Encontro Semanal

Sistemas de paridade humanos

Paz e Amor.

De uma forma geral, os seres vivos, na concepção humana, neste planeta, têm sistemas de paridade muito semelhantes. Mas, são numerosas formas de diálogo mente-corpo, corpo-mente, corpo-corpo e mente-ambiente e corpo-ambiente. A paridade, no sentido genérico, é o contato entre sistemas de comunicação reativos entre si, de maneira a atestarem o efeito resultante deste contato. A paridade é apenas o resultado de confirmação. Pode atestar ciclos, outros sistemas, processos, estados, contatos, etc.. Podem ser resultado de sistemas de PH entre sistemas diferentes; ou pode ser resultado de diferenças químicas baseadas em diferentes temperaturas, dependendo do que é importante; ou as ligações químicas, se é o que importa como resposta dos sistemas de paridade; ou se são sistemas de ressonância gerados por substâncias ou em resposta a processos mais complexos, como os processos exigidos e coordenados pelas proteínas, ou ainda por órgãos, por sistemas, ou mesmo, pela relação com o ambiente físico; como na respiração (a diferença de pressão pode estabelecer vínculo com a taxa de oxigênio ou com CO2 na corrente sanguínea); ou as formas de transformação dos açúcares em ATPs dentro das cristas mitocondriais, ou mesmo, ainda, todo o sistema de interpretação das resultantes endócrinas e as leituras das emoções, do sistema límbico, ou até as interpretações sensoriais, as avaliações do equilíbrio de substâncias, de tensões avaliadas por proteínas ou as reações de defesa imunológica altamente especializadas na identificação de diferenças baseadas ainda em proteínas ou em sistemas diversos. Portanto, apenas para citar alguns, são centenas de processos de comparação de encaixe de medidas, gerando parâmetros, saturação, permeabilidade. Todos são sistemas de paridade e intercâmbio silosciente, pois registram mnemonicamente, fazendo com que os sistemas lembrem e interassociem processos de sistemas de sistemas matriciais. Toda a complexidade não precisa ser descrita porque a própria natureza se encarrega de conduzir a lógica orgânica e sua interatividade com os silos mnemônicos gerados, intercambiados pelos fílens, dotando o sistema de capacidade dialógica. Isto é, de alta comunicabilidade entre ação e reação e pergunta e resposta, viabilizando o poder de adaptação do ser duplinado ao organismo aprendiz, em que suas habilidades máximas relacionam-se à capacidade de dar respostas em centenas de formas comparativas, multi-comparativas, poli-comparativas, pois geram árvores de relações lógico-matemáticas aprendidas pela via intercambial mente-corpo, corpo-organismo, e seus sistemas. Assim, as diversas formas dos sistemas de paridade interferem e causam reações, interferências, processos em cadeia, formatações, até armazenamentos de toda espécie de substâncias, de informações, como os sistemas proteicos diversos, centenas, milhares, gerando substâncias especificamente para cada necessidade e suas chaves, que trancam e destrancam, abrem canais, portas, entradas, dando respostas, confirmando, a todo instante, toda espécie de relação advinda dos eixos conscienciais, assim como da autonomia orgânica alcançada a cada instante, quando a interação da mente se propaga de forma generalizada, de acordo com o seu próprio sistema. Desta forma, cada ser é único. E as suas habilidades experimentadas podem ser transferidas para os genes, recriando novas possibilidades, reformando suas capacidades de criar a ilusão que faz dos seres, seres conscientes. Portanto, a consciência se mostra como um resultado de milhares de interações sopradas pela natureza complexa das relações que criam o organismo, em resposta e em equilíbrio com a alma duplinada, assim como em resposta e em equilíbrio com o meio ambiente, também de forma generalizada. Então, dentre tais centenas de formas de paridade, algumas são especialmente acessíveis e relacionadas à consciência por fazerem parte, inclusive, de sua própria formação, gerando reflexos diversos, pessoais, específicos, mas genericamente parecidos entre cada uma das espécies de seres vivos, desde os procariontes, vírus e algumas bactérias que se transformam em agentes expressivos coadjuvantes e até destrutores, até em guerras siderais, quando as trocas dos sistemas são mais importantes do que a sobrevivência em si. Mesmo assim, as diferenças entre os sistemas são relevantes a ponto de se expressarem em suas resultantes de comunicação, de forma diferenciada. Mas, em nosso momento, os sistemas de paridade são expressos através das interferências siloscientes dos fílens, dos campos visuais, das atividades neuronais, assim como dos sistemas endócrinos e de campos que geram fluxos elétricos e de fluxos de interação que geram interatividade eletrofi, que são a base dos centros de energias, os chamados chakras. E, em conjunto com os fílens, geram campos extensos e complexos multidimensionais mnemônicos, e de ação específica em todo o organismo. Um exemplo de tais interferências são as chamadas luzes de interação, que são reflexos de ressonâncias de fílens em ações de paridade, em trânsitos paritários, somando em pontas de interatividade mente-corpo, corpo-organismo, organismo-corpo, corpo-mente, mente-organismo, organismo-mente. Apenas as combinações básicas de interação entre organismo e corpo e mente. Mas, então é possível que se compreenda que tais “luzes de interação” são portais orgânicos para dar a ideia de que se acessam reações de toda espécie do organismo e conscientemente se possa influenciá-las. Da mesma forma que se diz uma palavra e cuja resultante gera em você uma determinada ação, toda a complexidade dessa ação é espelhada na simplicidade da sua reação. Por exemplo: “Vá!” Você levanta e vai. Para onde? Já está implícito em tudo o que acontece, no momento em que o sistema de paridade relaciona tudo da memória que se liga ao ‘Vá’ sonoro transmitido, recebido e reagido. As luzes de interação carregam alta sensibilidade, reativa e interativa. E assim como a linguagem, é capaz de interpretar, por si, localizando no próprio organismo aquilo que se pede. Como a autonomia da sua consciência em equilibrar um determinado objeto em seus dedos, as noções íntimas dos sistemas de paridade são altamente complexas e sofisticadas o suficiente para obedecerem à ordem. Por exemplo, “Cure-me!” Ao dizer “Cure-me!”, os sistemas diversos perguntam: “Qual o nível de certeza desta ordem?” Esta é a primeira frente do sistema. Quando a certeza é 100%, ele certamente irá obedecer. Mas, na natureza orgânica, não existe exatamente 100%, pois ela oscila. Então, acima de um determinado nível, o sistema irá aceitar e irá agir de acordo com a ordem evocada. Essas respostas dependem, portanto, da veracidade gerada pela própria mente, e isto é o cotidiano orgânico. De veracidade em veracidade, há inseguranças, ambiguidades e erros. Então, apesar de haver erros, o organismo funciona com os erros, gerando novas possibilidades, assim como novas formas de confirmação, novas formas de paridade. Ao encontrarem os fluxos de paridade, gerados pelas interferências dos fílens em sua mente, estás diante de si próprio ou de si própria, estás diante da linguagem do seu sistema, ou das suas centenas de formas de comunicação orgânica e mental. Esta é a possibilidade que damos o nome de icon. O icon é uma relação estabelecida pela consciência, quando adquire controle em observar e comunicar. Não é um exercício muito comum dos seres humanos, mas acontece com muitos seres humanos. Mas, é um exercício treinado por outros seres, como, por exemplo, as plantas. Há muitas espécies que desenvolvem um plano mental capaz de se comunicar, de se expressar pela linguagem dos seus próprios sistemas. Essas informações ainda são distantes do conhecimento humano. Mas, interessa, portanto, que, em você, isso pode acontecer. Você pode comunicar-se consigo, dialogar com os seus problemas orgânicos, ampliar a ação das substâncias que conseguir identificar em seu sistema, liberando e contribuindo com o diálogo intra-mental-orgânico. Não é uma façanha, é apenas algo que a maioria dos seres humanos não aprendeu. Mas, é possível porque há, do próprio organismo, uma grande abertura e sensibilidade reativa, bastando pouco tempo de treinamento para conseguir as identificações básicas em sua mente ainda, por vezes, escura. Então, é possível fazer esses treinamentos. É o que estamos propondo com alguns exercícios iniciais de sensibilização, de auto-localização de auto-entendimento, de autoconfiança, de autodescoberta, de auto-ampliação. Algo entre a sua consciência e o seu corpo, e as reações do seu corpo, do seu organismo. Tenha confiança, ou melhor, a confiança de que o seu organismo entenderá o que você busca. Entenderá o que você pergunta, e terá alguma dificuldade em transformar este entendimento em resposta. Mas, podes treinar de diversas formas. Através da respiração, através do equilíbrio corporal, através da identificação dos sons, através da interpretação das cores, através da interpretação dos gostos, do tato, mas, também, através da intuição, através do sentimento, das emoções. Pergunte para si, em seu ser, porque sim, porque não, porque isso, porque aquilo. Podemos fazer uso de instrumentos que possam proporcionar respostas subconscientes, como é o caso dos pêndulos. Podemos usar instrumentos que interajam com a sensibilidade entre as auras, entre os fílens, através de dual rods, que são aquelas varetas, e outros instrumentos da conhecida radiestesia, apenas porque lidam com o seu ser, com os seres sentidos, com os seus sentimentos, com a sua afetividade, pois a “inteligência” está muito mais na capacidade de conseguir respostas paritárias e entendê-las. A mente é tão presente e física quanto o corpo. Primeiramente, porque é uma vibração eletromagnética e eletrofi, mas também uma vibração orgânica presente em todo o seu ser físico. E, portanto, em harmonia, encaixada em seu ser corporal e pode alcançar novas formas de clarividência, ou seja, de esclarecimento sensorial. A insistência é a confirmação, pois, sem a paridade, confirmar como? O que? Quando? A confirmação resulta em consciência no ser duplinado, em seu organismo físico. E o equilíbrio pode ser compreendido como o alcance e a compreensão. A compreensão do amor. Agradecemos, Paz e Amor. Paz e Amor. Antes de prosseguirmos com os exercícios que nossos irmãos visitantes irão participar, estamos abertos a alguma pergunta. Agradecemos.

Grupo: Desde que você falou, em algumas reuniões atrás, nos primeiros exercícios, tentar ter imagens mentais no primeiro e segundo nível, e fazer sons, e tudo mais, eu tenho experimentado o som mais profundamente e tenho cantado notas diferentes, e cada nota tem vibrado partes diferentes do meu corpo, quanto mais grave, mais baixo do corpo vibra. Isso é uma forma de construir uma paridade corpo-corpo? O que significa?

NA: As ressonâncias estão encaixadas. A voz que sai de vibrações do próprio organismo irá gerar frequências próximas ao organismo e elas ainda geram tanto sub-harmônicos, quanto ultra-harmônicos, que estão em ressonância com instâncias vibratórias de vibração maiores. O organismo vibra como um todo porque é constituído de estruturas que se ligam de diversas maneiras. Mas, grande parte das microestruturas também têm micro-nano-estruturas, como os chamados citoesqueletos, que já falamos. As estruturas, portanto, estão em acordo, e têm grande facilidade de se reconhecerem pelas vibrações de diversos tipos e, especialmente, os sons. Portanto, pesquise em seu ser, aprenda a identificar as partes que estão em ressonância com determinadas frequências, e estude-as. Muito bem. Agradecemos.

Grupo: Você citou o pêndulo. Eu tenho um cromático, que fala a cor da pessoa. Essa cor é predominância da cor da aura?

NA: Isso depende de quem está usando o instrumento, mentalizando o que, por quê. A resposta do pêndulo não é por algum tipo de expressão de radiação em si, mas pela expressão subconsciente ou inconsciente de quem manipula com isenção. Em determinado momento, poderemos convidar alguns para demonstrar.

Grupo: Agradeço.

NA: Igualmente agradecemos.

Grupo: NA, eu queria agradecer pela viagem muito boa, com tudo tendo fluído muito bem, confiante. E queria agradecer pela saúde da xxx, e que continuem acompanhando.

NA: Igualmente agradecemos, estamos acompanhando.

Grupo: Queria agradecer também porque pedi e deu tudo certo.

NA: Vamos então prosseguir. Peço que cada um, se houver, apanhe um ímã. Ponha o ímã no chão entre os pés. Podemos fazer a seguintes questões: primeiro, peço  a permissão para a participação específica de um de nós que irá ou não expressar de olhos abertos, considerando que ele enxerga apenas os campos eletromagnéticos e eletrofis. Ele não enxerga, como vocês, os campos mais densos da estrutura molecular, mas apenas os campos eletromagnéticos e eletrofis. Talvez seja necessário de explicar alguma coisa a respeito. Não haverá modulação de voz. Paz e Amor.

Outro: Ponham o ímã, à frente, no chão. Fechem os olhos. Sentados, fechem os olhos. Inspirem e expirem lentamente. Vou fazer uma pequena interferência para equilibrar o campo de cada um de vocês. Paz e Amor. (procedimentos) Inspirem e expirem lentamente mais profundamente. Abra as mãos para cima, na altura do peito, virada em um ângulo de 45 graus entre as mãos. Foi passando em cada um, consertando o ângulo das mãos, e mostrando, agitando os dedos dele mais ou menos à frente de cada um, entre as mãos, dizendo: aqui tem um fluxo de ressonância. Tentem encontrar alguma resposta mental para ele. Qualquer tipo de reação é possível. Esfregou as mãos de todos. Falou que havia um visitante no banco em que normalmente fica sentado, e atuou nele também, falando em inglês com ele. Agora vou colocar as mãos em determinados pontos – e procure ver que reação possa ter na luminosidade, ou na pressão nos ouvidos, ou na sensação tátil na mão: luminosidade, reação nos ouvidos e pressão tátil sutil nas mãos, ou os três, ou os dois, ou como acontecer. Passou de novo em cada um, e tocou em nossa testa. Não entendi algumas falas, mas ele pediu que passasse as mãos na altura dos ouvidos e olhos … ver reação de luz e sombra… pressão, ouvidos,.. de olhos fechados. Coloque as mãos perto dos ouvidos, e veja reação de luz e sombra. Em inglês. Inspirem, não abram os olhos, ponham as mãos no colo, cruzem os dedos das mãos. Paz e Amor. Não abram os olhos. Podem comentar de olhos fechados, por favor.

Grupo 1: Eu tive várias reações. Enxerguei em primeiro lugar, como se fosse um canal, um túnel, primeira vez que enxerguei isso assim, com uma distância na frente, depois quando você tocou na minha testa, a cor mudou, mudou para um azul. E quando fiz os movimentos na orelha, foi uma coisa muito engraçado porque senti a pressão no ouvido, senti um campo tridimensional saindo de um ouvido, passando pela frente e indo até o outro, e senti mais pressionado também, engraçado.

Grupo 2: Antes de tocar a testa, eu estava sentindo as mãos puxando, uma à outra, quando respirava fundo, puxava mais ainda, e quando tocou a testa, parei de sentir e foi diminuindo, parei de sentir elas puxando, e quando fiz o movimento das mãos perto dos ouvidos, eu só via sombra, aí parece que vi a sombra da minha mão, e tudo preto, e a sensação de três dimensões, igual aqueles pinos que você coloca e fica a forma de sua mão, em 3D. Mais ou menos isso, tudo preto e aí a mão meio que avançando num tom mais cinza claro, não percebi pressão no ouvido, mas quando eu passava as mãos mais perto dos olhos, eu sentia, não sei se havia uma pessoa…

Grupo 3: Senti semelhante a ela, no início as mãos como se fosse um campo energético entre as mãos, depois quando tocou a testa, senti alguns pontos luminosos, azuis, depois lilás. E essa sensação do campo entre as mãos surgiu ainda, e no mexer as mãos, afastar… senti pressão nos ouvidos.

Grupo 4: eu também, semelhante à dela, e tive uma sensação de balanço, que eu estou até agora no corpo. Um campo muito forte entre as mãos, e eu fiquei um tempo de olhos abertos também, enxergando filetes de luz.

Outro: Muito bem.

Grupo 5: Eu senti um campo muito forte entre as mãos, e eu nunca vi tanta luz na minha vida. Eram filetes, e depois eles viravam uma luz mais forte, e ás vezes parecia um caleidoscópio, como se fossem várias manifestações de luz e tomando várias formas. Eu estou até emocionada. Senti um zumbido no ouvido, como se fosse um grilo cantando na minha cabeça, e no movimentar das mãos, as luzes também modificavam e depois dessa sensação dos ouvidos, foi como se a minha cabeça piasse (?). Eu perdi a dimensão física da cabeça. Como se tivesse virado o universo, senti uma amplidão, uma liberdade, uma coisa assim, como se eu tivesse perdido a cabeça física, e tivesse ficado com o universo, assim. Sensação muito diferente de tudo que já tive até hoje.

Outro: Muito bem.

Grupo 7: Minha sensação com as mãos no ângulo, principalmente na mão direita, tinha uma pressão desde o começo, e sempre ela voltava como se quisesse mudar a posição da minha mão. Tinha uma movimentação mental muito grande, tridimensional, como se houvesse crateras, com pontos de luz, às vezes  definindo na cor mais rosa, mas não se definindo. As mãos na cabeça uma pressão maior nos ouvidos, uma sensação de um campo que era amortecido em torno principalmente dos ouvidos, na aproximação dos ouvidos.

Outro: Muito bem.

Grupo: Complementando, senti o zumbido no ouvido, como se fosse um pulsar. Na medida em que eu passava a mão no ouvido, o campo tridimensional se formou e ia dançando conforme a mão ia passando.

Outro: Muito bem. Vamos continuar. Apanhem o ímã. Com a mão esquerda, coloque o ímã no ponto da testa que foi tocada. Tire. Mantenha os olhos fechados. Procure observar. Ele foi passando em cada um, dizendo que o campo da pessoa havia aumentado, alguns em ¼, outros em 1/3. Esse aumento do campo é sutil e vai acontecer sempre, se você fizer alguma mentalização. Qualquer tipo de mentalização altera o campo eletromagnético e ele tende a uma vibração mais lenta. A vibração resultante de vocês está perto de três ciclos por minuto, e é uma vibração muito boa, e propícia para bons pensamentos. É uma vibração considerada bem abaixo dos ciclos que se podem registrar por aparelhagens. Agradecemos. Paz e Amor. Com isso, os centros de energia já equilibraram, de todos vocês. Agradecemos. Paz e Amor.

NA: Paz e Amor. Paz e Amor. Sempre haverá formas distintas de cada um lidar consigo próprio, ou consigo própria. É importante que considere em seu ser novas formas de se perceber, pois a mente não é apenas aquilo que se apresenta em seu cotidiano. Então, aceitem-se com naturalidade, reflitam com leveza, buscando compreender aquilo que se considera certo ou errado, pois isso é subjetivo. Mas, há o outro, então é importante sempre que se avalie com leveza, com respeito, e com amor. O amor incondicional, uma chave para encontrar a si. Agradecemos.

Paz e Amor.