.

Paz e Amor.

.

A expressão Limbo diz respeito a uma margem limite – limite de compreensão, assim como limite de expressão. O limbo pode ser representado em diversos estágios do processo consciencial que está relacionado à insciência siloeflérica que originalmente exalça de Éfler, transmitindo para o ambiente físico e perpassando algumas dimensões físicas, como a dimensão de Ídar. Esse processo denominado de ressonância selidente transfere para o ambiente físico processos de memória – de uma forma não possível de ser explicada no momento – exalçadas de Éfler. Éfler é uma designação do chamado Radash que em termos de semelhança comparamos com as dimensões físicas. Não iremos repetir as questões sobre Éfler, mas, que as ressonâncias selidentes que são consideradas como um marco de superação de trilhões de seres que surgem de Éfler por um processo de vibração nanogravitacional já citado, transferindo a essência dimensional física existencial Kalamatsana, chamada aqui como Limite Iutch. Como já descrito já há algum tempo, a ressonância selidente exalça restis, que são abstâncias efléricas convertidas em “substâncias físicas”. O ser transfere, portanto, a sua vibração a partir dos seus fluxos interação, chamados de FI. Esses fluxos são exalções siloefléricas em forma de vibrações nanogravitacionais que entram em ressonância com padrões eletromagnéticos, formando os processos eletrofi e campos fi, elegromagnéticos. A humanidade ainda não compreendeu esses processos de ressonância, mas aproxima-se quando experimenta compreender as chamadas energias escuras, assim como a chamada matéria escura. Sigamos em frente. Parte da energia de exalção e depleção que acontece nos limites Iutches, é chamada de processos mnemônicos, porque traz em todo seu limbo desenhos inscritos por essas interações energéticas, memórias de outros entendimentos. Ou melhor, de outras Kalamatsanas. O ser Intai surge desse processo chamado de insciencial, que é a partir de sua interação – a interação multidimensional em que se consegue, através dessas ressonâncias selidentes, criar anteparos físicos complexos em que se dá o nome de espírito. Eles expressam toda a sua experiência e habilidades aprendidas através de milhões de anos de experiência, desde que traçaram os seus “destinos” para os universos materiais. Os “espíritos”, os seres Intai, são expressões orientadas no universo físico autosciente, ou melhor, insciente, daquilo que se possa considerar como domínio de si, diante dos recursos que tal processo de transferência bem sucedido se converte em expressão consciente “insciente” do mundo físico, se sujeitando às leis das dimensões que formam seus ambientes. Por exemplo, é bem “antiga” a noção do Mágnem, como linhas de transmissão de campos eletromagnéticos gerados pelos processos inscientes siloefléricos, eletrofi e eletromagnéticos. Desta forma, os “corredores” de Mágnem proporcionam viagens dimensionais para os seres Intai. Assim, o Limbo Iutch consiste de processos de interação das “figuras” inscienciais que se expressam em direções tridimensionais ou polidimensionais, dependendo de suas características e de suas formas e nível de desenvolvimento. O tempo físico para os seres Intai é absolutamente desproporcional com a noção de tempo dos seres em estado de experiência física, a duplinação. Então, frequentemente, a humanidade vive a presença de “levas” diferentes de seres Intai com desenvolvimentos diferentes, trazendo para o horizonte físico graus variados de conflito de experiência física. A estrutura biológica humana, para nós, para não fazer o conflito frontal com o conhecimento humano, não foi desenvolvida neste planeta, mas, em outros, inclusive em dimensões físicas diferentes. Todas as dimensões carregam designações específicas de muitos significados e de experimentações e subjugações advindas das diferenças de desenvolvimento entre os seres. A humanidade apresenta-se dominada por pelo menos uma centena de níveis de desenvolvimento relevantes para a sua totalidade exercer transformações em seus limbos Iutch e outros. Os limbos representam limites de todas as esferas da compreensão insciencial e dos alcances possíveis para a consciência em seu projeto final, chamado de duplinação, por nós. Os espíritos apresentam, portanto, uma mobilidade e uma espécie de halo que é o halo insciente. O halo insciente é a expressão de que o ser compreende o seu status atual, de alcance insciencial. Ou seja, ele sabe quem é, onde está, o que está fazendo, etc.. Ele possui noções que devem variar de acordo com a sua experiência física dimensional. Originalmente, bilhões de anos atrás, considerando-se a referência de tempo humana, trilhões de seres migraram de forma multidimensional, de toda forma possível, para o ambiente cósmico conhecido como Universo. Todas as revoluções estrelares que aconteceram e estão acontecendo são compatíveis com as suas experiências físicas encontradas em milhões e milhões de “locais” deste espaço sideral físico. As distâncias físicas são superadas pelas deformações do espaço-tempo que trazem aproximações possíveis para os campos de Mágnem, que são jogados de um lado para o outro, em grandes quantidades, a partir das emissões de explosões superatômicas e de diversos outros processos estrelares, formando imensos bolsões de ambientes eletromagnéticos, eletrofi, e outros que não vêm, no momento, ao caso. Grande parte da esfera criada pelos seres proximais desta galáxia conseguiu reunir esforços confrontando com muitos outros que viveram a experiência em grandes grupos de seres desorientados. O que ainda acontece. Parte da experiência desses seres foi re-orientada por outras presenças de grande desenvolvimento, proporcionando um certo isolamento para a experiência humana e de outros, que não serão citados. A interseção entre esses “universos” sempre deflagra relações ainda desconhecidas da humanidade. Mas, outra parte menos comprometida se expressa com grande frequência na dimensão humana, inclusive, se propondo miscigenações e outros experimentos. O campo de Mágnem , espiritual, funciona, assim, como ambientes diversos, que proporcionam proteção e orientação aos diversos níveis de desenvolvimento insciencial. O ser espiritual mais frequente da experiência humana apresenta-se com desenvolvimento desigual de suas habilidades, revelando-se vulnerável em relação aos aspectos mais expostos de sua energia consciencial, como é o caso das questões emocionais e da turbulenta insegurança advinda do conflito frontal de suas raízes, na experiência terrestre. A humanidade busca um caminho de libertação. Esse caminho ainda encontra-se turvo porque se repetem padrões de estagnação, de auto-extirpação, trazendo insegurança para a maioria dos seres humanos. A expressão do sofrimento se aprofunda, causando sequelas absolutamente desiguais entre os seres que já se transformaram anteriormente com as mesmas prerrogativas. Normalmente, uma parte dos seres que se encontram como espíritos ainda tende a fazer suas duplinações dependentes de melhoras em suas habilidades de consciência. Uma parte significativa dos seres mais recentes traz inabilidades para lidar com a experiência coletiva. Mas, ao mesmo tempo, se limitam a grandes espectros de dificuldade existencial. Provavelmente, esses seres serão levados, em determinado momento, desta experiência para locais mais abruptos e limitadores de sua expressão física. Muitos outros trazem suas referências de limite Iutch mais ponderáveis para a consciência atual. Esses têm maior capacidade de compreender as referências do amor. O amor precisa ser uma ferramenta de orientação para grande parte dos seres espirituais duplinados, para que possam se desvencilhar de dependências anteriores e buscarem alçadas mais significativas para o esforço de suas duplinações. Os seres Intai são capazes portanto de se movimentarem nos campos de Mágnem e até na estrutura eletromagnética formada pelas expressões estrelares, como no caso do Sol, iluminador do planeta Terra. Os níveis das emissões tendem a expressar a idade da estrela, que alcança proximamente o seu ápice. Certamente, no tempo terrestre humano insignificantemente proporcional ao tempo da vida celular. Isto quer dizer que o tempo de uma vida humana é pouco significativo em relação ao tempo de existência da estrela, evidentemente, largamente conhecida da ciência humana. Mas, a experiência Intai, não. Ela é compatível com as transformações da estrela. As rotas se projetam no horizonte Kalamatsana de maneira a refletirem em seu microtempo experimental de cada duplinação. Os alcances são possibilidades que estão expressos e desenhados especificamente nos limbos Iutch.

No próximo encontro, iremos abordar outros limbos que demonstram a experiência Intai, como ela se dá a partir da necessidade de sua duplinação. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: Entendi que na experiência Intai, a noção de tempo é bastante distinta da Aintai. É isso?

NA: O tempo processado no organismo físico apreende grande parte da limitação das noções e dos conjuntos de compreensão do seu movimento. Os seres Intai não possuem tal questão. O tempo ligado aos campos de Mágnem e eletromagnético e de suas interações eletrofi pode expressar para suas consciências, insciências, grande variabilidade. Portanto, diferentes. Mas, é uma habilidade possível localizar-se neste tempo quanto possível enquadrá-los, encaixá-los na experiência física dos irmãos Aintai.

Grupo: Para o chamado perispírito, haveria mais aproximação da percepção de tempo dos Aintai? Outra questão: é por isso que sempre sinto uma certa angústia quando pergunto como está minha mãe – quase 3 anos que deduplinou – e ela continua em tratamento. Para ela, é outra relação de tempo.

NA: Há diferenças substanciais, em que na maioria das vezes não é possível comparar. Num tempo Intai, a “velocidade” baseada no movimento é baseada em movimentos de campos eletromagnéticos, às vezes, próximos da velocidade da luz então não há parâmetro para comparação. Mas, às vezes, os processos inscientes interdependem de instâncias físicas localizáveis, dando referências mais estáveis para os seres Aintai, em diálogo com os seres Intai, com os espíritos. As dilatações do tempo são frequentes e criam grandes distorções, sendo normalmente aproximados para que tragam referências mais próximas de uma realidade duplinada, no caso de comunicações entre espíritos e duplinados.

——————————

Atendimentos

——————————

NA: Muitas vezes, se busca o conforto e a compreensão daqueles que deduplinam. Para todos é uma experiência nova. Às vezes, de dor, às vezes de compreensão. Quando a dor esmaece a compreensão, é preciso ponderar em seu ser que um dia estará neste caminho. Prepare-se por meio da luz do seu amor. As permanências no mundo físico são tão breves quanto significativas. Verás que estarás melhor do que antes. Independentemente do que tenha acontecido. Isto é garantido pela expressão de amor existente em cada um. Paz e Amor.

Continuemos em busca de compreensões mais profundas e possíveis. Pois, às vezes, quando muito se busca e a realidade não demonstra, a fantasia se avantaja, recriando algumas noções. Mas, isto é só um sintoma da presença da força de sua consciência. A luz do amor é a compreensão de que algo segue o seu caminho buscando o melhor. O melhor  não está escrito, ele é sentido e construído aí mesmo, no seu caminho. Paz e Amor. Paz e Amor. Assim seja a luz do amor.