Encontro Semanal

Tchalacnarávi

.

Paz e Amor.

.

Há sempre um mínimo em cada um. Este mínimo não é corporal. É um mínimo de consideração. Este mínimo é consciencial. Há muito mais neste mínimo, porque é um caminho. Cada um tem o seu caminho, e não é só uma escolha. As escolhas pertencem à consciência corporal. Tchalacnarávi é uma porção da consciência necessária para o auto-reconhecimento paritário. É a partir deste mínimo que a consciência se constrói a partir do corpo. Sem o corpo, não haverá nenhuma consciência. Então, há três momentos físicos, fisiológicos e mentais encadeados pelo eixo insciencial, para revelar e desencadear a consciência a partir da experiência corporal. Esses três momentos são antes de dormir, antes de acordar, antes de morrer. Esses momentos representam, portanto, um mínimo que a mente insciencial, formada pela experiência corporal no ser duplinado, revela para si, nas ações inconscientes do eixo insciencial, a sua consciência. Então, você é consciente agora por causa desse mínimo que está em seu ser. E é preciso vislumbrá-lo não a partir do seu nome, mas a partir do que você crê. Quando combinamos coisas com seres ainda Intai, eles não querem em grande maioria vir para a experiência corporal. Há muito medo, porque se conhece como a consciência precisa se desenvolver e encontrar os seus momentos específicos para tornar-se consciente, desde o nascimento e todos os dias, dormindo e acordando, vindo de horizontes mais amplos não conscientes. E tendo o mínimo para formar a consciência. Esses âmbitos da consciência têm muitos reflexos nas reações de todas as pessoas, como a insegurança e o medo, porque ter consciência para o organismo físico é muito dispendioso. E mais dispendioso ainda, as consequências de se ter mais consciência. Então, esses aspectos da consciência são entrecortados, descontínuos e auto-destrutivos, formando pelos fílens campos de auto-gestão egóica, para formar uma proteção de si próprio. Essas raízes fugidias de si causam perdas de memória, interrupções na consciência. E, de forma oposta, selam mais ainda os alcances do confinamento da duplinação. Então, os fluxos de iluminação orgânica são de extrema importância para o equilíbrio e os fluxos de toda espécie de líquidos, de campos eletromagnéticos, de reações bioquímicas, coisas do corpo, mas, em especial, as sintonias dos sistemas dos sistemas matriciais de paridade, que gastam muita energia e formam uma rede razoavelmente complexa para administrar as interrupções causadas por esses mínimos, que nada mais são do que resultados daquilo que forma efetivamente a sua consciência. Como essas questões são muito complexas, principalmente pela falta da informação humana a respeito de certos parâmetros que lidamos, temos que ir por parte, apresentando cada questão. Fui solicitado para falar sobre isso, porque diz respeito à formação de combinação entre os Intai e os Ranamás, e esta construção efetivamente deve acontecer na vida prática de cada um. Não adianta muito explicarmos esses processos pois são muito individualizados. Ao mesmo tempo, voltados para um sucesso coletivizador. Verdadeiramente, podemos suspeitar previamente das habilidades humanas no momento do seu desenvolvimento, pois grande parte tende a menosprezar a si, desviando-se de seus suirsomas. De forma cautelosa, cautelosa quer dizer meticulosamente, respeitosamente, temos que seguir cada passo de cada um. Na vida prática, é tudo muito simples. Cada um deve saber de si. Seguir vivendo, simplesmente, mas frequentemente se desviam de suas naturais supostas trajetórias. Ao trazermos para a consciência algo do mundo mental não consciente humano, nos faz crer que se proporciona saber de si um pouco mais para confiar em si. A confiança é tão especificamente própria de cada um, que não pode ser ensinada. Ela precisa ser descoberta. Então, tentamos muitas técnicas para ajudar as descobertas, de maneiras diversas, porque cada um é quem sabe de si. Essa entrega da natureza humana para si é também uma grande virtude, porque o que se entrega é o que se é para si, dependendo da sua consideração de si, e este é o mínimo. Saber de si é uma coisa distante de crer em si. E este distanciamento é causado pela diferença entre Intai você e Aintai você. O seu ser é diferente do seu ser porque um sabe e outro não. Você não sabe de si, Aintai. Você sabe de si, Intai. Este saber Intai é difuso e o saber Aintai precisa ser corporalizado. Corporificado, materializado. Por isso, as realizações criativas se estendem ao objeto pessoal mental de auto-consideração. Fazer existir. Fazer alcançar. As referências para o ser dotam este ser de processos siloscientes. Isto é, de memória armazenável, registrada em organismo físico, de maneira que possa ser projetada pelas interfaces mente-organismo, que geram projeções nas dimensões de Ídar. Então, é importante considerar que a todo momento, você pode buscar confiar e entender o que é a confiança em sua experiência de vida. Ao mesmo tempo, pode exercitar este trânsito consciencial nos momentos sutis de entredormir, entreacordar, e no momento crucial, que não será abordado no momento, que já falamos sobre superconsciência, que é um momento de transição da consciência com os processos inscienciais da retomada do ser Aintai em Intai.

 

Muitos exercícios relacionam movimentos corporais com a descoberta de processos mentais. Muitas vezes dependem de confiança. Este aprendizado é para cada um, cada um do seu jeito, cada um dependendo e dependente de suas próprias idiossincrasias.

Paz e Amor. Paz e Amor.

NA – Acho que o gato comeu a língua.

Grupo

Agradecer, feliz em ouvir o Ranamás.  Estou vivendo um processo de somatização. Gostaria de saber se esse processo tem a ver com o medo e dificuldade da duplinação, e como se relaciona com o processo de paridade e o acordo feito com meu Ranamás.

NA – Tudo tem a ver com aquilo que sente, com aquilo que percebe de si, mas não se pode dizer que você está revelando o que você combinou. Ao mesmo tempo, não é preciso nenhum peso para compensar se queria ou não vir.  Porque o próprio peso, já é compensado pela experiência de viver cada um, de cada uma.

Mas não se pode exigir nem de si, nem dos outros, por isso a vida é, simplesmente a vida. Aparentemente tão frágil, profundamente tão forte.

Aceitar ou não, não é uma dúvida, mas uma insegurança, pois se aqui está é porque aceitou, não veio à força. Por outro lado, se o corpo manifesta algo é porque algo se relaciona ao que o corpo percebe e pode corrigir. A ação do corpo é uma ação compensatória, ele tenta resolver o seu problema. Pois, afinal, estás confinado pelo corpo,  para que este – discordamos desta expressão – este “instrumento”, é o seu ser, e nele residem segredos da sua experiência futura, assim como segredos não revelados das experiências passadas. Então se é “um instrumento”, que produza em si com fidelidade e com amor, aquilo que precisas. Ele diz, ele diz pra você e você sabe, você pode saber o que ele diz, mas não pode negá-lo, porque é você, pode amá-lo porque é você, pode respeitá-lo porque é você, pode dominá-lo porque é você, assim como precisa crer nele, porque é você. Sempre procura um desvio da racionalidade, de tal maneira que não se crê nem se justifica para si mesmo. Apenas ame, apenas fortaleça-o e crie para si as referências com amor. Tente transformar as chagas em flores por meio do amor, elas se transformarão. Olhe com o coração sério e defina: ‘não quero isto, quero aquilo; não sou isto, sou aquilo, aquilo que confio ser, aquilo que acredito ser, aquilo que quero ser’. A dor tenta demonstrar. O sofrimento faz iludir porque não é complacente, é indiferente, pois, é resultado de não confiança. Mas, ainda assim ame, porque o amor é o sucesso da flor, como referência do sucesso da pessoa. Todos são dignos e, por estarem aqui, têm reserva de energia e de experiência para que se possa experimentar transformar-se. Cada um deve saber de si, porque estas transformações pertencem a cada um. Não se pode dizer como fazer, porque pode dar certo pra um e errado pra outro. O errado pode ser o sofrimento, pode ser a dor, que tenta corrigir o que de certa forma pode estar até certo, mas às vezes invertido, às vezes inapropriadamente antecipado, mas isso realmente é de cada um. Você se responsabiliza por si, mas, se responsabilizar baseado no sofrimento, só aumentará o sofrimento. Entenda, é uma virtude e você pode transformá-la. Você tem habilidade para isso, todos têm habilidade para transformar a si. Não só habilidade, têm poder sobre si, não só poder, tem acesso direto ao seu DNA. Você pode modificar a forma do seu corpo, não é fantasia, fantasia é acreditar que nada pode fazer. Creia, construa a sua fé em si, acredite, descubra a sua confiança, tenha acesso ao seu organismo mentalmente, pense,  encontre as luzes de interação, elas são diálogos verdadeiros, não são palavras decifráveis, mas são contatos reais, são produzidas pelas células, elas se comunicam com essas luzes, essas luzes são comunicabilidades. Descubra um jeito de lidar com elas. Não podemos dizer como, porque cada um é um. Mas, podemos dizer que se tens um contato mais íntimo com o seu ser, está na flor da sua pele, está na iluminação dos seus olhos, está nos sentidos das suas escutas, está nas orientações da sua intuição, das suas impressões e está na confiança do seu pensamento. Aceite-se exatamente como és. Não existe beleza física, existe a beleza de viver. Não existe pessoas feias, pois as suas energias, aos nossos olhos, são idênticas. A luz do amor está presente em todos. É preciso encontrá-la dentro de vocês. Amem-se.

Paz e Amor.

Grupo: Eu gostaria que você falasse um pouco mais dos três momentos que o Ranamás falou, sobre o acesso a este mínimo de consciência. No pré dormida, pré acordada e pré deduplinação.

NA – Vamos falar apenas dos dois primeiros, pois o terceiro é preciso deduplinar para saber. Mas verás que a lucidez pré morte é algo de extrema profundidade e irá trazer uma grande conectividade com a existência. Mas, ao dormir, há uma grande oscilação mental. Esta oscilação, existe para fazer uma pequena desconexão exociencial entre o organismo duplinado, consciente, transferindo o âmbito consciencial para a sua exociência. Esta oscilação, ela é de extrema importância para gerar a sua consciência, pois ela estabelece parâmetros, parâmetros. Ela estabelece a diferença entre ter consciência e não ter consciência. Esta propriedade não é consciente, ela é da interação entre mente insciente e o corpo físico, e acontece nos dois momentos de transição, entre estar acordado e dormindo e entre dormindo e acordado.

Grupo: Quer dizer que nunca teremos consciência dessa passagem….

NA – Raramente, mas é possível. Depende do exercício mental e insciencial de cada um. O exercício mental flexibiliza os acessos conscienciais, porque certamente amplia os seus fatores originais, promovendo intercessões entre os estágios conscienciais. Esses estágios não são fixos para todas as pessoas. Há aqueles que têm muito pouca consciência. Isso quer dizer que no seu espectro consciencial, suas vibrações são mais restritas.

Grupo: Essas pessoas não são diferentes, em si, das outras, porque de um modo geral não se usa muito a consciência, não se pensa muito,  não se sente muito, a vida passa e você nem lembra. As pessoas em que o espectro é maior são mais sensíveis, mas se também não pensam muito, que diferença faz? Cada um tem o seu amplo dentro de si e esta amplitude subjetiva pode ser contraposta com exercícios de atenção, de persistência e especialmente de autoconfiança.

NA: Ter em mente uma aproximação a aquilo que se denomina amor, de forma ampla e irrestrita, pode proporcionar um autodesenvolvimento melhor, aumentando as suas habilidades, o seu pensamento, enriquecendo os seus sentimentos, aproximando e afinando o coração de sua mente. Paz e Amor.

NA – Sempre buscamos encontrar formas de explicar, pouco a pouco, algumas refe:  rências que são importantes para vocês. Mas, estas considerações podem nada representar se nada representarem em vocês. Pois, cada um tem em si o seu caminho e o seu caminho normalmente passa pela consciência e pelo tanto que ela é restrita. É possível ampliá-la e encontrar consigo de muitas formas, por muitos meios, de maneira a se desenvolver. Mas isso depende de você.

Paz e Amor, agradecemos.