Na medida do possível buscaremos resumos sobre o assunto filergia, que é relacionado aos processos de expressão de interação do ser siloeflérico. Portanto, um embasamento não científico humano sobre o assunto. Solicitamos permissões para a expressão com olhos abertos e sem modulação da voz para não alterar as condições físicas e emocionais do nosso irmão. Agradecemos. As expressões podem ser alternadas com os participantes. Agradecemos.

As dimensões materiais apresentam claramente o chamado mundo bariônico, portanto, relacionado às estruturas subatômicas, especialmente que contêm nêutrons, prótons, especialmente, e elétrons, evidentemente. Citamos as trilas como um ambiente de interface, de atrito dimensional. Essas regiões no espaço físico geram manifestações diversas sendo muitas dessas manifestações visíveis aos olhos humanos. Entretanto, muitos outros fenômenos podem ser descritos como sendo fora do âmbito sensorial da experiência fisiológica humana. Certamente, tudo isso é esperado por qualquer linha que considere as limitações das percepções ou das formas de registro, mesmo usando tecnologias. A compreensão dessa base evidentemente teórica pode ser em várias instâncias associada ao conhecimento da experiência científica, física e matemática humana. É claro que não iremos aprofundar a este nível, mas fica aberto aos interessados pois certamente irão descobrir novas possibilidades. Deixando esta parte a esmo, entendamos que a natureza não se delimita em campos eletromagnéticos gerados por movimento de elétrons apenas, mas há outras formas regentes de campos de existências que produzem força sem a presença exclusiva dos elétrons. Entretanto, dentre essas “forças”, citamos as filergias como resultado de processos físicos-não físicos, resultado de interfaces entre dimensões diferentes e exalções efléricas que se expressam na natureza intercambiante qualquer. Muitos processos mezodescritos até aqui, e assim continuarão, fazem alusão a exalções efléricas no ambiente físico. Solicito uma explicação desenhada por nosso irmão. Agradecemos.

Todo esquema a ser mostrado não corresponde a uma realidade porque o plano físico não é suficiente para isso. Portanto, é apenas uma representação gráfica. Consideremos, pois, que este traço represente Éfler e as dimensões quaisquer físicas. Há uma área chamada faixa Clarta já descrita anteriormente. Esta área é uma área muito próxima da dimensão do átomo, seja qual for. Ou seja, há o alcance limítrofe, ele não estende muito além da visibilidade do átomo. A instabilidade física é maior do que a instabilidade não física, eflérica. Mas, a variação eflérica é maior do que a variação física, contribuindo para a criação de um atrito dimensional. A expressão desse atrito é a diferença vetorial do âmbito nanogravitacional, criando gravidade negativa ou gravidade positiva. E toda a variação não tem uma resposta definida, isto é, pode ser de zero a indeterminado de zero a menos ou mais indeterminado. Normalmente, alcança duas ou três vezes a órbita do elétron, portanto, são variações muito pequenas. Mas, frequentemente, alcançam alta frequência, por exemplo, na ordem de 1019 até 1025 Hz. Portanto, na faixa já de ondas gama. Essa vibração também tem um potencial de energia de absorção e de exalção compatível com a estrutura do elétron e das partículas do átomo. Ou seja, quando há muita energia, está relacionado a uma grande quantidade de exalção, criando o que é chamado de restil. Restil são sobras físicas transformadas, exalçadas de Éfler para a matéria, e o contrário também, chamado de derrestil. Entende-se que esse processo é um processo de incronização. E o processo inverso de ucronização. Estamos entendendo até aí? Estamos falando daquilo que surge de Éfler e daquilo que desaparece da matéria. Certamente, isso pode acontecer com qualquer quantidade de matéria. O que impede de acontecer a implosão dos universos é a estabilidade da matéria física. Essa estabilidade impede a transformação de substância material em abstância eflérica.

Grupo: Estabilidade, né?

NA: É, da matéria. Muito bem. Vamos entrar agora numa parte daquilo que é chamado de Filergia. A filergia é uma situação do processo de exalção de Éfler para os campos materiais. Primeiramente, ela surge da vibração de ressonância, que acontece durante o processo de exalção. Essa alta vibração gravitacional, ou seja, vamos fazer um desenho temporário. Um desenho temporário intermediário dessa parte. A vibração nanogravitacional é suponhamos essa linha Éfler-matéria, e a faixa clarta. A faixa clarta tem gradações de intensidade. Esse ponto altamente instável não é definido por nenhum fator presencial, mas a exalção expulsa a matéria, a matéria é expulsada de volta, e vai criando, aqui tem um campo gravitacional que é a faixa clarta. Ele oscila em velocidades da ordem citada de 1020. Essa oscilação, ela está jogando matéria e colhendo matéria em uma velocidade muito grande. Isso causa ressonância no ambiente eletromagnético físico e desenha uma resposta de ressonância. Isso no ambiente eletromagnético, ou seja, no campo eletromagnético. Essa resposta, ela não existe em Éfler, ela só existe no ambiente material porque há campos eletromagnéticos, há matéria, há elétrons há átomos. E eles estão em ressonância. Eles respondem a essa variação gravitacional. A variação gravitacional quer dizer: atrai, expulsa, atrai, expulsa. Então, ele pode fazer um desenho específico de atrai e expulsa. Um desenho de onda gravitacional.

Grupo: É um espelho?

NA: Não, não é um espelho. Existe uma força na matéria e em Éfler. Esta força é chamada de NIR. A força NIR é a base da interatividade do ser silo eflérico.

Grupo: Então nós estamos a todo momento sendo matéria – Éfler, matéria – Éfler, matéria – Éfler?

NA: É, mas não numa forma linear na superfície, porque isso aqui é só um gráfico. Ele não é assim (como no desenho da folha), ele é multidimensional.

Grupo: E olhando assim pelo gráfico, a matéria física vai adquirir estabilidade quando ela estiver mais distante desse campo (faixa Clarta)?

NA: Quando ela estiver mais distante, por exemplo, o átomo é desse tamanho (mostra o desenho no papel). Então tudo acontece nesse âmbito. A força Nir, ela tem várias formas de interagir com o elétron. Ela interage com o elétron criando a Filergia. Como ele interage? Ele interage diretamente em volta do elétron, ou seja, onde o elétron for ele vai em volta dele. Ele interage ligado ao elétron, ou seja, vai junto dele ou separado do elétron. Então Nir pode fazer o elétron ser uma ressonância ou pode fazer um elétron ser uma partícula. Então, a força Nir, que é uma força eflérica resultante da vibração entre a exalção e a depleção, a depleção é quando a matéria vai para Éfler. Então, essa força expressa no mundo material, ela interage com os campos eletromagnéticos a partir da sua ligação, a dissociação ou a associação, que é ele ficar girando em torno do elétron. Isso gera a principal invisibilidade da força Nir, porque ela é entendida como sendo força do elétron. Deu para compreender até aqui? Então, existe fator Nir resultante de processos gravitacionais no âmbito do átomo durante o processo de exalção…

Grupo: Do próprio átomo?

NA: Isso. A formação dos restis acontecem com a interação da força Nir. Não é adequado chamar de força Nir, pois ela não é uma força. Ela é uma indução, mais especificamente. E a indução gera a força. Então, ela é uma indução no elétron, gerada por campos nano gravitacionais ao nível dimensional do átomo, criando exalções e depleções, e os campos eletrofi são resultados da interação Nir, o que é um campo FI, que é a forca de interação. É a interação de Nir com o átomo, fazendo com que o átomo comporte como ele se comporta. E há aí, nos próximos 100 anos, a humanidade poderá descobrir esse fator ainda desconhecido, mas relacionado às energias escuras e à matéria escura. Tudo resultante dos campos nano gravitacionais. Apesar de terem o nome de nano, universos inteiros podem aparecer ou desaparecer. A velocidade dos campos Nir, contradizendo a ciência humana, pode ser mais de 10 vezes a velocidade da luz, mas os atritos dimensionais impedem esse fator atuar dessa forma. A questão do tempo é bastante complexa, mas também está relacionada aos campos eletrofi. Alguma pergunta?

Grupo: Essa tensão gravitacional, interdimensional, ela acontece o tempo todo?

NA: Totalmente, enquanto existir o átomo.

Grupo: Na nossa compreensão dimensional, o tempo todo e em todos os lugares.

NA: O tempo todo, em todos os lugares, em todas as situações, físicas, da dimensão física.

Grupo: Com os seres vivos e com outras expressões de matéria?

NA: Está acontecendo o tempo todo. Da mesma forma que você pode perguntar se o elétron gira em torno do átomo, você pode perguntar: o tempo todo? A resposta é a mesma.

Grupo: Na nossa capacidade de observação e de sensibilidade, existe alguma forma da gente perceber isso? Ou está longe da nossa capacidade de acesso?

NA: Existe. Pegue em seu corpo e sinta-o. Todo o processo existencial físico, orgânico está relacionado aos átomos, que podem aparecer e desaparecer. Você se transforma a todo tempo, a todo instante. Em algumas situações, mais rapidamente, em outras situações, mais lentamente. Mas, estas formações relacionam-se à estabilidade física ou à instabilidade física. Se você entrar em um túnel de irradiação, dependendo do nível dessa radiação, o seu organismo poderá entrar em ressonância com essa instabilidade promovida por irradiações e você pode virar outra coisa, por exemplo, um pedaço de pedra queimada. As transformações da natureza ocorrem em equilíbrio, e o equilíbrio representa a estabilidade. O ambiente físico é altamente estável, mas em seus limites físicos, esta variação, ela cria a interface com as dimensões. É o que possibilita uma dimensão conviver com outra, criando os halos, e o exemplo de conjunções dimensionais é a mente, produzida pelo organismo físico e pelos fluxos de interação. Esses fluxos de interação é a interação do ser insciente, que tem a sua experiência silo eflérica transferida diretamente para o corpo físico, e o uso das dimensões como Ídar, criando as interfaces físicas, não físicas como a mente, a dimensão de Guion. Foi possível compreender?

Grupo: Mais ou menos. Se a gente toca na gente, se a gente busca esse acesso, para mim ainda parece muito distante de alcançar a percepção de tudo isso, mas o que estou entendendo, somando tudo aí para trás, é que os exercícios nos dariam mais essas chaves de acesso para perceber isso. É isso?

NA: É isso, mas vamos fazer uso do conhecimento humano. Você percebe os átomos?

Grupo: Não.

NA: Em grandes quantidades, sim.

Grupo: Até pensei, quando a gente pensa no lado da física quântica, de ver que ali tem um vazio enorme, que sai de um lugar e chega em outro de uma forma inexplicável, quer dizer, essa falta de condição de explicar pela razão humana, fiquei pensando que, daqui a 100 anos, quando Nir estiver na ciência humana, isso pode gerar uma revolução como gerou a física quântica, algumas décadas atrás. Seria talvez, maior, né? Porque isso deve dar um acesso a Éfler. Estou viajando demais?

NA: Não acesso a Éfler…

Grupo: Acesso ao conhecimento de Éfler pela ciência humana. É isso, desculpe.

NA: Vocês são humanos…

Grupo: Sim.

NA: Já ouviram falar de Éfler?

Grupo: Não. Só com vocês.

NA: Então já ouviram! (risos) Então, a humanidade já ouviu falar de Éfler! (risos). Mas, essas limitações da percepção podem mostrar a noção que cada um tem. Por exemplo, a humanidade conhece perto de 200.000 substâncias. Sabemos de outros que conhecem 500.000, etc., não vamos descrever mais para não ficar mais exótico ainda, e já somos. Mas, é claro que o conhecimento que é restrito ao poder, ele tem uma repercussão sensorial e é claro que ela não é no nível átomo, mesmo que as coisas aconteçam no nível do átomo. Pensemos que todo o processo acontece com muitas interfaces e muitos níveis de interface. É preciso grande quantidade de substância para que ela seja utilizada e percebida. Por exemplo, tomar 20ml de água ou 20 litros. Na medida em que a quantidade aumentar, ela irá extrapolar o nível sensorial. E se você tiver um planeta com mil vezes água do que tem este, e esse existe, o aspecto sensorial terá que fazer uma viagem a esse planeta numa distância muito grande, enxergá-lo de longe, ir se aproximando e morrer afogado no final, pois só tem água. É interessante perceber que a percepção representa um nível do seu nível e tudo que for menor ou maior irá ter esse nível de noção, que é não ter noção. Você pode falar dos átomos e compreendê-los teoricamente, como expomos, mas não pode percebê-los individualmente, mas o efeito da vibração desses átomos e da atuação dos campos Nir por intermédio dos fílens. Os fílens são feitos de Nir e quando eles estão em interação com os campos eletromagnéticos, ou seja, com elétrons, eles podem gerar energia elétrica, eles podem gerar movimento, força. Daí a força Nir, mas compreendendo-se apenas a existência de algo a mais, que neste caso estamos denominando como conhecemos. Em outras dimensões o efeito Nir no elétron faz desenhos estranhos, como é o caso da dimensão de Ídar. Por isto, realçamos a importância dos desenhos, para a memória, pois são trajetórias exóticas apenas pelas características de Nir. Da mesma forma, os elétrons têm as suas estranhezas em que a física humana, de cem anos para cá, reelabora a respeito do mundo físico, e simultaneamente mede o espaço físico, já ultrapassando um trilhão de anos-luz. São noções fora do âmbito do alcance pessoal. Mas, compreender que a mente se relaciona com a natureza complexa, como dissemos, quer dizer que alcança com simplicidade a natureza complexa. É o caso da experiência humana mental em Guion. Há muitas questões para serem elaboradas que podem ser úteis ao alcance do ser humano comum (é o nosso interesse) para que se compreenda a exosciência, por exemplo. E que se abram as portas da mente para encontrar a si mesmos ou a si mesmas. Agradecemos.

NA: Em outros momentos reelaboraremos esses fatores que estão de encontro com o conhecimento humano que, por vezes, parecem altamente pretenciosos, pois, é igualmente pretenciosa a compreensão desses fatores. Agradecemos. Paz e Amor.

Grupo: Algo não ficou muito claro. Entendi a dinâmica do elétron transitando entre Éfler e a matéria, mas o que confere a estabilidade da matéria, já que existe a instabilidade do elétron entre Éfler e a matéria?

NA: Há vários fatores conhecidos da física humana.  Não iremos reelaborá-la, mas podemos dizer com mais simplicidade que é tanto a temperatura, quanto as camadas de elétrons, quanto a quantidade desses elétrons e desses átomos contribuem para a estrutura estável. Um material físico como o ferro tem uma determinada estabilidade dependendo desses fatores ambientais, maior ou menor do que alguns gases, principalmente gases que têm comportamentos referentes à sua estrutura molecular e os seus fatores de influência. Então, não vamos elaborar especificamente quais são. Mas, eles são estudados amplamente e satisfatoriamente, nesse nível, pelos humanos. Entretanto, quando se adiciona Nir, por exemplo, a compreensão dessa estabilidade inclui outros fatores, e na verdade é dos fatores que mais determina a estabilidade: a presença dos campos de interação FI, que são as forças de interação, os fluxos de interação advindos das particularidades de Nir. Da mesma forma que a energia surge do elétron, a interação dos campos eletromagnéticos é feita pelas características dos campos Nir, ou dos fluxos Nir. Nir é exalçado para a matéria a partir das variações nanogravitacionais entre as dimensões materiais e o Radash de Éfler.

Grupo: Só para tentar confirmar ou não. A filergia não é atômica, evidentemente. Os campos Nir são geradores de filergia?

NA: São.

Grupo: A gente pode falar, então, como os fluxos Nir envolvem os elétrons, que todo o mundo bariônico está em constante diálogo com Éfler?

NA: Isso.

Grupo: Isso explica para mim, abre um pouco para a questão de sermos sempre multidimensionais, porque, na verdade, a matéria em si, que é o mais perceptível para o olhar mais desatento humano, ela é uma mistura de elementos multidimensionais. Posso falar isso?

NA: Sim. Quer uma comprovação em seu corpo? A sua mente. Tente pegá-la.

Grupo: Nessa linha que o Weber está falando, que tem essa interação, a gente é todo formado de átomos, então na realidade a gente é energia envolvida pela filergia, por Nir. Qual o direcionamento de Nir? A gente pode direcionar Nir para qualquer lado? Por que você falou que a gente pode curar, a gente pode fazer diversas coisas com a energia. Já que é tudo um campo o tempo inteiro em contato, ida e vinda de energia. A gente consegue dar direcionamento positivo ou negativo, no sentido de que você pode conseguir curar quanto você pode conseguir destruir?

NA: Pode, por exemplo, vamos fazer um paralelo. Você tem uma vara de pescar, e com essa vara de pescar na festa junina, você quer dar um presente para o seu filho de 3 anos. Você põe a vara de pescar nas mãos dele, e ele vai tentar pegar. Na mente dele, mesmo você segurando a vara, ele pescou. Mas, você sabe que foi você. Desta forma, houve a satisfação agida pelo corpo dele, pela intenção dele, mesmo que infantil e imaginativa. Também conta a sua ajuda, a interface da vara de pescar, o gancho e o brinquedo enterrado na serragem, representado por símbolos escritos em um papel, denunciando qual é o prêmio. Há diversas interfaces para que o desejo infantil se realize. Todas as interfaces são auto-cientes, inclusive a vara de pescar, pois  é o objeto direcionado e controlado para acessar através de um fio condutor de um gancho. Seria no futuro essa interface, do tipo wi-fi? Ou seja, a própria mente capturando aquele prêmio? Sim, é exatamente esse processo de interface cada vez mais próximo do próprio gerador intencional. Na medida que a experiência se comprova primária – veja, sem a festa junina, não há o prêmio, então, também não há a imaginação do prêmio – toda uma interface se constrói, célula a célula, utilizando-se dos seus recursos e autonomia. As células obedecem a sistemas, mas também os contradiz, recriando outras questões, como é o caso dos sistemas imunológicos, que tentam desvendar os segredos do invasor, que também se utilizam de interfaces para enganar a invasão. Os processos “biológicos”, bióticos relacionados às interfaces dos seres inscienciais que, por incrível que pareça, inclui todas as bactérias do mundo físico e elas atuam comunicando-se, e mais, elas se comunicam em muitos casos com as suas raízes interplanetárias, utilizando-se de sistemas de campos de energia e de filergia. A filergia tem a sua potencialidade possível, bem maior que a energia. Quando os seres humanos aprenderem a utilizar as filergias, eles estarão ecologicamente mais corretos, pois, economizarão energia.

Grupo: Uma questão que me veio agora. Essa troca, ou esse processo de exalção e depleção, ou seja, a relação de Éfler com o campo eletromagnético, isso é randômico, ao acaso, ou é volitivo? Posso atuar sobre isso?

NA: Pode. São todas as situações. Especificamente, os seres que descobriram o processo material, que estavam indefinidamente em Éfler, alguns milhões, casualmente descobriram uma forma de se transmitirem para o mundo material. Há muito tempo do tempo físico humano, muitos seres desenvolveram outras formas, e há outros ainda bem mais diferentes, não passam por Éfler para chegar nos universos materiais, como é o nosso caso.

Grupo: Em relação à exosciência. Ela é filergia? Qual é a relação disso tudo? É a mente, a exosciência?

NA: Iremos falar sobre a dimensão exosciente mais à frente.

Grupo: Eu tenho uma dúvida em relação a Ídar. Em outros encontros vocês disseram que Ídar faz a interface entre Éfler e o mundo bariônico. Onde Ídar se situa dentro dessa faixa Clarta? Onde Ídar está nisso que você trouxe para a gente hoje?

NA: Dentro dessa configuração esquemática, que não corresponde ao real, a faixa Clarta tem uma gradação, e nesse distanciamento encontra-se o halo relacionado a Ídar, que é antes da manifestação restil da matéria, logo “antes”, ou em conjunção, no processo de incronização. De tal maneira que Ídar encontra-se a esmo no mundo bariônico. Os seres vivos usufruem e existem, coexistem nas dimensões de Ídar, nas dimensões bariônicas, nas dimensões de Guion, e outras que iremos citar mais adiante. É preciso que se compreenda com naturalidade, isto é, da mesma forma que absorveram a ideia de um átomo, compreendam que as dimensões estão presentes. O corpo as usa da mesma forma que usa o espaço físico que você vê e toca, da mesma forma que usa o espaço eletromagnético que você vê e usa, por exemplo, através das ondas eletromagnéticas de suas tecnologias. É a mesma coisa, só que a humanidade ainda não descobriu. E vai se espantar quando descobrir.

Grupo: Vou mudar de assunto um pouquinho para fazer um pedido. A Xxxx pediu que acompanhasse a apresentação de sexta-feira, da xxxx, que envolve os xxxxx e xxxx. E eu queria aos nossos colegas do grupo que também vão ter suas apresentações na quinta e sexta e no sábado.

NA: Já estão todos incluídos e vimos desde antes acompanhando e usufruindo dessas apresentações. Agradecemos.

———

Pedidos

———

Grupo: Queria também um misto de agradecimento e de citação. Semana passada eu tive duas situações de sinais bem claros, que já tive, que fazem parte da minha história, de doenças específicas que sempre tenho, como gota e enxaqueca. Eu dialoguei muito com o meu corpo, e não fiz nada, simplesmente só dialoguei, e sumiu num tempo recorde, sem eu precisar tomar nada, nem tomar nenhuma medida medicamentosa, nem nada. Isso é filergia, não é?

NA: É filergia resultante da sua confiança. Filergia é como energia, só que interativamente associada, uma energia controlada, uma influência nos campos eletromagnéticos, eletrostáticos, eletrofi, etc.

———-

Pedidos

———-

NA: Assim seja, apanhe um copo d’água, e assim seja para todos. Sente-se, por favor aqui. Os centros de energia são literalmente associados e ligados a todo o corpo e, ao mesmo tempo, aos processos mentais que geram a sua mente dimensional, o seu pensamento. Portanto, esta é a uma habilidade acessível a todos. E quando ainda há um novo ser em seu ser, basta a luz do amor conectar o que está conectado. É só deixar fluir e confiar em seu ser. Sempre é possível encontrar o equilíbrio de forma suave e eficaz. Imagine que estas águas que todos seguram encontram-se completamente ligadas às vibrações do seu amor incondicional. Aceite-se em sua luz desse amor. As águas entram em sintonia como cristais, exaurindo para o seu ser ou para os seus seres, aqueles todos ligados em seu amor. Os centros de energia entram em ressonância imediatamente, entrando em sintonia com o amor incondicional, alinhando-se naturalmente, estando cada um na disposição que a natureza pede. A essência do amor entra em vibração com o líquido. A água como um ser responde e aceita a sua ressonância. Paz e Amor. Paz e Amor. Beba, bebam. Agradecemos.

A luz do amor é a essência que constrói a vida através de todas as suas formas de ser nessa natureza e confiar em seu amor é alcançar a sintonia que é exalçada para o seu ser. Paz e Amor. Paz e Amor. Agradecemos. Manhrkiwon.

Grupo: Eu quero agradecer por ter sido conduzido para este grupo. Estou aqui tem pouco mais de um mês e eu percebo muitas mudanças na minha vida pessoal. Uma das maiores mudanças positivas que eu senti é que, no desempenho das minhas funções de motorista e condutor de aplicativo, eu tenho sempre transmitido palavras que as pessoas precisam de ouvir. Tem sido tocante. Isso tem sido muito gratificante. E eu creio que no ano que vem eu volto para o vôo. Eu entrei no processo de despertar da minha formação de Reikiano e nos próximos dias, durante as minhas auto-aplicações eu peço essa energização, que eu possa ser um instrumento à disposição do universo, para que eu possa transmitir paz e amor. Eu agradeço, agradeço muito.

NA: Igualmente agradecemos. Paz e Amor.