funções das estruturas corporais, assim como das estruturas orgânicas e suas funções, os órgãos. O processamento de todo o seu campo eletrofi, expresso tanto pelas células orgânicas em suas funções específicas, assim como grandes regiões e fluxos de fluido de campos eletromagnéticos, de trocas gasosas fisiológicas, assim como a influência mais específica neurológica cerebral no comando fisiológico orgânico resultam, pois, destas diversas formas de interação chamadas icons. Algumas dessas formas mais profundas podem ser transdutorizadas para modelos menos profundos, mas interagentes com a linguagem, porque em todos os níveis, as configurações dos processos são naturalmente resultantes de interações de icons que criam simbologia, analogia, replicação, dominação, através de fatores fisiológicos, como o Ph; físico, como a temperatura; químicos, como a aceleração e as modulações enzimáticas de processos celulares, tanto individualizados, ou regionalizados, como órgãos, ou generalizados, como inteligências sistêmicas do tipo imunológico; ou como os processos de fluxo sanguíneo que transportam hormônios de acordo com as interações orgânicas. Para o ser consciente, este pode não perceber a extensão, o alcance da intenção mental. Para isso, os processos de confiabilidade relacionados a processos de confirmação estabelecidos pelos icons gerados pela experiência do ser social desde quando é concebido no útero materno até o momento transfigurado da superconsciência, até uma semana antes da morte física, portanto, do salto sensciente para a insciência na morte física. São processos que estamos abordando, interassociando diversos fatores já descritos por nós. As interassociações se fazem necessárias em função da demonstração desta complexidade resumida nos icons, quando a complexidade orgânica e a sua interatividade objetificada pela própria mente silosciente é capaz de resumir em funções específicas que se traduzem organicamente a partir de ordens mentais simplificadas. Isto demonstra tanto a grande complexidade dos seres humanos, ou até de outros seres vivos, quanto como o poder da auto-confiança alcança o organismo físico em suas necessidades diversas inconscientes, inscientes, subconscientes, especialmente conscientes. Assim, começa a se demonstrar que, de fato, confiar em si estabelece relações físicas, fisiológicas, reativas, interativas capazes de obedecer ordens simplificadas e confiantes da própria mente. O amor é a base de todo esse processo descrito. Agradecemos. Paz e Amor.

Agradeci todos daqui e de lá presentes no encontro.

NA: Podemos dizer que há um grande número de assistentes não humanos e humanos convidados. Pois, o assunto é de interesse de todos.

Grupo: Muito grata.

NA: É necessário darmos um passo à direção da compreensão dos icons e o poder da mente.

Grupo: Fiquei lembrando da meditação silociente de 2013, quando vocês ensinaram um primeiro exercício em torno da produção do icon: tocar numa parte do corpo, e sentir uma consequência ou um efeito. Na vez passada, vendo o trabalho com xxxx e yyyy, a especificidade de cada uma, ainda que a origem fosse a mesma, o bruxismo, e a dificuldade, naquele tempo de estabelecer relações, eu pergunto: como a gente poderia desenvolver o reconhecimento da formação do icon, e das relações corpóreas desse reconhecimento? Como identificar?

NA: Agradecemos pela lembrança. Mas, o volume de informação vai aumentando na medida em que também se tornam capazes de identificar as questões, uma vez que estas, ou melhor, muitas dessas questões não se encontram no rol do desenvolvimento científico ou de outra ordem dos seres humanos. Vamos indo na medida do possível, e as várias tentativas de avançar não são cobradas de vocês, pois o amor incondicional estabelece o limite de vocês para nós. Isto é, nos limitamos apenas na medida em que a luz da consciência é capaz de absorver e sorver o conhecimento. Não temos nenhuma espécie de ansiedade em transmitir as informações ou, mesmo se houver desejo de interrompê-las, pois estamos a serviço do amor, digamos desta forma. Para que sejamos compreendidos, não é necessário compreender-nos, mas desejamos que alguma parte da informação transmitida possa gerar algum benefício para aqueles que buscarem a partir do seu próprio interesse as informações e o seu pleno desenrolar. E, à medida que se “desenrola”, se transforma em sentidos maiores, pois as próprias informações encontram-se dependentes de seus entendimentos anteriores, da mesma forma como acontece com parte do conhecimento do aprendizado humano. Ou seja, em muitos casos, pelo menos em sua maioria, é preciso saber somar antes de se aprender a dividir. Isto demonstra a estrutura essencial do amor. Primeiro, se encontra em si mesmo para que possa ser dividido. O conhecimento que trazemos depende em sua maioria de vocês mesmas. Às vezes, nos expressamos de forma mais ampla para alcançarmos o próximo passo. Às vezes, retornamos em um ciclo que propõe trazer à memória fundamentos do processo em si, como é o caso da autoconfiança e da confiança em si. Aquilo que já foi dito é a base para aquilo que estamos agora trazendo. Se antes trouxemos apenas um determinado nível, é necessário trazermos vários níveis distintos interassociados de informações à frente daqueles anteriores, por vezes, o exemplificando. Assim, digamos que nossos processos didáticos são circulares, espiralados. Exemplificando o que você perguntou. Paz e Amor.

Grupo: As minhas associações tinham algum sentido?

NA: Sempre há algum sentido associado ……. ao importante para o passo seguinte.

Sempre é importante conduzir o processo revendo de maneira a ser compreendido como parte de um processo diante do seu passo seguinte. A meditação silosciente poderia ser naquele momento a referência alvo para o desenvolvimento mental de cada um. Mas, foram necessárias transformações voltadas para outros aspectos, inclusive um aspecto básico, o da confiança. Assim sendo, não é necessário preocupação acerca do que estamos expondo. Se vocês avançarem, avançaremos. Se vocês não avançarem, não avançaremos. Compreendemos perfeitamente as dificuldades tanto coletivas quanto individuais de transformação ou mesmo outras que congelam a experiência de renovação do próprio ser diante de suas questões de sobrevivência e auto-desenvolvimento. Não pretendemos impor em nenhuma ocasião nem o ritmo nem os rumos dos processos a serem descritos porque dependem do interesse de vocês e reforçamos que estamos sempre em aberto, não cobramos em nenhuma situação além do simples e trivial que se costuma chamar de proposta. Se a proposta é de interesse, ela segue, se não, iremos buscando em vocês mesmas as necessidades dentro do âmbito de nossos interesses, que podem ser resumidos em: o amor pode contribuir para o desenvolvimento mental dos seres humanos. Interessa? Se interessa, estamos seguindo as diversas possibilidades de caminhos para que possam ir paulatinamente compreendendo, especialmente as informações que não estão disponíveis para a ciência humana ou que estão pelo menos parcialmente transfiguradas por alguma concepção política hegemônica da própria ciência humana, isso é, buscamos também dialogar com aquilo que é possível e passível de ser compreendido por vocês, sem especialização nas áreas que estamos expondo. Certamente, não iremos expor tão além a ponto de desfigurar o conhecimento humano. Estamos sob um regime de liberdade do amor incondicional, que determina que o nosso limite é também baseado no limite de vocês. Por isso, nos limitamos sem distinção ou com o máximo de cuidado para que o limite seja a própria expressão desse interesse. Por isso, sempre agradecemos. Paz e Amor.

xxxxx

Paz e Amor. Ao que se segue, todos os seres podem confiar em suas próprias luzes. As suas luzes são as luzes do amor que se tornam capazes de perpassar além de si mesmos, alcançando aos outros e a própria vida de uma forma generalizada. Certamente, depende de cada um, depende de suas ações para consigo mesmos e para com os outros. A vida, como se compreende, pode ser acessível ou pode não se compreender, se tornando distante de si mesmas, pois são expressões da vida. Quando se diz ‘da vida’, é com a participação do seu limitado ou ilimitado âmbito de compreensão. Âmbito de noção, âmbito de ação, à luz do amor. Agradecemos. Paz e Amor. Paz e Amor.